Casa d’O Trabalhador Católico

Apelo urgente para apoiar refugiados em Calais

| 16 Mai 2022

Desenhos na casa Maria Skobtsova: está em causa sobretudo o acolhimento e protecção de mulheres e crianças. Foto © Catarina Sá Couto.

Desenhos na casa Maria Skobtsova: está em causa sobretudo o acolhimento e protecção de mulheres e crianças. Foto © Catarina Sá Couto.

 

O funcionamento da casa Maria Skobtsova, de protecção e acolhimento a refugiados em Calais (norte de França) pode estar em risco pelo menos durante cerca duas semanas, se não aparecerem voluntários nos próximos dias. Na casa, estão sobretudo mulheres e crianças que desse modo não têm de estar ao relento, em condições físicas e de segurança dignas.

A casa é gerida pelo movimento informal O Trabalhador Católico, fundado por Dorothy Day nos Estados Unidos, mas assume um carácter ecuménico.

O alerta vem de Catarina Sá Couto, estagiária do Esquema de Experiência no Ministério Ordenado, da Igreja de Inglaterra (Comunhão Anglicana) e que está desde há meses a prestar serviço voluntário na casa Maria Skobtsova.

“Para que o acolhimento se possa fazer, a casa Maria Skobtsova está dependente de voluntários que recebam estas pessoas que procuram um lugar seguro para estar, que organizem o seu funcionamento com os residentes, façam compras etc”, explica a voluntária ao 7MARGENS. “Em resumo, voluntários que tomem conta da casa e deem resposta humanitária a esta necessidade. Sem voluntários a casa não pode estar activa e deixa de ser um ponto logístico de apoio em Calais”, acrescenta.

A casa “procura voluntários o ano todo, jovens, adultos ou mais velhos, pessoas sozinhas ou até casais, que possam dar o seu tempo para servir os seus residentes em Calais”, diz ainda Catarina Sá Couto. Estão em causa, diz, os próximos dias até final do mês, pelo menos. “Sem pessoas para dar hospitalidade, a casa terá de encerrar temporariamente e os seus residentes terão de voltar a viver em condições extremas e mais perigosas”, juntando-se aos cerca de 700 refugiados, dos mais diversos cantos do mundo, que estão a viver ao relento na chamada “selva de Calais”.

Catarina Sá Couto, que é também colaboradora do 7MARGENS, diz que se fala nas rotas mais comuns de refugiados para a Europa, através do deserto do Sara e do Mediterrâneo. Mas “há um grande silêncio nos media ou não se ouve falar tanto dos pontos de passagem e campos de refugiados não organizados dentro da Europa”.

Calais, a ponta de França mais próxima de Inglaterra, no Canal da Mancha, é um desses pontos, desconhecido de muita gente e tantas vezes negado por governantes. Ali vivem pessoas em condições extremas, apenas suavizadas pelo trabalho de Organizações Não Governamentais que asseguram roupa, comida, aconselhamento jurídico, protecção de mulheres e crianças e alojamento, para os casos possíveis.

“A palavra de ordem é hospitalidade e o que é necessário é um coração aberto aos outros e à diferença, e capacidade de resposta rápida à diversidade de situações que possam surgir”, diz a voluntária.

(Alguém eventualmente interessado pode escrever para  mariaskobtsovahousecalais@gmail.com, com a referência “Portugal Voluntários MSH” no assunto.)

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This