Hajj na Arábia Saudita

Apenas 60 mil autorizados na grande peregrinação a Meca

| 20 Jul 21

O cenário habitual da peregrinação a Meca (aqui, em foto de arquivo) não se repetirá de novo neste ano. Foto © Creative Commons Attribution-Share Alike 4.0

 

Apenas 60 mil pessoas podem este ano realizar o hajj – aquela que é a maior e mais importante peregrinação a Meca feita, em tempos normais, por 2,5 milhões de muçulmanos idos de todo o mundo. De acordo com uma notícia da televisão Al-Jazeera deste sábado, 17 de julho, há grupos de peregrinos realizando as sete voltas rituais à Caaba na Grande Mesquita de Meca.

Todos os peregrinos têm de apresentar atestado de vacinação completa e a presença é permitida exclusivamente a sauditas maiores de 18 anos e menores de 65, escolhidos entre 558 mil candidatos.

Nesta segunda e terça-feira, 19 e 20 de Julho (9 e 10 do mês de Zil-Hajj, no calendário islâmico), assinalam-se os momentos mais importantes da peregrinação, com os peregrinos a deslocarem-se ao monte Arafat, ali permanecendo em oração e vigília, e recitando o Alcorão.

De acordo com a tradição, foi ali que o profeta Muhammad (Maomé) fez o seu sermão do adeus, no ano 10 do calendário da Hégira (ou 632 da era cristã).

Durante a peregrinação, depois de darem as sete voltas rituais à Caaba, os crentes dirigem-se a Mina, que se situa num vale estreito rodeado de montanhas rochosas, a cerca de cinco quilómetros da Grande Mesquita, e onde todos os anos acampam muitos peregrinos, recorda a mesma fonte.

No domingo, os peregrinos foram levados para Mina em autocarros meio cheios, para respeitar as regras de distanciamento físico.

“Para as áreas comuns do campo, como a área de oração e a cafetaria, designámos uma empresa de segurança cujos guardas estão espalhados por todo o campo para garantir que não há aglomeração”, afirmou o operador turístico Hadi Fouad à AFP, de acordo ainda com a Al Jazeera.

Neste dia 20, na descida do monte Arafat, os peregrinos recolhem seixos e executam o simbólico “apedrejamento do diabo”.

O hajj, uma das maiores manifestações religiosas anuais do mundo, é um dos cinco pilares do islão e deve ser realizado por todos os muçulmanos que tenham os meios para tal, pelo menos uma vez na sua vida.

Diz a Al Jazeera que, apesar de a versão deste ano ser francamente maior que a do não passado, as limitações à viagem estão a criar ressentimento entre os muçulmanos no estrangeiro.

“Agradeço a Deus por termos recebido aprovação para vir, embora não o esperássemos devido ao pequeno número de peregrinos”, disse Abdulaziz bin Mahmoud, um saudita de 18 anos.

Saddaf Ghafour, uma mulher paquistanesa de 40 anos de idade que viajava com o seu amigo, estava entre as mulheres que faziam a peregrinação sem um “guardião” masculino, o que era um requisito até há pouco tempo. “É um privilégio realizar hajj entre um número muito limitado de peregrinos”, disse ela.

Desde o início da pandemia, o reino saudita comunicou pelo menos 462.000 casos do vírus e 7.500 mortes.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, o país administrou cerca de 15,4 milhões de doses de vacinas contra o coronavírus. A Arábia Saudita tem mais de 30 milhões de pessoas.

As autoridades dizem que estão a trabalhar nos “níveis mais elevados de precauções sanitárias” à luz da pandemia e do aparecimento de novas variantes.

Os peregrinos estão a ser divididos em grupos de apenas 20 pessoas cada, “para restringir qualquer exposição apenas a esses 20, limitando a propagação da infecção”, disse o subsecretário do ministério do Hajj, Mohammad al-Bijawi.

Para além de rigorosas medidas de distanciamento, as autoridades introduziram um “cartão Hajj inteligente” para permitir o acesso sem contacto aos acampamentos, hotéis e autocarros para transportar os peregrinos em redor dos locais religiosos.

 

Facebook está a apostar na evangelização

Líderes evangélicos nos EUA já trabalham com a multinacional

Facebook está a apostar na evangelização

A rede social Facebook está a entrar na área da evangelização. Nos Estados Unidos da América, os pastores evangélicos estão a apostar nas redes sociais como forma de expandir o seu ministério, e exemplo disso é o pastor Sam Collier, que revelou, em entrevista, que meses antes de a mega-igreja Hillsong abrir seu novo posto avançado em Atlanta, procurou conselhos sobre como construir uma igreja em uma pandemia. Do Facebook.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Derrota no estádio, pancada em casa

[Os Dias da Semana]

Derrota no estádio, pancada em casa

A condescendência perante o machismo ou, pelo menos, perante as suas manifestações mais degradantes – dir-se-ia – acabou. Mas continua a haver demasiadas notícias que revelam existir ainda uma injustificada complacência perante a agressividade contra as mulheres e também contra os que, de algum modo, são mais vulneráveis.

Breves

Música, património e natureza

Festival Terras sem Sombra revisita herança judaica em Castelo de Vide novidade

O Festival Terras sem Sombra apresenta, na Igreja Matriz de Santa Maria da Devesa (31 de Julho, 21h30), o concerto pelo reputado Utopia Ensemble, que interpreta obras da polifonia europeia. O festival junta as memórias judaicas de Castelo de Vide, revisitadas na acção de património (31 de Julho, 15h), e as deslumbrantes paisagens da Serra de S. Mamede (1 de Agosto, 9h30), com a rica biodiversidade deste território por horizonte.

Responsável também pelas obras no Mar da Palha

José Sá Fernandes preside a Grupo de acompanhamento da JMJ 2023 novidade

O governo português anunciou a criação de um Grupo de Projeto com vista a acompanhar e agilizar todas as questões relacionadas com o “acompanhamento, em termos operacionais, dos trabalhos de preparação deste evento”. “Considerando a diversidade, a complexidade, a natureza e a dimensão das ações a desenvolver no âmbito da preparação da JMJ 2023, o Governo, através Resolução do Conselho de Ministros n.º 45/2021, criou um Grupo de Projeto para assegurar o acompanhamento”, pode ler-se no comunicado de imprensa a que o 7Margens teve acesso.

Cidadãos vítimas de spyware

Amnistia exige resposta do governo húngaro ao escândalo Pegasus

Uma investigação publicada esta terça-feira, 20 de julho, pelo Direkt36 (órgão de comunicação húngaro sem fins lucrativos) revelou que os telefones de mais de 300 cidadãos daquele país foram identificados como possíveis alvos do software de vigilância Pegasus, comercializado pela empresa israelita NSO Group. Peritos da Amnistia Internacional (AI) confirmaram que, em inúmeros casos, este software tinha, de facto, sido instalado, e a organização exige agora uma reação da parte das autoridades húngaras.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

As jovens cristãs que enfrentam a discriminação e perseguição

Paquistão

As jovens cristãs que enfrentam a discriminação e perseguição

“Quando fui para a universidade sofri muitos actos de discriminação por parte dos meus professores e colegas, a tal ponto que não conseguia concentrar-me nos meus estudos”, conta Ashia, 17 anos, cristã paquistanesa. Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) desenvolve programa para capacitar mulheres em situações particularmente difíceis.

É notícia

Sínodo dos Bispos 2023

Quem é quem nas comissões preparatórias

Estão constituídas as três comissões preparatórias do Sínodo dos Bispos católicos de 2023, cujo início será já no próximo mês de outubro, em todas as dioceses do mundo. As pessoas escolhidas indiciam a vontade de mudança introduzida pelo Papa Francisco, conforme o 7MARGENS explica noutro texto. Fica a seguir a lista completa.

Especulação imobiliária

Docas de Liverpool já não são património da humanidade

As docas vitorianas de Liverpool nas margens do rio Mersey perderam nesta quarta-feira, 21 de julho, o estatuto de Património da Humanidade por causa da especulação imobiliária que levou à construção de novos edifícios, os quais causaram “perdas irreversíveis” que destruíram o “valor universal excecional” das antigas docas.

Entre margens

Jesus Cristo tinha uma agenda liberal?

Dizer apenas que todas as vidas são importantes é uma tirada lapalissiana. É óbvio que sim, mas o problema é que nem todas as vidas estão em risco devido a fenómenos sociais como o racismo, a xenofobia, a violência sobre mulheres e crianças, o abuso sexual e o tráfico de pessoas, já para não falar nesta economia que mata, no dizer do Papa Francisco.

Mulheres, aptas para o ministério sacerdotal

No ano de 2020, na Igreja de Inglaterra (Comunhão Anglicana), das 591 pessoas recomendadas para a formação ao ministério ordenado e assumirem funções ministeriais a tempo inteiro, a maioria dos candidatos são do género feminino.

Como regressar à vida?

Num recente inquérito à opinião pública, as pessoas consideram que as medidas contra a Covid-19 foram positivas, mas queixam-se que a democracia se viu limitada. É um julgamento natural. Importa, porém, compreender que fomos surpreendidos por uma enfermidade que continuamos a desconhecer.

Cultura e artes

Lançamento

Um livro para entender o imaginário católico de Sting

Evyatar Marienberg, historiador da religião na Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, escreveu um livro sobre a imaginação católica de Sting e de como ela alimentou a sua criatividade. Antes de ser quem é na cena do rock internacional como o principal compositor e vocalista do Police, Sting (nascido Gordon Sumner em 1951) cresceu na cidade de Wallsend, Inglaterra, e frequentou escolas católicas. Recebeu o Crisma aos 14 anos e casou-se com sua primeira esposa na Igreja Católica aos 25 anos.

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This