Islão em Lisboa

Antropóloga americana estuda religiosidade da diáspora guineense em Portugal

| 25 Mai 2021

Mesquita de Lisboa

Muçulmanos guineenses em Lisboa – especialmente os que sabem ler árabe, fizeram a peregrinação a Meca e assistem às orações de sexta-feira na Mesquita Central de Lisboa – aspiram a ser muçulmanos cosmopolitas. Foto © Khalid Jamal, cedida pelo autor.

 

Acaba de sair nos Estados Unidos o livro de uma antropóloga, Michelle C. Johnson, que estuda a experiência religiosa (muçulmana) da diáspora da Guiné-Bissau na zona de Lisboa.

O livro, intitulado Remaking Islam in African Portugal: Lisbon–Mecca–Bissau (“Refazer o islão no Portugal africano – Lisboa-meca-Bissau, em tradução livre) foi editado ainda em 2020, pela Indiana University Press, e baseia-se no trabalho de campo que aquela investigadora realizou no nosso país.

A investigação sobre a comunidade guineense em Portugal é tida como a menos significativa de todas as comunidades das diásporas das ex-colónias portuguesas, o que confere a este trabalho uma importância acrescida.

Uma recensão de Dimitri Almeida na revista Iberomania (vol. 92, 2021) formula deste modo a questão investigada na obra: “De que modo práticas e identidades religiosas (neste caso islâmicas) são renegociadas e transformadas num contexto migratório?”

No caso de comunidades muçulmanas, refere Dimitri Almeida, “a resposta comum a esta questão tem consistido em realçar a oposição entre um islão transnacional, de um lado, e crenças e devoções locais não-canónicas, do outro. A experiência diaspórica é geralmente vista como favorável à consolidação de uma certa ortodoxia e ortopraxia religiosas e ao concomitante enfraquecimento de religiosidades tradicionais”.

Capa de Remaking Islam in African Portugal.

A abordagem de Michelle Johnson não vai por aí. Segundo ele, a autora distancia-se de um binarismo global/local: “o modo como os imigrantes mandingas reinterpretam e reformulam a sua etnicidade e religiosidade revela uma gama extraordinariamente ampla e complexa de estratégias identitárias”, de que o género constitui aspeto essencial.

Como refere a apresentação do livro, “muitos homens, em particular, começam a separar os costumes africanos do Islão global (…). Os homens muçulmanos guineenses em Lisboa – especialmente aqueles que sabem ler árabe, fizeram a peregrinação a Meca e assistem às orações de sexta-feira na mesquita central de Lisboa – aspiram a ser muçulmanos cosmopolitas. Por contraste, as mulheres guineenses – muitas das quais nunca estudaram o Alcorão, não lêem árabe e sentem-se excluídas da mesquita – permanecem mais confortavelmente enraizadas nos costumes africanos. Em resposta, essas mulheres criaram um ‘clube de cultura’ como espaço muçulmano alternativo, onde podem celebrar rituais do percurso de vida e feriados muçulmanos à sua maneira”.

 

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças

Este fim de semana, em Roma

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças novidade

Foi há pouco mais de cinco meses que, para surpresa de todos, o Papa anunciou a realização da I Jornada Mundial das Crianças. E talvez nem ele imaginasse que, neste curto espaço de tempo, tantos grupos e famílias conseguissem mobilizar-se para participar na iniciativa, que decorre já este fim de semana de 25 e 26 de maio, em Roma. Entre eles, estão alguns portugueses.

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral”

Susana Réfega, do Movimento Laudato Si'

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral” novidade

A encíclica Laudato Si’ foi “determinante para o compromisso e envolvimento de muitas organizações”, católicas e não só, no cuidado da Casa Comum. Quem o garante é Susana Réfega, portuguesa que desde janeiro deste ano assumiu o cargo de diretora-executiva do Movimento Laudato Si’ a nível internacional. Mas, apesar de esta encíclica ter sido publicada pelo Papa Francisco há precisamente nove anos (a 24 de maio de 2015), “continua a haver muito trabalho por fazer” e até “algumas resistências à sua mensagem”, mesmo dentro da Igreja, alerta a responsável.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja”

Terminou a visita “ad limina” dos bispos portugueses

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja” novidade

“Penso que estamos a mudar o paradigma da Igreja”, disse esta sexta-feira, 24 de maio, o bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), numa conversa com alguns jornalistas, em plena Praça de S. Pedro, no Vaticano, em comentário ao que tinha acabado de se passar no encontro com o Papa Francisco e às visitas que os bispos lusos fizeram a vários dicastérios da Cúria Romana, no final de uma semana de visita ad limina.

O mundo precisa

O mundo precisa novidade

O mundo precisa, digo eu, de pessoas felizes para que possam dar o melhor de si mesmas aos outros. O mundo precisa de gente grande que não se empoleira em deslumbrados holofotes, mas constrói o próprio mérito na forma como, concretamente, dá e se dá. O mundo precisa de humanos que queiram, com lealdade e algum altruísmo, o bem de cada outro. – A reflexão da psicóloga Margarida Cordo, para ler no 7MARGENS.

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Testemunho de uma judia-americana que abandonou Biden

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Esta é a história-testemunho da jovem Lily Greenberg Call, uma judia americana que exercia funções na Administração Biden que se tornou há escassos dias a primeira figura de nomeação política a demitir-se de funções, em aberta discordância com a política do governo norte-americano relativamente a Gaza. Em declarações à comunicação social, conta como foi o seu processo interior e sublinha como os valores do judaísmo, em que cresceu, foram vitais para a decisão que tomou.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This