Filme no Dia Internacional

Aprender a “Viver Juntos em Paz” 

| 16 Mai 2022

 

Em sintonia com os objetivos do Dia Internacional de Viver Juntos em Paz, que esta segunda-feira, 16 de maio, se celebrou, a organização Aliança das Civilizações, da ONU, lançou o filme All of Us [Todos nós], do realizador Pierre Pirard, em parceria com outras organizações internacionais.

O filme, disponível integralmente no YouTube, com legendas em seis línguas, é “uma visão comovente da importância de reduzir as tensões e alcançar a coesão social”, observa a Aliança de Civilizações (AOC, na sigla em inglês).

“Agora, mais do que nunca, num cenário de incerteza política em todo o mundo, é importante destacar narrativas positivas para combater as forças do ódio e da divisão. Por meio de narrativas convincentes e aproveitando o poder do filme, os criadores de All of Us visam promover a harmonia cultural e religiosa”, salienta ainda a AOC.

O Dia Internacional de Viver Juntos em Paz foi instituído pela Assembleia Geral das Nações Unidas, em 2017, para celebrar a diversidade, a compreensão, a solidariedade e a convivência em paz, com base no respeito mútuo.

Na Resolução que criou o Dia, a ONU entendeu ser necessário mobilizar os esforços da comunidade internacional no sentido de “promover a paz” na vida das pessoas e das comunidades e de “viver e agir em conjunto, unidos na diferença e na diversidade, em ordem a construir um mundo sustentável e pacífico”.

Através deste dia, que ganha uma acuidade e significado especiais devido à situação de guerra que se vive na Ucrânia, a ONU insta os Estados Membros a promover a reconciliação, trabalhando com as comunidades, líderes religiosos e outros atores relevantes” através de ações que “encorajem o perdão e a compaixão entre indivíduos”.

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This