Antiga sobrevivente do nazismo desafia extrema-direita nos 76 anos da libertação de Auschwitz e Papa alerta

| 28 Jan 2021

Nazismo. Berlim. Memorial. Holocausto

Memorial Gleis 17 (Cais 17), junto à estação de S-Bahn de Grunewald, em Berlim. Daqui partiam muitos judeus para os campos de concentração ou extermínio. Foto © Helena Araújo

 

Sobrevivente do período nazi e antiga presidente do Conselho Central dos Judeus na Alemanha, Charlotte Knobloch esteve nesta quarta-feira, 27, no Bundestag (Parlamento) alemão, na cerimónia que assinalou o Dia de Memória das Vítimas do Nazismo.

“Não podemos esquecer” a fragilidade da democracia e dos progressos já alcançados nas sociedades, afirmou, mas o ódio e o antissemitismo estão “em crescimento”, disse, e esse é um fenómeno que “toca o coração da sociedade”, afirmou.

Nascida em 1932 em Munique, como recorda Helena Araújo no blogue Dois Dedos de Conversa, Charlotte Knobloch contou aos deputados alemães alguns dos episódios de perseguição e violência de que foi vítima no período nazi.

Apresentando-se “como mãe, avó, bisavó, muniquense, bávara, alemã, europeia, judia, ser humano”, Charlotte Knobloch voltou-se, no final da sua intervenção, para os deputados da AfD (Alternativa pela Alemanha, extrema-direita) dizendo: “Não posso ignorar que me perturba o facto de estarem aqui sentados.” E acrescentou duas frases sublinhadas por aplausos dos restantes deputados: “Vocês vão continuar a lutar pela vossa Alemanha, e nós vamos continuar a lutar pela nossa Alemanha. Vocês perderam a vossa luta há 76 anos.”

(o vídeo do discurso pode ser visto a seguir, em alemão, com tradução simultânea em inglês)

 

Esta cerimónia de evocação da libertação de Auschwitz e das vítimas dos crimes nazis acontece no Parlamento alemão há 25 anos. Nela se têm sucedido, como convidados a fazer o discurso de memória, sobreviventes de Auschwitz ou líderes mundiais.

A Deutsche Welle (DW) recorda vários desses intervenientes que, ao longo dos anos, alertaram também, muitas vezes, para ameaças contemporâneas e para a possibilidade de situações como a da Shoah se repetir de novo.

Começando por definir do que se fala, a DW pergunta: “Genocídio: é esta a palavra apropriada para descrever o extermínio sistemático de seis milhões de judeus entre 1939 e 1945, durante a Segunda Guerra Mundial? Claramente, não. Em Israel, o maior crime contra a humanidade é designado Shoah e significa ‘catástrofe’ ou ‘grande infortúnio’. Fora do Estado judaico, que foi fundado em 1948, a maioria das pessoas fala em Holocausto. O termo, derivado do grego, significa ‘completamente consumido pelo fogo’.”

“A tentativa de colocar em palavras a violação de humanidade cometida pelos alemães será sempre um desafio”, acrescenta o artigo do canal de radiotelevisão. “Isso também se reflecte no nome oficial do Dia em Memória das Vítimas do Nacional-Socialismo, introduzido em 1996 pelo então Presidente alemão Roman Herzog. Ao lançar a data há 25 anos, Herzog explicou que chamá-las de ‘vítimas do Holocausto’ seria usar ‘um termo muito limitado, porque a política racial nazista afetou outras pessoas além dos judeus’.”

O dia 27 de Janeiro assinala a libertação do campo de extermínio nazi de Auschwitz pelos soldados soviéticos, em 1945. Em 1998, nesse mesmo dia, o historiador israelita Yehuda Bauer lembrou outros genocídios que marcaram o século XX: Ruanda (1994), Camboja (1975-79) e Arménia (1915-16), localizados em geografias concretas. Mas “o assassinato dos judeus foi universal, pensado mundialmente”, afirmou, alertando de novo para a possibilidade de tragédias semelhantes se repetirem. “E eu não sei dizer quem serão os judeus e quem serão os alemães da próxima vez.”

O primeiro sobrevivente de Auschwitz a falar na cerimónia do Bundestag foi Elie Wiesel, escritor romeno naturalizado americano, em 2000. Falo sem ódio nem amargura”, disse. “As minhas palavras humilhar-vos-ão? Como podem entender o culto ao ódio e à morte que reinou em seu país?” Afirmando não acreditar na culpa colectiva, avisou também para o perigo de querer arrumar o tema nas prateleiras do esquecimento: “Quem permite que a memória das vítimas seja obscurecida, mata-as pela segunda vez.”

 

Os avisos do Papa e as “pedras de tropeçar” em Lisboa
Nazismo. Berlim. Memorial. Holocausto

Stolpersteine (“pedras em que se tropeça”), memorial de vítimas do nazismo, na Zimmerstrasse, em Berlim Mitte. Foto © Berihert/Wikimedia Commons.

 

Também o Papa Fransicso se referiu à data, avisando contra “propostas ideológicas” que ameaçam a humanidade: “Tenham atenção, vejam como começou esta estrada de morte, de extermínio, de brutalidade”, disse Francisco, no final da audiência geral das quartas-feiras, transmitida por canais vídeo a partir da biblioteca do Palácio Apostólico.

“Evocamos as vítimas da Shoah e todas as pessoas perseguidas e deportadas pelo regime nazi”, referiu o Papa. “Recordar é uma expressão de humanidade. Recordar é um sinal de civilização. Recordar é condição para um futuro melhor, de paz e de fraternidade. Recordar é também estar atentos, porque estas coisas podem acontecer, de novo, começando por propostas ideológicas que querem salvar um povo e que acabam por destruir um povo e a humanidade”, acrescentou, citado pela Ecclesia.

Precisamente com a ideia de não apagar a memória, Luciano Waldman, activista da associação cultural Rua da Judiaria, quer trazer para Lisboa o projeto do artista alemão Gunter Demning visível em diversas cidades europeias que consiste na colocação no piso de pedras salientes com o nome e algumas outras referências de vítimas do nazismo.

Stolpersteine é o título em alemão daquela instalação urbana, o que em português se pode traduzir por “Pedras em que se Tropeça”. A notícia foi veiculada pelo Público, jornal a que Gunter Demning confirmou a recepção do pedido, mas recordou serem exigidos vários requisitos, confirmações e envolvimento das famílias das vítimas para se poder avançar para a concretização da ideia em Lisboa. (ligação disponível apenas para assinantes)

Num curto comunicado, o Presidente da República assinalou também a data, lembrando a “responsabilidade colectiva de recordar e agir na prevenção do ódio e da segregação”.

Ao mesmo tempo, Marcelo Rebelo de Sousa reafirmou também “o compromisso com o legado de Aristides de Sousa Mendes, mantendo-nos fiéis aos valores que a sua memória representa na defesa da dignidade da pessoa humana, no combate ao estigma e à discriminação racial ou religiosa”. O PR saudou ainda a edição especial do Diário da República Amarelo de dia 27, na versão em papel, como forma de homenager “todas as vítimas do Holocausto”.

 

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver

40ª viagem apostólica

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver novidade

O Papa acaba de embarcar naquela que tem sido descrita como uma das viagens mais ousadas do seu pontificado, mas cujos riscos associados não foram motivo suficiente para que abdicasse de a fazer. Apesar dos problemas de saúde que o obrigaram a adiá-la, Francisco insistiu sempre que queria ir à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul. Mais do que uma viagem, esta é uma missão de paz. E no Congo, em particular, onde os conflitos já custaram a vida de mais de seis milhões de pessoas e cuja região leste tem sido atingida por uma violência sem precedentes, a presença do Papa será determinante para mostrar a toda a comunidade internacional aquilo que ela parece não querer ver.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana novidade

Quando ambos falamos de realização humana, talvez estejamos a referir-nos a coisas diferentes. Decerto que uma pessoa com deficiência pode ser feliz, se for amada e tiver ao seu alcance um ambiente propício à atribuição de sentido para a sua existência. No entanto, isso não exclui o facto da deficiência ser uma inegável limitação a algumas capacidades que se espera que todos os seres humanos tenham (e aqui não falo de deficiência no sentido da nossa imperfeição geral).

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This