Apareci nas notícias!

| 11 Jan 2022

“O negacionismo e a desconfiança relativamente às vacinas (ainda que minoritários – e felizmente!) são ímanes que atraem o vírus e afastam o altruísmo, que perpetuam o medo e assassinam a esperança.” Foto-©-ShutterStock

 

14 de dezembro de 2021. Apareci nas notícias: sou um dos 3591 novos casos de infeção por covid-19. Bem tentei, mas não consegui: cancelei jantares grandes, privilegiei estar só com a minha família e amigos mais próximos, evitei ambientes com demasiadas pessoas, reforcei a máscara, andei menos de transportes públicos, cumpri todas as regras e recomendações e, mesmo assim, o vírus entrou cá em casa. Bem sei que sou um privilegiado: os sintomas foram leves, a minha família não sentiu nada demais e – acima de tudo – conseguimos não infetar mais ninguém.

Em quase dois anos, construí dezenas de cenários mentais para a possibilidade de ficar infetado (se é que já não é certo que todos vamos apanhar o vírus): como me isolava, quem tinha de avisar, como é que ia aguentar uma série de dias trancado no quarto. E, mesmo assim, quando a bomba “SARS-CoV2: DETETADO” chegou através de uma notificação às quatro da manhã, fiquei em pânico. Dois anos e dois confinamentos depois, com vacinação completa e (pensava eu) totalmente habituado à pandemia, petrifiquei durante quinze minutos. Porquê?

Na verdade, porque a pandemia é verdadeiramente assustadora. Se pensarmos que em dezembro de 2019 (e agora deixando de lado todas as dúvidas sobre a origem do vírus), um morcego ou uma cobra infetou uma comunidade inteira na China; que, em pouco mais de três meses, o vírus se transportou, de pessoa em pessoa, da Ásia para o resto do mundo; e que, passados praticamente dois anos, dezenas de milhares de pessoas continuam a ficar infetadas por dia, só em Portugal  – não há como não ficar em pânico quando se recebe um resultado positivo.

Mas não é só ao alto índice de transmissibilidade que devemos o medo do vírus: também nós temos a nossa quota-parte de responsabilidade. É preciso divulgarmos os números de infetados todos os dias? Quantas matrizes de risco, RTs e incidências já vimos desde março de 2020? Por quantos relatos de infetados, na situação X, Y ou Z, já nos cruzámos nos media? A pandemia está em todo o lado e a toda a hora – e não é por isso que a sociedade se tornou mais preocupada com o Próximo.

Voltemos aos números de infetados. São inegáveis os efeitos positivos da vacinação – muito menos mortes e casos de doença grave, apesar das variantes que persistem em aparecer sequencialmente. Mas continuam a morrer pessoas por covid-19, outras tantas a ficarem internadas. Há quem ainda sofra por ver pessoas de quem gosta a lutar contra o vírus. Há quem ainda demore meses a recuperar. E nós, do topo do nosso pedestal de “sintomas ligeiros”, já dizemos, por vezes quase automaticamente: “As pessoas vacinadas que morrem por covid têm outras co-morbilidades.” Ou, pior ainda: “Há apenas uma morte a lamentar.” Tudo isto é um indício de que o ansiado fim da pandemia e do medo se aproxima, sim – mas não deixamos de falar de pessoas.

E se, no início da pandemia, a sociedade homenageou os profissionais de saúde, se mobilizou em massa para que os mais frágeis não tivessem de sair de casa e se recolheu em prol da proteção de todos, o que hoje vemos é um progressivo desleixamento em relação ao Próximo. Os confinamentos e a distância física podiam ter aumentado o nosso desejo em reencontrar o Outro e em sabê-lo bem, mas acabaram por se revelar um dínamo para acelerar o egoísmo, a irresponsabilidade cívica e a falta de sentido de comunidade. O negacionismo e a desconfiança relativamente às vacinas (ainda que minoritários – e felizmente!) são o maior exemplo disto. São ímanes que atraem o vírus e afastam o altruísmo, que perpetuam o medo e assassinam a esperança.

Em agosto de 2021, o Papa Francisco afirmou que “vacinar-se é uma forma de proteger os mais frágeis, um pequeno gesto de amor” – tal como comprar um íman a alguém de quem gostamos durante uma viagem. Pena é haver quem ainda ache ímanes foleiros. A mim parecem-me excelentes presentes para se oferecer – principalmente aos mais frágeis.

 

Alexandre Abrantes Neves é estudante de Comunicação Social e Jornalismo na Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa.

 

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel

Reino Unido

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel novidade

Glyn Secker, secretário da Jewish Voice For Labor – uma organização que reúne judeus membros do Partido Trabalhista ­–, lançou um violento ataque aos “judeus que colocam Israel no centro da sua identidade” e classificou o sionismo como “uma obscenidade” ao discursar no dia 10 diante de Downing Street, durante um protesto contra os ataques de Israel na faixa de Gaza.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

Nos 77 anos do ataque atómico

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

“Apelo a todos os membros” do Parlamento japonês, “bem como aos membros dos conselhos municipais e provinciais” para que se “encontrem com os hibakusha (sobreviventes da bomba atómica), ouçam como eles sofreram, aprendam a verdade sobre o bombardeio atómico e transmitam o que aprenderem ao mundo”, escreve, numa carta lida nas cerimónias dos 77 anos do ataque atómico sobre Nagasaki, por um dos seus sobreviventes, Takashi Miyata.

Mar Egeu: dezenas de pessoas desaparecidas em naufrágio

Resgatadas 29 pessoas

Mar Egeu: dezenas de pessoas desaparecidas em naufrágio

Dezenas de pessoas estão desaparecidas depois de um barco ter naufragado no mar Egeu, na quarta-feira, ao largo da ilha grega de Cárpatos, divulgou a ACNUR. A embarcação afundou-se ao amanhecer, depois de da costa sul da vizinha Turquia, em direção a Itália. “Uma grande operação de busca e resgate está em curso.”

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This