Aos 101 números, “Le Monde des Religions” deixa de se editar em papel

| 26 Jun 20

Capa do último número de Le Monde des Religions em papel, cujo tema de capa é o “regresso das sabedorias da natureza”

“Nas nossas sociedades em que o religioso é constantemente tema de debate, em que a busca de sentido se torna cada dia mais premente, Le Monde des Religions propõe uma descodificação das religiões, espiritualidades e sabedorias da humanidade, numa abordagem laica e não confessional”. A constância e a premência referidos no início do texto agora em destaque no site da revista francesa poderiam indiciar um reforço do trabalho editorial, mas na realidade anunciam apenas o fim da publicação da revista em papel.

No último editorial, a chefe de redacção Virginie Larousse explica genericamente que são as dificuldades enormes com que a imprensa escrita se encontra confrontada desde há anos que impedem que a publicação em papel prossiga. Le Monde des Religions anuncia que os “dossiers temáticos, inquéritos, análises, reportagens, debates e entrevistas com os melhores especialistas” poderão doravante ser encontrados em formato digital no site do Monde. E, garante Virgine Larousse ao 7MARGENS, esta página continuará a apresentar “o mesmo tipo de conteúdos que a revista”, com a diferença de que a versão digital tenderá a ser “enriquecida” com mais frequência. A partir de Setembro, anuncia-se também uma newsletter quinzenal.

Em Portugal, a revista vendia uma média de 150 exemplares por cada número, de acordo com a chefe de redacção da publicação. No total, eram cerca de 20 mil os leitores que pagavam para comprar a revista, de dois em dois meses.

O filósofo André Compte-Sponville, o escritor Christian Bobin e o jornalista e escritor Kamel Daoud foram alguns dos colunistas regulares da revista, que, além dos 101 números bimestrais, publicou números especiais sobre temas como “Os cristianismos esquecidos”, “Mestres de sabedoria”, “O corpo e o sagrado”, “Os mitos” e “Compreender a Bíblia”.

Le Monde des Religions, que se apresentava com o lema “conhecer as religiões para conhecer o mundo”, culmina uma história, recordada por Virginie Larousse no número 100, que começa em 1953 com a revista L’Actualité Religieuse dans le Monde, editada pelos dominicanos franceses. A publicação passa a chamar-se ICI – Informations Catholiques Internationales dois anos depois. Cerca de três décadas depois é retomado o título original que muda em 1998, passando a Actualité des Religions até 2003, ano em que passa para as mãos do grupo Le Monde. A mudança de título para Le Monde des Religions faz-se acompanhar de uma mudança de orientação editorial. A revista confessional católica, que já dava muita atemção ao noticiário sobre outras religiões, torna-se laica de informação sobre as religiões.

“O regresso das sabedorias da natureza” é o tema principal do último número, que ainda é possível encontrar nos quiosques. Nele, pode ler-se ainda uma grande entrevista ao grande rabino de França Haïm Korsia e uma reportagem sobre os muçulmanos da China.

O “mestre de sabedoria” apresentado é o teólogo Maurice Zundel (1897-1975). Entre as afirmações dele em destaque, encontra-se a que fala sobre a presença de Deus no quotidiano: “Não encontro nada de mais simples nem de mais profundo que esta contemplação que de manhã à noite percebe uma presença divina no coração das coisas”. Como que complementando, o monge budista Matthieu Ricard, numa entrevista a propósito do seu livro Émerveillement (“Maravilhamento”) observa que, “quando alguma coisa nos encanta, nós não a degradamos nem a estragamos”.

O monge budista preconiza que se cultive o discernimento, a sabedoria e a benevolência e que se aja em conformidade. Le Monde des Religions oferecia uma boa ajuda para que isso sucedesse.

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Cimeira do Clima

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow novidade

A Comunidade de Taizé foi convidada pelo Comité Coordenador da COP26 das Igrejas de Glasgow para preparar e liderar uma vigília para estudantes e jovens em Glasgow durante a Cimeira do Clima. Mais de sete mil pessoas passaram por Taizé, desde junho, semana após semana, apesar do contexto da pandemia que se vive.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

João Lavrador deixa Açores para Viana

A dança dos bispos continua em Leiria e Braga novidade

Com a escolha de João Lavrador para a sede vacante de Viana fica agora Angra sem bispo. Mas Braga já está à espera de sucessor há dois anos, enquanto em Leiria se perspectiva a sucessão talvez até final do ano. Há bispos que querem sair de onde estão, outros não querem alguns para determinados sítios. “Com todas estas movimentações, é difícil acreditar que a nomeação de um bispo seja obra do Espírito Santo”, diz um padre.

O outro sou eu novidade

Há tanto que me vem à cabeça quando penso em Jorge Sampaio. Tantas ocasiões em que o seu percurso afetou e inspirou o meu, quando era só mais uma adolescente portuguesa da primeira geração do pós-25 de Abril à procura de referências. Agora, que sou só uma adulta que recusa desprender-se delas, as memórias confundem-se com valores e os factos com aspirações.

A palavra que falta explicitar no “cuidar da criação”

No dia 1 de setembro começou o Tempo da Criação para diversas Igrejas Cristãs. Nesse dia, o Papa Francisco, o Patriarca Bartolomeu e o Arcebispo de Canterbury Justin assinaram uma “Mensagem Conjunta para a Protecção da Criação” (não existe – ainda – tradução em português). Talvez tenha passado despercebida, mas vale a pena ler.

Cultura e artes

Cinema

Às vezes, nem o amor consegue salvar-nos novidade

Falling, que em Portugal teve o subtítulo Um Homem Só, é a história de um pai (Willis) e de um filho (John) desavindos e (quase) sempre em rota de colisão, quer dizer, de agressão, de constante provocação unilateral da parte do pai, sempre contra tudo e contra todos.

Edgar Morin em entrevista

Só a capacidade de nos maravilharmos sustenta a resistência à crueldade e ao horror

“Se formos capazes de nos maravilhar, extraímos forças para nos revoltarmos contra essas crueldades, esses horrores. Não podemos perder a capacidade de maravilhamento e encantamento” se queremos lutar contra a crise, contra as crises, afirmou Edgar Morin à Rádio Vaticano em entrevista conduzida pela jornalista Hélène Destombes e citada ontem, dia 18 de setembro, pela agência de notícias ZENIT

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This