Islão em Lisboa

Antropóloga americana estuda religiosidade da diáspora guineense em Portugal

| 25 Mai 2021

Mesquita de Lisboa

Muçulmanos guineenses em Lisboa – especialmente os que sabem ler árabe, fizeram a peregrinação a Meca e assistem às orações de sexta-feira na Mesquita Central de Lisboa – aspiram a ser muçulmanos cosmopolitas. Foto © Khalid Jamal, cedida pelo autor.

 

Acaba de sair nos Estados Unidos o livro de uma antropóloga, Michelle C. Johnson, que estuda a experiência religiosa (muçulmana) da diáspora da Guiné-Bissau na zona de Lisboa.

O livro, intitulado Remaking Islam in African Portugal: Lisbon–Mecca–Bissau (“Refazer o islão no Portugal africano – Lisboa-meca-Bissau, em tradução livre) foi editado ainda em 2020, pela Indiana University Press, e baseia-se no trabalho de campo que aquela investigadora realizou no nosso país.

A investigação sobre a comunidade guineense em Portugal é tida como a menos significativa de todas as comunidades das diásporas das ex-colónias portuguesas, o que confere a este trabalho uma importância acrescida.

Uma recensão de Dimitri Almeida na revista Iberomania (vol. 92, 2021) formula deste modo a questão investigada na obra: “De que modo práticas e identidades religiosas (neste caso islâmicas) são renegociadas e transformadas num contexto migratório?”

No caso de comunidades muçulmanas, refere Dimitri Almeida, “a resposta comum a esta questão tem consistido em realçar a oposição entre um islão transnacional, de um lado, e crenças e devoções locais não-canónicas, do outro. A experiência diaspórica é geralmente vista como favorável à consolidação de uma certa ortodoxia e ortopraxia religiosas e ao concomitante enfraquecimento de religiosidades tradicionais”.

Capa de Remaking Islam in African Portugal.

A abordagem de Michelle Johnson não vai por aí. Segundo ele, a autora distancia-se de um binarismo global/local: “o modo como os imigrantes mandingas reinterpretam e reformulam a sua etnicidade e religiosidade revela uma gama extraordinariamente ampla e complexa de estratégias identitárias”, de que o género constitui aspeto essencial.

Como refere a apresentação do livro, “muitos homens, em particular, começam a separar os costumes africanos do Islão global (…). Os homens muçulmanos guineenses em Lisboa – especialmente aqueles que sabem ler árabe, fizeram a peregrinação a Meca e assistem às orações de sexta-feira na mesquita central de Lisboa – aspiram a ser muçulmanos cosmopolitas. Por contraste, as mulheres guineenses – muitas das quais nunca estudaram o Alcorão, não lêem árabe e sentem-se excluídas da mesquita – permanecem mais confortavelmente enraizadas nos costumes africanos. Em resposta, essas mulheres criaram um ‘clube de cultura’ como espaço muçulmano alternativo, onde podem celebrar rituais do percurso de vida e feriados muçulmanos à sua maneira”.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This