Antissemitismo cresce em França

| 10 Mar 19

Interior da Sinagoga de Bordéus: os lugares e símbolos judaicos têm sido objeto de vandalismo e ataques vários; foto © Eduardo Jorge Madureira

 

“Tudo começou com algumas piadas de mau gosto sobre judeus acompanhadas de saudações nazis quando passavam por mim.” Foi assim que uma jovem estudante de medicina descreveu o horror que tem sido a sua vida no campus universitário desde o início do ano letivo, em outubro do ano passado. Em fevereiro deste ano, um cemitério judeu da Alsácia foi vandalizado por um grupo de anónimos que pintou suásticas e insultos em dezenas de campas.

O Presidente francês, Emmanuel Macronvisitou o local, declarando estar “totalmente determinado em combater todas as formas de antissemitismo”. Também a cidade de Estrasburgo foi testemunha de um ato de vandalismo, poucos dias depois. O alvo foi uma pedra memorial que assinalava o local da antiga sinagoga da cidade, incendiada por soldados nazis durante a Segunda Guerra Mundial.

Ao longo do mês de fevereiro, também se registaram vários incidentes em Paris e arredores. O retrato de rua de Simone Veil (sobrevivente do Holocausto, e antiga ministra e presidente do Parlamento Europeu) apareceu vandalizado, pintado com uma cruz suástica. Alguém escreveu a tinta a palavra juden (judeu, em alemão), na porta de um restaurante, propriedade de uma família judia. E as árvores que constituíam o monumento erigido em memória de Ilan Halimi, um jovem torturado e assassinado em 2006, foram cortadas durante a noite.

A palavra antissemitismo ganhou expressão no século XIX, apoiada na ideia de que todos os judeus são ricos e prósperos nos seus negócios, o que gerou ódio racial em certas camadas da população. Foi esta convicção, entre outros fatores, que conduziu Hitler ao genocídio deste povo. Desde aí, são poucos os que se atrevem a declarar-se abertamente antissemita. Contudo, isto não significa que o antissemitismo tenha desaparecido. A prová-lo está esta onda crescente de atos antissemitas em França que, só no ano passado, aumentou 74 por cento em relação ao ano anterior.

Também em fevereiro deste ano, o filósofo francês Alain Finkielkrautse viu obrigado a solicitar proteção policial quando um grupo de denominados “coletes amarelos” lhe dirigiu sucessivos insultos, acompanhados de sérias ameaças. “Senti um ódio profundo” descreveu, nesse mesmo dia, a um jornal francês. “Se a polícia não tivesse estado lá, tinha ficado verdadeiramente assustado.”

Muitas são as questões levantadas sobre a relação entre o aumento da violência contra os judeus e o movimento dos chamados “coletes amarelos”. Segundo declarações de Vincent Duclert, que investiga o antissemitismo em França numa das mais prestigiadas universidades francesas – a École des Hautes Études en Sciences Sociales– este é um problema grave. “Os ‘coletes amarelos’ não são, em si, um movimento antissemita. Mas, a cada sábado, nas manifestações, há uma grande quantidade de expressões antissemitas quer de elementos ligados à extrema-direita, quer de outros ligados à extrema-esquerda. O problema dos coletes amarelos – que começaram como um grupo de protesto contra o aumento de impostos sobre os combustíveis –  está em não ter uma liderança forte e concreta. Desta forma, o grupo torna-se vulnerável a que qualquer outro grupo ideológico se aproprie do movimento para fazer passar as suas ideias.

Para dar voz à consternação com que a sociedade francesa tem vivido nestas últimas semanas, houve uma manifestação de protesto contra o antissemitismo, no dia 20 de fevereiro, em Paris, que reuniu figuras comoo primeiro-ministro, Édouard Philippe, a maioria dos membros do Governo e representantes de vinte partidos franceses. A iniciativa pretendia sensibilizar toda a população para este problema que, só no último mês, ultrapassou todos os limites num país que alberga a maior comunidade judaica da Europa, com cerca de 550 mil residentes.

Artigos relacionados

Breves

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo novidade

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Boas notícias

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo novidade

O hospital pediátrico Bambino Gesú, em Roma, gerido pelo Vaticano, separou com êxito duas irmãs siamesas de 2 anos, que nasceram unidas pelo crâneo na República Centro Africana. A complexa operação, que durou 18 horas e contou com uma equipa de 30 profissionais de saúde, teve lugar no passado dia 5 de junho, mas o hospital só revelou todos os detalhes esta quarta-feira, 8 de julho, numa conferência de imprensa.

É notícia 

Entre margens

Do confinamento às Minas novidade

Vestígios dos trilhos usados para o contrabando abundante nesta zona da raia. Algum complemento a um salário magro. Histórias de perigos, ousadia, dignidade, persistência e superação. Na aldeia de Santana das Cambas existe um Museu do Contrabando que soubemos estar encerrado.   
Curvo-me perante uma realidade que desconhecia, apenas intuía… Ao olhar para os mineiros envelhecidos e suas famílias passei a vê-los como heróis, príncipes daquela terra, figuras exemplares de cidadania e coragem.

A favor do argumento ontológico novidade

A realidade é um extraordinário abismo de Ilimitado em todas as direções e dimensões. É isto o Absoluto. Não tendo na sua constituição nenhuma descontinuidade, nenhum vazio absoluto (pois nele o nada absoluto [ou Nada] não pode simplesmente ter lugar), o Absoluto é plenitude de Ser. A isto se chega pela simples consideração de que o Nada, precisamente por ser Nada, não existe nem pode existir, pelo que sobra “apenas” aquilo que existe de facto, que é Tudo.

Memórias do Levante

À ideia da raça superior sucedeu a ideia da cultura superior, quase tão maléfica como aquela. E escravizar os seres humanos “inferiores” deu lugar a desvalorizar ou mesmo destruir as culturas “inferiores”. O resultado é que, se ninguém ganhou com isso, a verdade é que a humanidade perdeu e muito

Cultura e artes

Aquilino e Bartolomeu dos Mártires: o “pai dos pobres e mártir sem desejos” novidade

Aquilino Ribeiro, escritor de prosa escorreita, pujante, honrou a dignidade da língua portuguesa à altura de outros antigos prosadores de grande qualidade. Irmanado com a Natureza beirã: aves, árvores, animais e homens. Espirituoso e de fina ironia, é bem o Mestre da nossa Língua. Em “Dom Frei Bertolameu” faz uma espécie de hagiografia do arcebispo de Braga, D. Frei Bartolomeu dos Mártires (1514-1590), canonizado pelo Papa Francisco a 6 de Julho de 2019.

Dalai Lama celebra 85 anos com lançamento de um disco

Quando fez 80 anos, ouviu milhares de pessoas cantarem-lhe os parabéns no festival de música rock de Glastonbury, durante o concerto da artista norte-americana Patti Smith. Cinco anos depois, o Dalai Lama assinalou esta segunda-feira, 6 de julho, o seu 85º aniversário com o lançamento do seu próprio álbum. O disco, que mistura a voz do líder espiritual tibetano entoando ensinamentos e meditações com música instrumental original ao estilo new age, chama-se Inner World e já está disponível nos serviços de streaming.

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco