Crónica de viagem

Ao sabor do País de Gales

| 30 Mai 21

Há poucas praias, mas Tenby é uma das que vale a pena visitar, no País de Gales. Foto © Filipe Serrazina

 

Com a época escolar terminada e as restrições do vírus a levantar, as ruas enchem de uma maneira que me lembra a vida de há um ano atrás. Conhecer desconhecidos já não parece meter medo e confesso que, por vezes, já me sinto estranho ao usar máscara na rua quando mais ninguém o parece fazer.

Tentando não pensar nas consequências que isto pode ter, aproveito os meus últimos meses aqui para ver as vistas que me tinham escapado. Começando por Coventry, onde amigos que lá residem me serviram de guias pela cidade, e onde fui recebido por um protesto do movimento #KillTheBill, que pretende lutar contra diversas medidas implementadas no Reino Unido que tornam o direito à greve e ao protesto bastante mais difícil.

Antes de vir, já sabia que era uma cidade universitária, mas rapidamente me apercebi que este conceito é levado ao extremo em Coventry, onde parece que a cidade foi engolida pela Coventry University, e em cada esquina se encontra um novo edifício que pertence à escola, tanto de residência como de diferentes locais académicos, dos quais nem os meus guias me conseguiam dizer o propósito, por vezes.

De Coventry, passámos para Birmingham, de que sabia pouco ou nada antes de visitar e onde é muito fácil cair na tentação de ficar perto do famoso Bullring – um centro comercial que ocupa grande parte do centro da cidade, que se encontra por cima da estação de comboio principal, e é rodeado por outras diversas lojas e restaurantes em várias ruas.

Afastando-nos um pouco do Bullring, encontrámos a Catedral de St. Philip que foi, possivelmente, o que mais me intrigou nesta cidade. Ao passar pelo parque onde está a catedral, comecei a reparar em diversas campas antigas espalhadas pela relva, e percebi que este local era também um cemitério. Mas os habitantes da terra não se importavam de lá passear e fazer piqueniques.

Voltando para o sul de Gales, aproveitei para conhecer mais a minha zona e explorar algumas localidades e atividades menos mencionadas. Apesar de não ser como as praias portuguesas, a costa britânica continua a ter espaços bonitos para se passear, apesar do constante vento que nos tenta mandar abaixo. Ogmore e Tenby são duas das praias que merecem ser mencionadas. Tenby, em especial, é uma terra portuária com bastante história que vale a pena ver de perto, durante um dia ou dois.

Mais perto de Cardiff, tentámos descobrir lugares mais difíceis de aceder, começando por Roath Park, que faz parte da cidade, mas se encontra a uma boa meia hora da estação mais próxima. Vale a pena ver e dedicar um dia inteiro para explorar e relaxar perto do enorme lago, que é a casa de diversos patos e cisnes.

Por fim, decidimos fazer parte do Taff Trail – um caminho pedestre, de aproximadamente 90km, que conecta o parque natural de Brecon à baía de Cardiff. Felizmente, este caminho encontra-se do outro lado da estrada da nossa residência e decidimos caminhar até desaguarmos no Castle Coch que, infelizmente, ainda se encontra fechado mas continua a ser muito bonito de ver por fora, tal como o caminho que nos levou até lá.

Castelo Coch, no País de Gales. Foto © Filipe Serrazina

 

Apesar de nunca conseguir ver tudo o que há para ver, contento-me com estes pedaços que consigo apanhar enquanto cá estou, e espero ter despertado alguma curiosidade a quem lê para os vir ver com os seus próprios olhos. Valem a pena.

 

Filipe Serrazina é estudante na University of South Wales, Cardiff, País de Gales; partiu em busca de uma licenciatura em Engenharia Informática e de explorar um país que tem tanto para ver.

 

O segundo apagamento de Aristides

Comentário

O segundo apagamento de Aristides novidade

“Mesmo que me destituam, só posso agir como cristão, como me dita a minha consciência; se estou a desobedecer a ordens, prefiro estar com Deus contra os homens do que com os homens contra Deus.” Esta afirmação de Aristides de Sousa Mendes, cônsul de Portugal em Bordéus em 1940, confirmada por muitas outras de cariz semelhante, mostra bem qual foi o fundamento para a sua decisão de, contra as ordens expressas de Salazar, conceder indiscriminadamente vistos de passagem a milhares de pessoas em fuga do terror nazi.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Vaticano

Mundo não pode ignorar sofrimento de haitianos novidade

O mundo não pode mais ignorar o sofrimento do povo do Haiti, uma ilha que há séculos é explorada e pilhada por nações mais ricas, apontou o arcebispo Vincenzo Paglia, presidente da Pontifícia Academia para a Vida. “O grito de ajuda de uma nação não pode passar despercebido, especialmente pela Europa.”

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This