Aprender a falar com feijões

| 21 Jun 20

Uma cena do filme Uma Pastelaria em Tóquio. Foto: Direitos reservados.

 

(Re)visto agora, a partir da janela do confinamento, este filme Uma Pastelaria em Tóquio ganha novos sabores, que é como quem diz, entranha-se em nós de uma maneira mais intensa.

Podemos então começar por dizer que temos diante de nós, três personagens de idades e situações diferentes “em quarentena”, quer dizer, sozinhos, em sofrimento, encerrados em dias repetitivos, sem ponto de fuga, à espera de nada. Até que Tokue, uma mulher já vergada pelo peso dos anos e da vida, mas ainda capaz de levantar o olhar para ver, falar e até dançar com as cerejeiras, se aproxima da pequena pastelaria que faz dorayaki – uma espécie de panqueca dupla recheada com uma pasta de doce de feijão azuki. Tokue tinha vindo do lugar onde estava confinada, desde a adolescência, sabia melhor do que ninguém fazer a tal pasta de doce de feijão e dispunha-se a trabalhar naquela pastelaria a troco de quase nada.

Essa pastelaria é gerida por Sentaro, que estava ali, sem alegria, consciente de que aquilo que oferecia não tinha qualidade, ao ponto de nunca ter comido nenhum dos dorayaki que vendia. Como um condenado a expiar penas passadas.

E de entre as adolescentes que frequentavam a pequena pastelaria, destacava-se Wakana, uma rapariga de olhar melancólico e pouco faladora, que vivia num apartamento onde nem sequer era autorizada a ter um pássaro, porque ele cantava demais. Wakana ficava sempre para trás e Sentaro dava-lhe as sobras dos doces que não vendia.

Tokue acabou por ficar a trabalhar ali, ao fim de algumas tentativas e depois de Sentaro ter provado a pasta de doce de feijão que ela fizera, concluindo que nunca comera nada assim. A sua chegada vai alterar tudo na vida de Sentaro e Wakana. Aquela mulher é de tal modo singular e feliz, entrega-se tão inteiramente ao que faz e às pessoas, que elas não ficam indiferentes e, pouco a pouco, vão abrindo os corações, tomando consciência das feridas que lhes doem e os fecham em si mesmos.

Tokue, que apesar do sucesso da sua pasta de feijão tinha deixado de vir trabalhar porque era leprosa, com a sua simplicidade e serenidade, tinha-os levado a descobrir que a vida pode estar cheia de sentido, mesmo com todas as maldades e dificuldades.

Saberemos isso no final, quando Sentaro e Wakana numa nova visita ao sanatório, ficarem a saber que Tokue tinha morrido e percorrerem um caminho de redenção, acompanhados pela amiga mais próxima de Tokue. Então, Sentaro recebe em herança os utensílios com que ela fazia a deliciosa pasta de doce de feijão e Wakana fica a saber que o seu canário voa agora em liberdade. Junto da cerejeira que “imortalizaria” Tokue e a lua no alto, Wakana e Sentaro encontraram, finalmente, os seus caminhos.

A alguns olhares este é um filme sentimental, mas eu creio que não. É um filme de emoções e de denúncias. As cenas na pastelaria, quando demoradamente é trabalhada e apurada a pasta de doce de feijão, sem pressas e com toda a ternura, são tão belas como as cerejeiras em flor ou o caminhar por entre as árvores no jardim. Ao rever estas imagens, não consegui deixar de me lembrar do escritor Luís Sepúlveda e do seu amigo Carlo Petrini, fundador do movimento Slow Food. Precisamos de aprender a viver segundo um ritmo mais humano, necessariamente mais lento, mas seguramente mais capaz de nos fazer felizes.

Mas o filme, segundo a própria realizadora, Naomi Kawase, quer também ressaltar a necessidade de não deixarmos que a sociedade nos isole ou nós próprios criarmos barreiras que nos impeçam de estar bem com os outros. E termino com uma frase sua: “Por vezes, ao olharmos para uma pessoa à distância pensamos que ela está demasiado zangada, mas se nos aproximarmos o suficiente reparamos que, na realidade, pode estar a chorar, simplesmente à procura do calor humano das outras”.

 

Uma Pastelaria em Tóquio, de Naomi Kawase
Com Kirin Kiki, Masatoshi Nagase e Kyara Uchida
Drama; Japão/Alemanha/França, 2015; Cores; 113 min.

 

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Durante esta semana, estudantes e movimento associativo de Fafe debatem o impacto do confinamento na cidadania e na justiça. A Semana Online dos Clubes Terra Justa é assinalada em conferências, trabalhos e exposições, com transmissão exclusiva pela internet. Entre as várias iniciativas, contam-se as conversas com alunos do 7º ao 12º ano, constituídos como Clubes Terra Justa dos vários agrupamentos de escolas de Fafe.

É notícia

Entre margens

De joelhos os grandes sistemas económicos novidade

Mas – dizem –, se existem catástrofes na economia motivada por um vírus exponencial, a “mão humana” lá está para dar alento a esta tempestade. E essa tem um “confinamento” suave, porque quem sofre são os trabalhadores mais vulneráveis, os informais, os pobres, as mulheres, as pessoas de cor, os migrantes e os refugiados. A violência doméstica aumenta, os direitos humanos são atrofiados e a indústria privada farmacêutica e o seu sistema de patentes é orientada para lucros inconcebíveis, em que a defesa da dignidade das mulheres e dos homens é colocada em causa.

O poder tende a corromper e o poder absoluto corrompe absolutamente

Presumir a virtude do sujeito que detém o poder é, para além de naïf, algo injusto. Expor qualquer pessoa à possibilidade do poder sem limites (ainda que entendido como serviço) é deixá-la desamparada nas múltiplas decisões que tem de tomar com repercussões não só em si mesma, mas igualmente em terceiros. E também, obviamente, muito mais vulnerável para ceder a pressões, incluindo as da sua própria fragilidade.

Economista social ou socioeconomista?

Em 2014, a revista Povos e Culturas, da Universidade Católica Portuguesa, dedicou um número especial a “Os católicos e o 25 de Abril”. Entre os vários testemunhos figura um que intitulei: “25 de Abril: Católicos nas contingências do pleno emprego”. No artigo consideram-se especialmente o dr. João Pereira de Moura e outros profissionais dos organismos por ele dirigidos; o realce do “pleno emprego”, quantitativo e qualitativo, resulta do facto de este constituir um dos grandes objetivos que os unia.

Cultura e artes

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir” novidade

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano novidade

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Morreu João de Almeida, renovador da arquitectura religiosa em Portugal

Em Maio de 2015, manifestava-se, em entrevista ao Expresso um homem “cem por cento contente com a vida”. O arquitecto e pintor João de Almeida, fundador do Movimento de Renovação da Arte Religiosa (MRAR) morreu na segunda-feira, em Lisboa, aos 92 anos. O seu funeral e cremação será esta quarta, 24 de Junho, às 17h, no cemitério do Alto de São João.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco