Anglicanos: conversas dos bispos – e o povo de deus?

| 21 Jun 21

Conferência de Lambeth. Anglicanos

“No próximo mês de julho, haverá uma série de “conversas episcopais”, como preparação da grande Conferência de Lambeth”. Foto: Conferência de Lambeth © Ignacio Jose Sol / Wikimedia Commons

 

A Comunhão Anglicana adiou para o ano de 2022 a reunião mundial onde estarão presentes todos os arcebispos das suas províncias, assim como alguns bispos. A Conferência de Lambeth, como se chama, esteve marcada para 2020, mas foi protelada devido à pandemia. Antes da reunião, foi decidido organizar uma “Conversa dos Bispos” ou seja, os bispos vão conversar entre si, sobre o tema da conferência, “Igreja de Deus para o Mundo de Deus”, que, diga-se, é um excelente tema para que a conversa dos bispos se estendesse ao povo cristão anglicano, o que não parece ser o caso.

Assim, no próximo mês de julho, haverá uma série de “conversas episcopais”, como preparação da grande Conferência de Lambeth, que se realiza sempre de dez em dez anos; não sendo vinculativos os assuntos aprovados, todas as igrejas do anglicanismo devem ter em consideração as suas decisões.

A grande maioria das igrejas anglicanas de cada país estarão presentes nesta Conferência, mas a Global Anglican Future Conference, um pequeno grupo conhecido pelo seu conservadorismo, irá realizar uma conferência alternativa.

Embora as divergências sejam grandes, será possível que nestas conversas se venham a encontrar pontos de encontro?

As conversas episcopais, onde se podem inscrever só bispos anglicanos, estão a ser planeadas pelo Grupo de Trabalho da Conferência de Lambeth, presidido pela bispa Emma Ineson e a sua preparação teve lugar no mês de janeiro do corrente ano, com uma série de vídeos, principalmente do arcebispo Thabo Makgoba, primaz da África do Sul e presidente do Lambeth Conference Design Group.

A Comunhão Anglicana em Portugal está presente na Igreja Lusitana Católica Apostólica Evangélica e em tudo o mundo possui cerca de 100 milhões de membros, sendo a terceira maior confissão religiosa cristã.

A grande questão que se levanta não é a “conversa entre bispos”, mas se esses bispos expressam os anseios do Povo de Deus, de tradição anglicana, a exemplo do Sínodo dos Bispos da tradição católica romana, que o querem fazer. Se antes não existiam estas “conversas episcopais”, o que, em minha opinião, constitui um avanço da Comunhão Anglicana, deveria trata-se, antes, de colocar os seus fiéis a conversar com os seus bispos diretamente, apontando aquilo que, segundo eles, os bispos devem refletir.

Poder-se-á afirmar que os seus representantes já têm lugar nos sínodos de cada diocese; é verdade, mas também o é que o povo tantas vezes não é ouvido, nas suas legítimas dúvidas, por que os bispos não têm certezas. O Espírito do Senhor amanhece sempre pelo povo que o adora, por mais santificados que sejam os bispos.

É uma opinião!

 

Joaquim Armindo é diácono católico da diocese do Porto, doutorado em Ecologia e Saúde Ambiental.

 

Combater bem o mal

Combater bem o mal novidade

Os tempos que se vivem na Igreja Católica suscitam especial dor a todas as pessoas, sejam ou não crentes, provocando revolta em muitos contra um aparentemente imobilismo na resposta a uma crise que já se prolonga por demasiado tempo. A Igreja, enquanto realidade operante no mundo, não ficou imune a este fenómeno transversal à humanidade que é o abuso sexual de menores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero

Pedro Strecht apresentou membros

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero novidade

Daqui a um ano haverá relatório, que pode ser o fim do trabalho ou o início de mais. A comissão para estudar os abusos sexuais do clero português está formada e quer que as vítimas percam o medo, a vergonha e a culpa. Ou seja, que dêem voz ao seu silêncio. Pedro Strecht apresentou razões, o presidente dos bispos disse que não quer mais preconceitos nem encobrimentos, mas “autêntica libertação, autenticidade e dignidade para todos”.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This