Islão em Lisboa

Antropóloga americana estuda religiosidade da diáspora guineense em Portugal

| 25 Mai 2021

Mesquita de Lisboa

Muçulmanos guineenses em Lisboa – especialmente os que sabem ler árabe, fizeram a peregrinação a Meca e assistem às orações de sexta-feira na Mesquita Central de Lisboa – aspiram a ser muçulmanos cosmopolitas. Foto © Khalid Jamal, cedida pelo autor.

 

Acaba de sair nos Estados Unidos o livro de uma antropóloga, Michelle C. Johnson, que estuda a experiência religiosa (muçulmana) da diáspora da Guiné-Bissau na zona de Lisboa.

O livro, intitulado Remaking Islam in African Portugal: Lisbon–Mecca–Bissau (“Refazer o islão no Portugal africano – Lisboa-meca-Bissau, em tradução livre) foi editado ainda em 2020, pela Indiana University Press, e baseia-se no trabalho de campo que aquela investigadora realizou no nosso país.

A investigação sobre a comunidade guineense em Portugal é tida como a menos significativa de todas as comunidades das diásporas das ex-colónias portuguesas, o que confere a este trabalho uma importância acrescida.

Uma recensão de Dimitri Almeida na revista Iberomania (vol. 92, 2021) formula deste modo a questão investigada na obra: “De que modo práticas e identidades religiosas (neste caso islâmicas) são renegociadas e transformadas num contexto migratório?”

No caso de comunidades muçulmanas, refere Dimitri Almeida, “a resposta comum a esta questão tem consistido em realçar a oposição entre um islão transnacional, de um lado, e crenças e devoções locais não-canónicas, do outro. A experiência diaspórica é geralmente vista como favorável à consolidação de uma certa ortodoxia e ortopraxia religiosas e ao concomitante enfraquecimento de religiosidades tradicionais”.

Capa de Remaking Islam in African Portugal.

A abordagem de Michelle Johnson não vai por aí. Segundo ele, a autora distancia-se de um binarismo global/local: “o modo como os imigrantes mandingas reinterpretam e reformulam a sua etnicidade e religiosidade revela uma gama extraordinariamente ampla e complexa de estratégias identitárias”, de que o género constitui aspeto essencial.

Como refere a apresentação do livro, “muitos homens, em particular, começam a separar os costumes africanos do Islão global (…). Os homens muçulmanos guineenses em Lisboa – especialmente aqueles que sabem ler árabe, fizeram a peregrinação a Meca e assistem às orações de sexta-feira na mesquita central de Lisboa – aspiram a ser muçulmanos cosmopolitas. Por contraste, as mulheres guineenses – muitas das quais nunca estudaram o Alcorão, não lêem árabe e sentem-se excluídas da mesquita – permanecem mais confortavelmente enraizadas nos costumes africanos. Em resposta, essas mulheres criaram um ‘clube de cultura’ como espaço muçulmano alternativo, onde podem celebrar rituais do percurso de vida e feriados muçulmanos à sua maneira”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This