Aos 101 números, “Le Monde des Religions” deixa de se editar em papel

| 26 Jun 20

Capa do último número de Le Monde des Religions em papel, cujo tema de capa é o “regresso das sabedorias da natureza”

“Nas nossas sociedades em que o religioso é constantemente tema de debate, em que a busca de sentido se torna cada dia mais premente, Le Monde des Religions propõe uma descodificação das religiões, espiritualidades e sabedorias da humanidade, numa abordagem laica e não confessional”. A constância e a premência referidos no início do texto agora em destaque no site da revista francesa poderiam indiciar um reforço do trabalho editorial, mas na realidade anunciam apenas o fim da publicação da revista em papel.

No último editorial, a chefe de redacção Virginie Larousse explica genericamente que são as dificuldades enormes com que a imprensa escrita se encontra confrontada desde há anos que impedem que a publicação em papel prossiga. Le Monde des Religions anuncia que os “dossiers temáticos, inquéritos, análises, reportagens, debates e entrevistas com os melhores especialistas” poderão doravante ser encontrados em formato digital no site do Monde. E, garante Virgine Larousse ao 7MARGENS, esta página continuará a apresentar “o mesmo tipo de conteúdos que a revista”, com a diferença de que a versão digital tenderá a ser “enriquecida” com mais frequência. A partir de Setembro, anuncia-se também uma newsletter quinzenal.

Em Portugal, a revista vendia uma média de 150 exemplares por cada número, de acordo com a chefe de redacção da publicação. No total, eram cerca de 20 mil os leitores que pagavam para comprar a revista, de dois em dois meses.

O filósofo André Compte-Sponville, o escritor Christian Bobin e o jornalista e escritor Kamel Daoud foram alguns dos colunistas regulares da revista, que, além dos 101 números bimestrais, publicou números especiais sobre temas como “Os cristianismos esquecidos”, “Mestres de sabedoria”, “O corpo e o sagrado”, “Os mitos” e “Compreender a Bíblia”.

Le Monde des Religions, que se apresentava com o lema “conhecer as religiões para conhecer o mundo”, culmina uma história, recordada por Virginie Larousse no número 100, que começa em 1953 com a revista L’Actualité Religieuse dans le Monde, editada pelos dominicanos franceses. A publicação passa a chamar-se ICI – Informations Catholiques Internationales dois anos depois. Cerca de três décadas depois é retomado o título original que muda em 1998, passando a Actualité des Religions até 2003, ano em que passa para as mãos do grupo Le Monde. A mudança de título para Le Monde des Religions faz-se acompanhar de uma mudança de orientação editorial. A revista confessional católica, que já dava muita atemção ao noticiário sobre outras religiões, torna-se laica de informação sobre as religiões.

“O regresso das sabedorias da natureza” é o tema principal do último número, que ainda é possível encontrar nos quiosques. Nele, pode ler-se ainda uma grande entrevista ao grande rabino de França Haïm Korsia e uma reportagem sobre os muçulmanos da China.

O “mestre de sabedoria” apresentado é o teólogo Maurice Zundel (1897-1975). Entre as afirmações dele em destaque, encontra-se a que fala sobre a presença de Deus no quotidiano: “Não encontro nada de mais simples nem de mais profundo que esta contemplação que de manhã à noite percebe uma presença divina no coração das coisas”. Como que complementando, o monge budista Matthieu Ricard, numa entrevista a propósito do seu livro Émerveillement (“Maravilhamento”) observa que, “quando alguma coisa nos encanta, nós não a degradamos nem a estragamos”.

O monge budista preconiza que se cultive o discernimento, a sabedoria e a benevolência e que se aja em conformidade. Le Monde des Religions oferecia uma boa ajuda para que isso sucedesse.

 

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Bairro é embaixador dos ODS

No Zambujal, vai nascer um mural para defender a gestão sustentável da água

O Bairro do Zambujal, localizado na freguesia de Alfragide (Amadora), está cada vez mais perto de se tornar “o primeiro bairro embaixador dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)”. Com cinco dos seus edifícios a servir já de tela para uma série de murais que ilustram esses mesmos objetivos, prepara-se agora para receber a próxima pintura, dedicada à defesa do “ODS 6 – Água Potável e Saneamento”. Os trabalhos iniciais foram revelados nesta sexta-feira, 22 de março, data em que se assinala o Dia Mundial da Água.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Farmácias convidam clientes a ajudar pessoas sem meios

Acesso a medicamentos

Farmácias convidam clientes a ajudar pessoas sem meios novidade

A 11ª edição da campanha solidária “Dê troco a quem precisa” está a decorrer até à próxima quarta-feira, dia 29 de maio, no âmbito do “abem:”, programa solidário da Associação Dignitude, que através desta ação pretende “apoiar os mais vulneráveis no acesso ao medicamento”.

É notícia

Entre margens

O aumento da intimidação católica

O aumento da intimidação católica novidade

A intimidação nos meios católicos está a espalhar-se por todos os Estados Unidos da América. No exemplo mais recente, a organização Word on Fire, do bispo de Minnesota, Robert Barron, ameaçou a revista Commonweal e o teólogo Massimo Faggioli por causa de um ensaio de Faggioli, “Será que o Trumpismo vai poupar o Catolicismo?”

A Dignidade da pessoa humana como prioridade

A Dignidade da pessoa humana como prioridade novidade

Na semana depois de Pentecostes é oportuno recordar a publicação da declaração Dignitas Infinita sobre a Dignidade Humana, elaborada durante cinco anos e divulgada pelo Dicastério para a Doutrina da Fé, pondo a tónica na dimensão universal, filosófica e antropológica, do respeito pela pessoa humana enquanto fator de salvaguarda dos direitos humanos, do primado da justiça e do reconhecimento de que todos os seres humanos como livres e iguais em dignidade e direitos.

O mundo precisa

O mundo precisa

O mundo precisa, digo eu, de pessoas felizes para que possam dar o melhor de si mesmas aos outros. O mundo precisa de gente grande que não se empoleira em deslumbrados holofotes, mas constrói o próprio mérito na forma como, concretamente, dá e se dá. O mundo precisa de humanos que queiram, com lealdade e algum altruísmo, o bem de cada outro. – A reflexão da psicóloga Margarida Cordo, para ler no 7MARGENS.

Cultura e artes

Uma estranha serenidade…

Uma estranha serenidade…

Talvez o leitor já tenha tido a estranha sensação de conversar com um monge e sair dessa conversação cheio de interrogações, mas também de entrar em si com o sentimento de uma estranha serenidade. Uma sensação enigmática que nos desloca da nossa condição habitual e doméstica, para um outro nível de relação com os demais, uma outra maneira de habitar o mundo e de nos sentirmos a nós próprios. [Texto de João Paulo Costa a propósito do filme de Wim Wenders Perfect Days]

Sete Partidas

Hospitalidade, foco e atenção

Hospitalidade, foco e atenção

Numa entrevista a Tolentino Mendonça ouvi uma palavra que, não sei bem porquê, não ouvia, ou não pensava, há muito tempo. Hospitalidade. “Modo generoso e afável de receber ou tratar alguém.” Assim diz o dicionário Priberam. A palavra ficou. Anda aqui por dentro, “da cabeça para o coração e do coração para a cabeça”.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This