Casa d’O Trabalhador Católico

Apelo urgente para apoiar refugiados em Calais

| 16 Mai 2022

Desenhos na casa Maria Skobtsova: está em causa sobretudo o acolhimento e protecção de mulheres e crianças. Foto © Catarina Sá Couto.

Desenhos na casa Maria Skobtsova: está em causa sobretudo o acolhimento e protecção de mulheres e crianças. Foto © Catarina Sá Couto.

 

O funcionamento da casa Maria Skobtsova, de protecção e acolhimento a refugiados em Calais (norte de França) pode estar em risco pelo menos durante cerca duas semanas, se não aparecerem voluntários nos próximos dias. Na casa, estão sobretudo mulheres e crianças que desse modo não têm de estar ao relento, em condições físicas e de segurança dignas.

A casa é gerida pelo movimento informal O Trabalhador Católico, fundado por Dorothy Day nos Estados Unidos, mas assume um carácter ecuménico.

O alerta vem de Catarina Sá Couto, estagiária do Esquema de Experiência no Ministério Ordenado, da Igreja de Inglaterra (Comunhão Anglicana) e que está desde há meses a prestar serviço voluntário na casa Maria Skobtsova.

“Para que o acolhimento se possa fazer, a casa Maria Skobtsova está dependente de voluntários que recebam estas pessoas que procuram um lugar seguro para estar, que organizem o seu funcionamento com os residentes, façam compras etc”, explica a voluntária ao 7MARGENS. “Em resumo, voluntários que tomem conta da casa e deem resposta humanitária a esta necessidade. Sem voluntários a casa não pode estar activa e deixa de ser um ponto logístico de apoio em Calais”, acrescenta.

A casa “procura voluntários o ano todo, jovens, adultos ou mais velhos, pessoas sozinhas ou até casais, que possam dar o seu tempo para servir os seus residentes em Calais”, diz ainda Catarina Sá Couto. Estão em causa, diz, os próximos dias até final do mês, pelo menos. “Sem pessoas para dar hospitalidade, a casa terá de encerrar temporariamente e os seus residentes terão de voltar a viver em condições extremas e mais perigosas”, juntando-se aos cerca de 700 refugiados, dos mais diversos cantos do mundo, que estão a viver ao relento na chamada “selva de Calais”.

Catarina Sá Couto, que é também colaboradora do 7MARGENS, diz que se fala nas rotas mais comuns de refugiados para a Europa, através do deserto do Sara e do Mediterrâneo. Mas “há um grande silêncio nos media ou não se ouve falar tanto dos pontos de passagem e campos de refugiados não organizados dentro da Europa”.

Calais, a ponta de França mais próxima de Inglaterra, no Canal da Mancha, é um desses pontos, desconhecido de muita gente e tantas vezes negado por governantes. Ali vivem pessoas em condições extremas, apenas suavizadas pelo trabalho de Organizações Não Governamentais que asseguram roupa, comida, aconselhamento jurídico, protecção de mulheres e crianças e alojamento, para os casos possíveis.

“A palavra de ordem é hospitalidade e o que é necessário é um coração aberto aos outros e à diferença, e capacidade de resposta rápida à diversidade de situações que possam surgir”, diz a voluntária.

(Alguém eventualmente interessado pode escrever para  mariaskobtsovahousecalais@gmail.com, com a referência “Portugal Voluntários MSH” no assunto.)

 

No regresso do Papa a África, esperam-se encontros “comoventes” e recordes de participação

31 de janeiro a 5 de fevereiro

No regresso do Papa a África, esperam-se encontros “comoventes” e recordes de participação novidade

Não foi a 37ª viagem apostólica de Francisco, como estava previsto, mas vai ser a 40ª: de 31 de janeiro a 5 de fevereiro, o Papa cumprirá o prometido e visitará a República Democrática do Congo e o Sudão do Sul. Entre os muitos compromissos agendados, incluem-se dois encontros que o diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni, prevê que sejam “comoventes”: um com vítimas de violência, outro com deslocados internos. E a missa do dia 1 de fevereiro, no aeroporto Kinshasa-Ndolo, é forte candidata ao top dos eventos mais concorridos deste pontificado.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

E se os Simpsons fossem uma família judia deportada para Auschwitz?

Murais recordam vítimas do Holocausto

E se os Simpsons fossem uma família judia deportada para Auschwitz? novidade

Homer, Marge, Bart, Lisa e Maggie: se a família criada por Matt Groening tivesse vivido em Itália nos anos 40 e fosse judia, teria certamente sido forçada a partir da Plataforma 21, na Estação Central de Milão, com destino aos campos de concentração de Auschwitz. Sobreviveriam? O ativista e artista pop contemporâneo aleXsandro Palombo quer acreditar que sim, mas nunca mais seriam os mesmos. Assim, para assinalar o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto (27 de janeiro), retratou-os junto a essa mesma estação, num “antes e depois” que não deixa ninguém que ali passe indiferente.

Custo do palco da JMJ “magoou” responsáveis mas haverá novas conversas e pode ser reduzido

Igreja prevê gastar 80 milhões de euros à sua conta

Custo do palco da JMJ “magoou” responsáveis mas haverá novas conversas e pode ser reduzido

O custo anunciado de cinco milhões de euros para construir o palco principal da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023 “magoou” os responsáveis da Igreja e da iniciativa. A confissão foi do próprio bispo auxiliar de Lisboa Américo Aguiar, presidente da Fundação JMJ, que diz que agora é possível estudar soluções alternativas que reduzam os custos. Ao mesmo tempo, o mesmo responsável diz que estão orçamentados 80 milhões de euros para os custos de organização por parte da Igreja, relativos sobretudo ao acolhimento dos peregrinos – alimentação, alojamento e outros aspectos relacionados.

Irene Pimentel: “Não aprendemos com a História” e por isso devemos perceber como chegámos ao Holocausto

Dia em Memória das Vítimas assinala-se nesta sexta, 27

Irene Pimentel: “Não aprendemos com a História” e por isso devemos perceber como chegámos ao Holocausto

“Está mais que provado que a História nos ensina muito pouco!” A frase é da historiadora Irene Pimentel. Valerá então a pena continuar a estudá-la e a transmiti-la, particularmente aos mais jovens? A Prémio Pessoa responde, a propósito do Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, que se assinala neste 27 de janeiro.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This