Aprender a falar com feijões

| 21 Jun 20

Uma cena do filme Uma Pastelaria em Tóquio. Foto: Direitos reservados.

 

(Re)visto agora, a partir da janela do confinamento, este filme Uma Pastelaria em Tóquio ganha novos sabores, que é como quem diz, entranha-se em nós de uma maneira mais intensa.

Podemos então começar por dizer que temos diante de nós, três personagens de idades e situações diferentes “em quarentena”, quer dizer, sozinhos, em sofrimento, encerrados em dias repetitivos, sem ponto de fuga, à espera de nada. Até que Tokue, uma mulher já vergada pelo peso dos anos e da vida, mas ainda capaz de levantar o olhar para ver, falar e até dançar com as cerejeiras, se aproxima da pequena pastelaria que faz dorayaki – uma espécie de panqueca dupla recheada com uma pasta de doce de feijão azuki. Tokue tinha vindo do lugar onde estava confinada, desde a adolescência, sabia melhor do que ninguém fazer a tal pasta de doce de feijão e dispunha-se a trabalhar naquela pastelaria a troco de quase nada.

Essa pastelaria é gerida por Sentaro, que estava ali, sem alegria, consciente de que aquilo que oferecia não tinha qualidade, ao ponto de nunca ter comido nenhum dos dorayaki que vendia. Como um condenado a expiar penas passadas.

E de entre as adolescentes que frequentavam a pequena pastelaria, destacava-se Wakana, uma rapariga de olhar melancólico e pouco faladora, que vivia num apartamento onde nem sequer era autorizada a ter um pássaro, porque ele cantava demais. Wakana ficava sempre para trás e Sentaro dava-lhe as sobras dos doces que não vendia.

Tokue acabou por ficar a trabalhar ali, ao fim de algumas tentativas e depois de Sentaro ter provado a pasta de doce de feijão que ela fizera, concluindo que nunca comera nada assim. A sua chegada vai alterar tudo na vida de Sentaro e Wakana. Aquela mulher é de tal modo singular e feliz, entrega-se tão inteiramente ao que faz e às pessoas, que elas não ficam indiferentes e, pouco a pouco, vão abrindo os corações, tomando consciência das feridas que lhes doem e os fecham em si mesmos.

Tokue, que apesar do sucesso da sua pasta de feijão tinha deixado de vir trabalhar porque era leprosa, com a sua simplicidade e serenidade, tinha-os levado a descobrir que a vida pode estar cheia de sentido, mesmo com todas as maldades e dificuldades.

Saberemos isso no final, quando Sentaro e Wakana numa nova visita ao sanatório, ficarem a saber que Tokue tinha morrido e percorrerem um caminho de redenção, acompanhados pela amiga mais próxima de Tokue. Então, Sentaro recebe em herança os utensílios com que ela fazia a deliciosa pasta de doce de feijão e Wakana fica a saber que o seu canário voa agora em liberdade. Junto da cerejeira que “imortalizaria” Tokue e a lua no alto, Wakana e Sentaro encontraram, finalmente, os seus caminhos.

A alguns olhares este é um filme sentimental, mas eu creio que não. É um filme de emoções e de denúncias. As cenas na pastelaria, quando demoradamente é trabalhada e apurada a pasta de doce de feijão, sem pressas e com toda a ternura, são tão belas como as cerejeiras em flor ou o caminhar por entre as árvores no jardim. Ao rever estas imagens, não consegui deixar de me lembrar do escritor Luís Sepúlveda e do seu amigo Carlo Petrini, fundador do movimento Slow Food. Precisamos de aprender a viver segundo um ritmo mais humano, necessariamente mais lento, mas seguramente mais capaz de nos fazer felizes.

Mas o filme, segundo a própria realizadora, Naomi Kawase, quer também ressaltar a necessidade de não deixarmos que a sociedade nos isole ou nós próprios criarmos barreiras que nos impeçam de estar bem com os outros. E termino com uma frase sua: “Por vezes, ao olharmos para uma pessoa à distância pensamos que ela está demasiado zangada, mas se nos aproximarmos o suficiente reparamos que, na realidade, pode estar a chorar, simplesmente à procura do calor humano das outras”.

 

Uma Pastelaria em Tóquio, de Naomi Kawase
Com Kirin Kiki, Masatoshi Nagase e Kyara Uchida
Drama; Japão/Alemanha/França, 2015; Cores; 113 min.

 

Artigos relacionados

Precisamos de nos ouvir (25) – Fátima Almeida: A transfiguração do Desenvolvimento

Precisamos de nos ouvir (25) – Fátima Almeida: A transfiguração do Desenvolvimento novidade

Há tempos e momentos que são mais propícios à reflexão e à interiorização, oferecendo-nos oportunidades de pensar, ou repensar, atitudes pessoais e realidades coletivas. E são estas oportunidades de refletir que, normalmente, nos abrem perspetivas de mudança, de ver novas formas de viver, de olhar novas respostas para combater injustiças, pobrezas e violações dos Direitos Humanos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Comissão Europeia reduz metas da luta contra a pobreza

A Comissão Europeia (CE) reduziu o objetivo europeu quanto ao número de cidadãos que pretende tirar da pobreza daqui até 2030: a meta são agora 15 milhões no lugar dos 20 milhões que figuravam na estratégia anterior [2010-2020]. O plano de ação relativo ao Pilar dos Direitos Sociais proposto pela CE inclui ainda a “drástica redução” do número de sem-abrigo na Europa, explicou, em entrevista à agência Lusa, publicada nesta sexta-feira, dia 5 de março, o comissário europeu do Emprego e Direitos Sociais, Nicolas Schmit.

Hino da JMJ Lisboa 2023 em língua gestual portuguesa

Há pressa no ar, o hino da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, tem agora uma versão em língua gestual portuguesa, interpretada por Bruna Saraiva, escuteira do Agrupamento 714 (Albufeira) do Corpo Nacional de Escutas.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Guardar o jardim do mundo novidade

Nestes tempos em que o início da Quaresma coincide com um estranho confinamento, explicado por uma pandemia que há um ano nos atinge e que vai afetar pelo segundo ano consecutivo a nossa Páscoa, importa recordar mais uma vez o que o Papa Francisco nos afirmou na encíclica Laudato Si’. Esta pandemia será ultrapassada, com mais ou menos esforço, mesmo que tenhamos de continuar a lidar com o vírus.

Arte de rua: amor e brilho no olhar

Ouvi, pela vida fora, incontáveis vezes a velha história da coragem, a mítica frase “eu não era capaz”; é claro que não, sempre que o preconceito se sobrepõe ao amor, não é possível ser-se capaz. Coragem?? Coragem eu precisaria para passar pela vida sem realizar os meus desejos, nesse louco trapézio entre doses paralelas de coragem e cobardia.

Eternidade

A vida segue sempre e nós seguimos com ela, necessariamente, como se fôssemos empurrados pela passagem inexorável do tempo. Mas enquanto uns aceitam esse empurrão inexorável como um impulso para levantar voo – inclusive até lugares onde o tempo não domina –, outros deixam-se arrastar por ele até ao abismo. Porque quando o tempo não serve para moldar e edificar pedaços de eternidade, ele apenas dura e, portanto, a nada conduz (a não ser à morte), pois a sua natureza é durar, sem mais.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

Sete Partidas

Viagem ao Sul novidade

Hoje conto-vos acerca da nossa viagem ao Sul, na semana de Acção de Graças em pleno Novembro de 2020. Um dos aspectos interessantes de viver nos Estados Unidos é a possibilidade de, sem sair das fronteiras do país, encontrarmos de tudo um pouco: desde o inverno gélido de Washington DC aos cenários verdes e húmidos da Geórgia, passando pela secura e aridez do Mississípi.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This