Estudo apresentado nesta quinta

Apoio da Cáritas com vales de comida ajudou 8 mil pessoas

| 15 Dez 2021

Cáritas Portuguesa, Cáritas Beja, pobreza, pandemia,

Funcionária da Cáritas de Beja em trabalho durante a pandemia. Foto © Cáritas Portuguesa/Noelle Georg.

 

A distribuição de vales da Cáritas Portuguesa para refeições “reforçou o apoio alimentar” a quase três mil famílias e mais de oito mil pessoas durante este ano e meio de pandemia, conclui um estudo da instituição de acção social católica, que será apresentado esta quinta-feira, 16 de Dezembro, em Lisboa.

Essa distribuição, de acordo com alguns dados fornecidos pela Cáritas na sua página na rede Facebook, permitiu, por exemplo, a adição de carne ou peixe aos cabazes de famílias e pessoas carenciadas. 

O estudo “A Rede Cáritas em Portugal e a resposta à covid-19” pretende documentar a resposta da rede Cáritas em Portugal à pandemia de covid-19. 

Além do apoio alimentar, a Cáritas tem desenvolvido outras acções e disso se dá conta no estudo. A Cáritas de Braga, por exemplo, desenvolveu um conjunto de actividades ocupacionais e culturais, que pretendia “mitigar os impactos da pandemia”, combatendo o isolamento social e promovendo a saúde mental. 

Outro exemplo de projectos desenvolvidos como resposta à pandemia foi o da Cáritas de Beja, intitulado “Humanamente @ctivos”, que pretendia, através do uso de tablets, remediar as situações de isolamento ou distanciamento físico dos mais velhos. 

A investigação foi realizada por uma equipa da Oficina Global, iniciativa académica que alia a investigação à acção em parceria com organizações da sociedade civil portuguesa. A Oficina Global é apoiada pelo CEsA – Centro de Estudos sobre África e Desenvolvimento e pelo ISEG (antigo Instituto Superior de Economia e Gestão, agora designado, em inglês, Lisbon School of Economics and Management, da Universidade de Lisboa). 

O estudo teve também como objectivo fazer uma análise preliminar dos dados recolhidos sobre a resposta da Cáritas, “tendo em conta o impacto socioeconómico da pandemia na população portuguesa e as implicações possíveis dessa análise” perante o modelo de Sistema de Proteção Social da Cáritas Europa.

A sessão de apresentação do estudo, prevista para iniciar às 16h30, decorrerá no Edifício Quelhas do ISEG (numa sessão já esgotada, tendo e conta as regras de combate à pandemia), mas pode ser acompanhada na página da Cáritas no Facebook.

Na sessão, intervêm, entre outros, as presidentes do ISEG, Clara Raposo, e da Cáritas, Rita Valadas, o director do Departamento de Estudos Económicos do Banco de Portugal, Nuno Alves, o presidente da Câmara Municipal de Cascais, Carlos Carreiras, e Luís Bernardo, um dos autores do estudo – os outros são Ana Luísa Silva, Luís Mah e Renata Vieira de Assis. 

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, encerra a sessão. 

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This