[Nas margens da filosofia - XLVIII]

Aprender a rezar com Etty Hillesumm

| 21 Out 2022

“Aprendamos com Etty a rezar a Deus, nestes tempos  de guerra em que Ele parece estar ausente.” Foto: Etty Hillesum. Direitos reservados

 

Durante anos leccionei a cadeira de Filosofia Moderna. Com a liberdade que então nos era concedida na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, podia orientá-la à minha maneira, desde que nela fossem estudados os filósofos mais importantes do século XVII, a época que me cabia abordar. Assim, houve um ano em que trabalhei o conceito de Deus em diferentes pensadores. Constavam do meu programa  Descartes e um Deus como garantia de verdade pois a sua bondade infinita não permite o erro  desde que orientemos  correctamente os nossos raciocínios; Espinosa e o Deus Natureza,  uma totalidade impessoal que se expressa em “modos”, ou seja em tudo quanto existe; Hobbes, um precursor do ateísmo sistemático, nas suas teses de que é absurdo falar de Deus, dado que não podemos conceber o infinito; Pascal que distingue o Deus dos filósofos do Deus de Abraão, de Isaac e de Jacob; Leibniz  e o  Deus relojoeiro, criador do melhor dos mundos possíveis; Locke  que ao falar-nos das limitações das  nossas  faculdades cognitivas  sustenta a possibilidade de termos um conhecimento demonstrativo e certo da existência de Deus. Mas exceptuando Pascal, nenhuma destas concepções satisfaz a nossa necessidade de um diálogo  amoroso com a transcendência, aliás porque o  objectivo destes filósofos é integrar a divindade na explicação do mundo, dando-lhe um papel mais ou menos preponderante, conforme as crenças (ou descrenças) de cada um. Não se privilegia nestes pensadores  um Deus a quem rezamos, mas sim, porque o  terreno em que habitam é a filosofia,  um Deus conceptual, que nos ajude a compreender  o Universo.

Presentemente integro um grupo de trabalho luso-brasileiro – Ecocultura e ecofeminismo –   em que professores e professoras de teologia e de filosofia se propõem    preparar um volume para a colecção Teologia da Casa Comum.  E  uma  das tarefas que nos coube este ano foi a análise do livro de Ivone Gebara  Teologia Ecofeminista. Ensaio para repensar o Conhecimento e a Religião.[1] A obra  é atravessada pelo desejo de que a Terra seja um lugar de redenção. Nos seus diferentes capítulos perpassa a denúncia de uma teologia pensada por homens, com a sua consequência  lógica de valorização de princípios e critérios masculinos. Interessou-me particularmente o último capítulo cujo título é uma interrogação “Um Deus diferente?”  A partir desta questão  traça-se um conceito de Deus que atende à nossa existência situada e às interrogações que levantamos. A espiritualidade antropocêntrica dominante  na teologia cristã é substituída pela imersão no próprio mistério da vida pois trata-se de um Deus mistério,  no qual existimos e somos. A ética que aí se defende é fundada no amor à Terra e no amor ao próximo. Há que lutar em prol dos mais débeis, ou seja, em prol das mulheres, da natureza e do ecossistema. Não tem sentido referir Deus  como Pai.

Por muito interessante e inovadora que seja esta perspectiva, nomeadamente pela desmitificação das projecções masculinas dominantes na teologia cristã, não nos parece que  nela se encontre um Deus a quem se reze, ou seja, alguém com quem se possa partilhar alegrias e tristezas, preocupações e dúvidas.

Na conjuntura de guerra que actualmente vivemos é particularmente chocante verificar como a religião continua a ser instrumentalizada em prol de opções políticas. As imagens que frequentemente vemos do Patriarca Cirilo abençoando os exércitos russos e apelando à sua coragem, constituem um insulto ao Deus misericordioso que a todos ama. E recordo uma figura que muito admiro – Etty Hillesum – pelo modo inovador como nos ensinou a rezar. [2]

Enquanto judia holandesa sob a ocupação nazi, Etty trabalhou em Westerbork, um Campo de passagem  onde estavam internados provisoriamente os que iriam seguir para Auschwitz. Aí desenvolveu uma espiritualidade própria, conseguindo ver Deus onde ele parecia estar mais afastado. Aí aprendeu a rezar em  sítios insólitos conseguindo meditar, contemplar e  deixar-se possuir pelo sagrado, mesmo quando se dedicava a tarefas comezinhas de limpar as latrinas do Campo. E assim foi percebendo  que a relação com Deus é das coisa mais íntimas que podemos experimentar, “quase mais íntimas do que as de teor sexual.” (Diário, p. 137).  Aos terríveis sofrimentos que presenciou no Campo  de Westerbork  Etty contrapôs a  plenitude, a harmonia consigo mesma e com a natureza, a paz adveniente de um  despojamento total, uma paz  que a levou  a ser capaz de manter acesa a esperança, numa situação que parecia totalmente negá-la.

Etty usou a oração como um muro de defesa que nos  torna inexpugnáveis. Esgotada a esperança de uma alteração das condições de vida, rodeada por pessoas que aos poucos iam desaparecendo, levadas para campos de trabalho, ela  tomou consciência de um Deus diferente, um Deus frágil, a  precisar de  ajuda: “Se Deus não me ajudar, nesse caso hei-de eu ajudar Deus” (Diário, p. 245) e “Vou ajudar-te Deus, a não me abandonares, apesar de eu não garantir nada com antecedência” (Diário pp. 251-2). Para ela a criação estava incompleta e os homens deveriam  colaborar com Deus para a completar. Westerbork foi o último patamar da viagem que empreendeu ao fundo de si mesma. Foi também  o lugar onde encontrou serenidade, onde se pacificou interiormente, onde quase podemos dizer que se sentiu feliz.

Aprendamos com Etty a rezar a Deus, nestes tempos  de guerra em que Ele parece estar ausente.

 

[1] Ivone Gebara, Teologia Ecofeminista. Ensaio para repensar o Conhecimento e a Religião, S. Paulo, Olhod’água, 1997.
[2] Veja-se de Etty Hillesum as traduções portuguesas do seu Diário, (Lisboa, Assírio e Alvim , 2008) e das suas Cartas, 1941-1943 (Lisboa, Assírio e Alvim, 2009).

 

Maria Luísa Ribeiro Ferreira é professora catedrática (aposentada) de Filosofia da Faculdade de Letras de Universidade de Lisboa.

 

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra

Carta nos dois anos da guerra na Ucrânia

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra novidade

No momento em que passam dois anos sobre a invasão russa e o início da guerra na Ucrânia, quatro académicos do Centro de Estudos Cristãos Ortodoxos da Universidade de Fordham, nos Estados Unidos da América, dirigiram esta semana uma contundente carta aberta aos líderes das igrejas cristãs mundiais, sobre o papel que as confissões religiosas têm tido no conflito.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Sessões gratuitas

Sol sem Fronteiras vai às escolas para ensinar literacia financeira

Estão de regresso as sessões de literacia financeira para crianças e jovens, promovidas pela Sol sem Fronteiras, ONGD ligada aos Missionários Espiritanos, em parceria com o Oney Bank. Destinadas a turmas a partir do 3º ano até ao secundário, as sessões podem ser presencias (em escolas na região da grande Lisboa e Vale do Tejo) e em modo online no resto do país.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This