Aprender a olhar para as insignificâncias

| 16 Nov 2023

“A crónica devora-nos, engole-nos nesse abismo de tudo poder ser qualquer coisa a todo o instante.” Foto: Página Facebook António Lobo Antunes (Grupo)

 

O António Lobo Antunes acaba por dizer, num dos seus textos, que terminar uma crónica é fácil: “Põe-se o ponto final e deixa-se o resto da página em branco, pronto.”

Cá para mim escrever crónicas é a maneira mais dolorosa de dar significado ao insignificante. A crónica – quando se lê Clara Ferreira Alves, António Lobo Antunes, Rui Zink, Miguel Esteves Cardoso – parece a forma literária de mais fácil execução, como se aquilo que se lê sempre tivesse estado lá, assim tão óbvio.

Ser cronista é ver a vida por dentro.

Se calhar é também por isso que o António Lobo Antunes, nesse mesmo texto, diz que as crónicas lhe estragam o ritmo dos romances. A crónica devora-nos, engole-nos nesse abismo de tudo poder ser qualquer coisa a todo o instante.

Cito agora o João Tordo, numa entrevista para a rádio: “O escritor nunca descansa. Quando se escreve, o enredo somos nós a toda a hora, ainda que não estejamos na frente do computador a escrever, na nossa cabeça a história está a acontecer.”

Vou beber um copo de água.

Tudo pode ser a crónica da semana, mas como transformar o despercebido em objeto intensamente observado?

A mulher que encostou o carro na berma da 125, com o pneu furado; o café mal servido na praça da alimentação do Algarveshopping; o ego dos performers no evento do halloween; a visita ao psiquiatra duas vezes na mesma semana; a abertura do telejornal, ao fundo, com os comentadores da guerra em alvoroço enquanto sirvo a sopa para o jantar; etcetera, etcetera, etcetera…

E agora, aqui na frente da tela, dou por mim a pensar que estas crónicas me parecem o diário da adolescência, tudo lá cabe. Até o que se esconde grita nestas crónicas (acho que já escrevi isto antes, não me lembro bem, pode ser que só tenha sonhado). E, às vezes, o grito é tão vazio que não me aparece uma sequer imagem para salvar o compromisso com a página; então sei que quando não há uma crónica por escrever é porque a vida murchou. Se não há nada à flor da pele a urgir para a ponta dos dedos é porque adormecemos.

Querido António… já nos disseste como terminar uma crónica: “mete-se o ponto final e deixa-se o resto da página em branco, pronto.”.

Fico então a aguardar que nos digas como se começa e como se desenrola a escrita da mesma, é que eu gostava muito de aprender a olhar para as insignificâncias como fonte do essencial.

 

Ana Sofia Brito começou a trabalhar aos 16 anos em teatro e espetáculos de rua; Depois de dois anos na Universidade de Coimbra estudou teatro, teatro físico e circo em Barcelona, Lisboa e Rio de Janeiro. Autora dos livros “Em breve, meu amor” e ” O Homem do trator”.

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This