Aos 101 números, “Le Monde des Religions” deixa de se editar em papel

| 26 Jun 20

Capa do último número de Le Monde des Religions em papel, cujo tema de capa é o “regresso das sabedorias da natureza”

“Nas nossas sociedades em que o religioso é constantemente tema de debate, em que a busca de sentido se torna cada dia mais premente, Le Monde des Religions propõe uma descodificação das religiões, espiritualidades e sabedorias da humanidade, numa abordagem laica e não confessional”. A constância e a premência referidos no início do texto agora em destaque no site da revista francesa poderiam indiciar um reforço do trabalho editorial, mas na realidade anunciam apenas o fim da publicação da revista em papel.

No último editorial, a chefe de redacção Virginie Larousse explica genericamente que são as dificuldades enormes com que a imprensa escrita se encontra confrontada desde há anos que impedem que a publicação em papel prossiga. Le Monde des Religions anuncia que os “dossiers temáticos, inquéritos, análises, reportagens, debates e entrevistas com os melhores especialistas” poderão doravante ser encontrados em formato digital no site do Monde. E, garante Virgine Larousse ao 7MARGENS, esta página continuará a apresentar “o mesmo tipo de conteúdos que a revista”, com a diferença de que a versão digital tenderá a ser “enriquecida” com mais frequência. A partir de Setembro, anuncia-se também uma newsletter quinzenal.

Em Portugal, a revista vendia uma média de 150 exemplares por cada número, de acordo com a chefe de redacção da publicação. No total, eram cerca de 20 mil os leitores que pagavam para comprar a revista, de dois em dois meses.

O filósofo André Compte-Sponville, o escritor Christian Bobin e o jornalista e escritor Kamel Daoud foram alguns dos colunistas regulares da revista, que, além dos 101 números bimestrais, publicou números especiais sobre temas como “Os cristianismos esquecidos”, “Mestres de sabedoria”, “O corpo e o sagrado”, “Os mitos” e “Compreender a Bíblia”.

Le Monde des Religions, que se apresentava com o lema “conhecer as religiões para conhecer o mundo”, culmina uma história, recordada por Virginie Larousse no número 100, que começa em 1953 com a revista L’Actualité Religieuse dans le Monde, editada pelos dominicanos franceses. A publicação passa a chamar-se ICI – Informations Catholiques Internationales dois anos depois. Cerca de três décadas depois é retomado o título original que muda em 1998, passando a Actualité des Religions até 2003, ano em que passa para as mãos do grupo Le Monde. A mudança de título para Le Monde des Religions faz-se acompanhar de uma mudança de orientação editorial. A revista confessional católica, que já dava muita atemção ao noticiário sobre outras religiões, torna-se laica de informação sobre as religiões.

“O regresso das sabedorias da natureza” é o tema principal do último número, que ainda é possível encontrar nos quiosques. Nele, pode ler-se ainda uma grande entrevista ao grande rabino de França Haïm Korsia e uma reportagem sobre os muçulmanos da China.

O “mestre de sabedoria” apresentado é o teólogo Maurice Zundel (1897-1975). Entre as afirmações dele em destaque, encontra-se a que fala sobre a presença de Deus no quotidiano: “Não encontro nada de mais simples nem de mais profundo que esta contemplação que de manhã à noite percebe uma presença divina no coração das coisas”. Como que complementando, o monge budista Matthieu Ricard, numa entrevista a propósito do seu livro Émerveillement (“Maravilhamento”) observa que, “quando alguma coisa nos encanta, nós não a degradamos nem a estragamos”.

O monge budista preconiza que se cultive o discernimento, a sabedoria e a benevolência e que se aja em conformidade. Le Monde des Religions oferecia uma boa ajuda para que isso sucedesse.

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Sondagem

Brasil deixa de ter maioria católica  novidade

Algures durante este ano a maioria da população brasileira deixará de se afirmar maioritariamente como católica. Em janeiro de 2020, 51% dos brasileiros eram católicos, muito à frente dos que se reconheciam no protestantismo (31%). Ano e meio depois os números serão outros.

Investigação

Quem traiu Anne Frank?

Quem traiu Anne Frank, a autoria do conhecido Diário, e a sua família? Uma equipa que se entregou à tarefa de investigar acredita ter encontrado a chave do mistério. Mas trata-se de “um cenário provável”, sem certezas absolutas.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

O Senhor a receber das mãos do servo

Sendo hoje 6 de Janeiro (19 de Janeiro no calendário gregoriano), no calendário juliano (seguido por grande parte dos cristãos ortodoxos em todo o mundo), celebramos a Festa da Teofania de Nosso Senhor Deus e Salvador Jesus Cristo, isto é, a festa da manifestação ou revelação ao mundo da Sua divindade, no mistério do Seu Baptismo no rio Jordão, das mãos de São João Baptista.

O que revela “Não olhem para cima” da Netflix

Não Olhem Para Cima é uma nova sátira da Netflix escrita e realizada por Adam McKay e que conta a história de dois astrónomos que entram em pânico para chamar a atenção da humanidade para a colisão de um cometa cujo tamanho gerará uma extinção em massa. Em suma, a humanidade deixará de existir. A sátira está numa humanidade que vive de tal forma na sua bolha de entretenimento, entre sondagens políticas e programas da manhã que, simplesmente, não quer saber.

Viver no ritmo certo

Enquanto pensava no que iria escrever este mês, havia uma palavra que não saía da minha mente: “descanso”. Obtive a confirmação desta quando, por coincidência ou não, este foi o tema escolhido pela Aliança Evangélica Europeia para a sua semana universal de oração, realizada de 9 a 16 de janeiro de 2022. Os líderes evangélicos apelam a que todos possam viver no ritmo de Deus porque estamos a ser engolidos por uma onda de homens e mulheres sobrecarregados, completamente esgotados e sem força para lutar mais pela vida.

Cultura e artes

Crónicas portuguesas dos anos 80

As causas que sobrevivem às coisas

O Portugal de A Causa das Coisas e de Os Meus Problemas, publicados nos anos 80, fazem sentido neste século XXI? Miguel Esteves Cardoso ainda nos diz quem e o que somos nós? Haverá coisas que hoje se estranham, nomes fora de tempo, outras que já desapareceram ou caíram em desuso. Já as causas permanecem. Pretexto para uma revisitação a crónicas imperdíveis, agora reeditadas.

Carta a Filémon

A liberdade enquanto caminho espiritual

A Epístola a Filémon – um dos mais pequenos escritos do Novo Testamento – constitui o estímulo e o contexto para uma bela reflexão sobre a vivência da liberdade enquanto caminho espiritual. Adrien Candiard – dominicano francês a residir na cidade do Cairo – consegue em breves páginas apresentar um exercício de leitura rico e incisivo sobre a qualidade da vida cristã, mantendo um tom coloquial próprio do contexto de pequenos grupos nos quais este livro encontrou a sua origem.

O filme de Almodóvar

As dores para dar à luz a verdade

Fique dito, desde já, que estamos perante um dos melhores e mais amadurecidos filmes de Almodóvar. Intenso como outros, magnificamente construído e filmado como é habitual, talvez mais profundamente moral do que muitos, Mães Paralelas é um filme tecido de segredos íntimos e dolorosos, à volta da maternidade, mas também da Guerra Civil espanhola. No centro, esplendorosa, está Penélope Cruz.

Sete Partidas

Ser pai no inverno da Estónia

Estou a viver na Estónia há oito anos e fui pai recentemente. Vim para aqui estudar e, como acontece a muitos outros portugueses espalhados por esse mundo, apaixonei-me por uma mulher deste país, arranjei trabalho, casei e o mais recente capítulo da minha história é o nascimento do meu filho, no mês de dezembro de 2021.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This