Hajj na Arábia Saudita

Apenas 60 mil autorizados na grande peregrinação a Meca

| 20 Jul 2021

O cenário habitual da peregrinação a Meca (aqui, em foto de arquivo) não se repetirá de novo neste ano. Foto © Creative Commons Attribution-Share Alike 4.0

 

Apenas 60 mil pessoas podem este ano realizar o hajj – aquela que é a maior e mais importante peregrinação a Meca feita, em tempos normais, por 2,5 milhões de muçulmanos idos de todo o mundo. De acordo com uma notícia da televisão Al-Jazeera deste sábado, 17 de julho, há grupos de peregrinos realizando as sete voltas rituais à Caaba na Grande Mesquita de Meca.

Todos os peregrinos têm de apresentar atestado de vacinação completa e a presença é permitida exclusivamente a sauditas maiores de 18 anos e menores de 65, escolhidos entre 558 mil candidatos.

Nesta segunda e terça-feira, 19 e 20 de Julho (9 e 10 do mês de Zil-Hajj, no calendário islâmico), assinalam-se os momentos mais importantes da peregrinação, com os peregrinos a deslocarem-se ao monte Arafat, ali permanecendo em oração e vigília, e recitando o Alcorão.

De acordo com a tradição, foi ali que o profeta Muhammad (Maomé) fez o seu sermão do adeus, no ano 10 do calendário da Hégira (ou 632 da era cristã).

Durante a peregrinação, depois de darem as sete voltas rituais à Caaba, os crentes dirigem-se a Mina, que se situa num vale estreito rodeado de montanhas rochosas, a cerca de cinco quilómetros da Grande Mesquita, e onde todos os anos acampam muitos peregrinos, recorda a mesma fonte.

No domingo, os peregrinos foram levados para Mina em autocarros meio cheios, para respeitar as regras de distanciamento físico.

“Para as áreas comuns do campo, como a área de oração e a cafetaria, designámos uma empresa de segurança cujos guardas estão espalhados por todo o campo para garantir que não há aglomeração”, afirmou o operador turístico Hadi Fouad à AFP, de acordo ainda com a Al Jazeera.

Neste dia 20, na descida do monte Arafat, os peregrinos recolhem seixos e executam o simbólico “apedrejamento do diabo”.

O hajj, uma das maiores manifestações religiosas anuais do mundo, é um dos cinco pilares do islão e deve ser realizado por todos os muçulmanos que tenham os meios para tal, pelo menos uma vez na sua vida.

Diz a Al Jazeera que, apesar de a versão deste ano ser francamente maior que a do não passado, as limitações à viagem estão a criar ressentimento entre os muçulmanos no estrangeiro.

“Agradeço a Deus por termos recebido aprovação para vir, embora não o esperássemos devido ao pequeno número de peregrinos”, disse Abdulaziz bin Mahmoud, um saudita de 18 anos.

Saddaf Ghafour, uma mulher paquistanesa de 40 anos de idade que viajava com o seu amigo, estava entre as mulheres que faziam a peregrinação sem um “guardião” masculino, o que era um requisito até há pouco tempo. “É um privilégio realizar hajj entre um número muito limitado de peregrinos”, disse ela.

Desde o início da pandemia, o reino saudita comunicou pelo menos 462.000 casos do vírus e 7.500 mortes.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, o país administrou cerca de 15,4 milhões de doses de vacinas contra o coronavírus. A Arábia Saudita tem mais de 30 milhões de pessoas.

As autoridades dizem que estão a trabalhar nos “níveis mais elevados de precauções sanitárias” à luz da pandemia e do aparecimento de novas variantes.

Os peregrinos estão a ser divididos em grupos de apenas 20 pessoas cada, “para restringir qualquer exposição apenas a esses 20, limitando a propagação da infecção”, disse o subsecretário do ministério do Hajj, Mohammad al-Bijawi.

Para além de rigorosas medidas de distanciamento, as autoridades introduziram um “cartão Hajj inteligente” para permitir o acesso sem contacto aos acampamentos, hotéis e autocarros para transportar os peregrinos em redor dos locais religiosos.

 

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima novidade

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita novidade

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Cardeal Zen condenado a pagar multa por ter defendido manifestantes

Hong Kong

Cardeal Zen condenado a pagar multa por ter defendido manifestantes novidade

O cardeal Joseph Zen, bispo emérito de Hong Kong, foi condenado esta sexta-feira, 25 de novembro, a pagar uma multa de cerca de 500 euros pela sua colaboração com o 612 Humanitarian Relief Fund, que apoiou manifestantes pró-democracia a pagar multas e fianças em 2019. Sobre ele, recai ainda a acusação de conluio com forças estrangeiras, pelo que poderá vir a enfrentar penas mais graves.

Freiras italianas gritam “basta!” à violência contra a mulher

Dia Internacional contra a Violência de Género

Freiras italianas gritam “basta!” à violência contra a mulher novidade

“Sentimos o dever de manifestar abertamente a solidariedade com as mulheres que sofrem todo o tipo de violência.” Quem o diz são as irmãs salesianas Filhas de Maria Auxiliadora, da Província de São João Bosco, em Roma, que pela primeira vez decidiram associar-se pessoalmente a uma campanha de prevenção, a propósito do Dia Internacional Contra a Violência de Género, assinalado esta sexta-feira, 25 de novembro.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This