Encontro de Santo Egídio, em Roma

Apelo de líderes religiosos contra exploração “predatória” da natureza

| 7 Out 2021

Papa Francisco, Patriarca Bartolomeu, Comunidade de Sant'Egídio

O Papa Francisco com o Patriarca Bartolomeu (esqª), no final do encontro inter-religioso promovido pela Comunidade de Santo Egídio, em Roma. Foto © Comunidade de Santo Egídio.

 

O Papa e vários outros líderes religiosos de todo o mundo assinaram em Roma um apelo conjunto pela paz, que rejeita a violência e o fundamentalismo em nome de Deus, defende um processo de desarmamento que trave o comércio de armas e elimine a ameaça nuclear e pede o respeito do planeta, da natureza e das criaturas, contra a sua exploração “predatória”.

O impacto da pandemia de covid-19 e as consequências de uma sociedade “do desperdício e da exploração, que vive para si e ignora o outro” são também referidos no texto, proclamado junto ao Coliseu de Roma, na conclusão do encontro inter-religioso promovido pela Comunidade de Sant’Egídio.

Sobre a paz e a violência, diz o texto: “As religiões podem encontrar a paz e educar para ela. As religiões não podem ser usadas para a guerra. Só a paz é sagrada e ninguém deve usar o nome de Deus para abençoar o terror e a violência.”

O apelo foi lido por uma jovem refugiada do Afeganistão e nele se evocam, resume a Ecclesia, as “guerras abertas, ameaças terroristas e violência grave”, as crises dos refugiados e do ambiente, as “demasiadas mulheres ofendidas e humilhadas, crianças sem infância, idosos abandonados”.

Ouvir os pobres “faz-nos entender melhor a loucura de cada conflito e violência”, acrescenta o texto. “O futuro do mundo depende disto: que nos reconheçamos como irmãos. Os povos têm um destino fraterno na terra”.

O cardeal português José Tolentino Mendonça, que também participou no encontro, afirmou que um “mundo dividido entre nós e eles” favorece “a hostilidade e o medo, ao invés de encorajar a hospitalidade e a percepção do bem comum”.

No discurso que fez na ocasião, o Papa Francisco denunciou uma cultura que transformou o sofrimento em entretenimento e a guerra num “jogo com a vida humana”, apelando ao fim da mentalidade militarista. “Menos armas e mais comida, menos hipocrisia e mais transparência, mais vacinas distribuídas equitativamente e menos armas vendidas imprudentemente”, pediu.

Antes disso, o Papa alertara para os falhanços da comunidade internacional no combate às alterações climáticas, a poucas semanas da COP26, em Glasgow. “Sem uma verdadeira ecologia integral teremos um novo desequilíbrio, que não só não resolverá os problemas, mas acrescentará outros”, afirmou, na cerimónia de abertura de um novo ciclo de estudos em Ecologia e Meio Ambiente, na Universidade Pontifícia Lateranense, que conta com o apoio do patriarca Bartolomeu, de Constantinopla (Igreja Ortodoxa).

“O mal que estamos a fazer ao planeta já não se limita aos danos ao clima, à água e ao solo, mas agora ameaça a própria vida na Terra. Diante disso, não basta repetir declarações de princípio que nos fazem sentir bem porque, entre outras coisas, também estamos interessados no meio ambiente”, disse.

Bartolomeu, por sua vez, destacou que a atenção ecológica “não é apenas uma resposta a preocupações políticas ou económicas, mas acima de tudo uma resposta ao mandato divino de cuidar do dom da criação, de servir e preservar a terra”.

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This