Pedido da China

Apple retira aplicações da Bíblia e do Alcorão

| 24 Out 21

Imagem da Bible App by Olive Tree

 

A gigante da tecnologia americana Apple removeu uma app da Bíblia e outra do Alcorão da sua App Store na China após pedidos das autoridades, levando a críticas e à condenação por grupos de direitos humanos por causa de mais esta violação da liberdade religiosa pelo Estado chinês.

Segundo a agência noticiosa católica asiática UCA News, a Apple confirmou à BBC que as aplicações Quran Majeed e Bible App de Olive Tree foram retiradas. As autoridades chinesas afirmaram que estas aplicações violam as leis ao alojar ilegalmente textos religiosos.

“Somos obrigados a cumprir as leis locais e, às vezes, há questões complexas sobre as quais podemos discordar dos governos e outras partes interessadas no caminho certo”, disse fonte da Apple à BBC, explicando a sua política de direitos humanos.

A Quran Majeed tem mais de 5 milhões de downloads na Google Play Store, enquanto a Bible App by Olive Tree tem pouco mais de 1 milhão de downloads, de acordo com o Business Insider.

 

Combater bem o mal

Combater bem o mal novidade

Os tempos que se vivem na Igreja Católica suscitam especial dor a todas as pessoas, sejam ou não crentes, provocando revolta em muitos contra um aparentemente imobilismo na resposta a uma crise que já se prolonga por demasiado tempo. A Igreja, enquanto realidade operante no mundo, não ficou imune a este fenómeno transversal à humanidade que é o abuso sexual de menores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero

Pedro Strecht apresentou membros

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero novidade

Daqui a um ano haverá relatório, que pode ser o fim do trabalho ou o início de mais. A comissão para estudar os abusos sexuais do clero português está formada e quer que as vítimas percam o medo, a vergonha e a culpa. Ou seja, que dêem voz ao seu silêncio. Pedro Strecht apresentou razões, o presidente dos bispos disse que não quer mais preconceitos nem encobrimentos, mas “autêntica libertação, autenticidade e dignidade para todos”.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This