“Aquele que vive – uma releitura do Evangelho”, de Juan Masiá

| 7 Out 19 | Cultura e artes - homepage, Ensaio, Últimas

Uma adepta iraniana de futebol morreu após incendiar-se diante de um tribunal por saber que poderia cumprir uma pena de seis meses de prisão por tentar entrar num estádio, informou uma agência de notícias semioficial Shafaghna, a 10 de Setembro).

Esta jovem mulher iraniana, frente ao Tribunal que a ia julgar, deu, autoimolando-se, a sua própria vida, pelas mulheres submetidas ao poder político-religioso. Mas não só pelas mulheres do seu país. Pelas mulheres de todo o planeta, vítimas da opressão, de maus tratos, de assassinatos, de escravatura sexual. Era, também, assim, há 2000 anos, no tempo de Jesus. Ele, através da sua mensagem do Reino, libertou-as da opressão e fez delas discípulas. Activas e participantes na Boa Nova do Reino de Deus.

Depois de ler esta notícia, lembrei-me, em particular, de um capítulo intitulado “Mulheres no Cenáculo” de um livro que estou a ler de Juan Masiá, SJ, “El que vive – Relecturas de Evangelio (Editorial Desclée de Brouwer, 2017). O autor é teólogo, professor, escritor e jesuíta espanhol. Algumas das suas ideias sobre moral sexual e bioética foram desautorizadas pela Comissão da Doutrina da Fé dos bispos espanhóis, em 2006.

Os diversos capítulos do livro seguem o calendário litúrgico, mas cada capítulo constitui um todo. Poderemos ler cada capítulo, separadamente, seguindo ou não a ordem indicada. É, pois, um livro para se ler devagar.

No prólogo, o autor faz uma profissão de fé: “Creio em Jesus, Aquele que vive porque o Seu espírito faz-me crer.” Segundo o autor, os Evangelhos são releituras das várias comunidades crentes em Jesus. Todas as vezes que essas pessoas contavam o seu encontro com Jesus, recriavam a narração. Assim, as narrações desta obra, que o autor chama ensaios, partem de excertos dos Evangelhos, sendo “narrações simbólicas e poéticas suscitadas pela fé”. O autor recria situações, transfigura-as, baseando-se na sua prática quotidiana de encontros com crentes e não crentes, enfim, com a Vida. Caberá ao leitor transformar o seu pensamento, ampliá-lo, de modo a ler, pensar e, depois, testemunhar a outros, os Evangelhos, com novos olhos.

No capítulo 31, “Mulheres no Cenáculo”, surge uma transcrição do Evangelho de João (15,15): “Não sois servos ou servas, mas amigos e amigas” (“No sois sirvientes o sirvientas, sino amigos y amigas”).

Depois, há um comentário do autor, datado de 13-3-2009: “Não se pode compreender Jesus nem viver a sua boa nova se não se tiver a experiência de ser amado por alguém que nos ensina a amar e nos faça amar mais e melhor, gratuitamente.”

Na pintura ‘clássica’ da Última Ceia surgem, invariavelmente, doze figuras de homens viris, exceptuando a figura angelical de João, deitado sobre o peito de Jesus, no centro, e numa das pontas da mesa, Judas Iscariotes, guardando numa mão a bolsa, sub-repticiamente. Ora esta imagem da Última Ceia já tão conhecida, aparece aqui completamente transfigurada pela presença das discípulas que também se sentam, ao lado dos homens.

Conta então o narrador que um grupo de discípulas, tendo o acordo de Maria, Mãe de Jesus, à revelia de Pedro, participa no repasto. Jesus dá o seu acordo, dizendo: “Não sois criadas, mas amigas, e quando eu me for, guardareis testemunho de Mim para curar e dar esperança às pessoas, fazendo o bem, pois a Ruah de Abba estará dentro de vós.» (Jo.15, 1-5).

A Ceia vai-se desenrolando, naturalmente. A participação das mulheres é mais forte do que a dos homens. Há comentários triviais, como por exemplo, Maria, a Mãe de Jesus, que se levanta várias vezes para vigiar o assado, na cozinha, porque não acredita muito na arte dos cozinheiros, Judith e Cleofás. E comenta Salomé, que está ao seu lado: “Maria, deixa-te estar sentada e goza a Páscoa com o teu filho.” Mas a Mãe responde que pressente algo de mau, pois o filho meteu-se com os do Santo Ofício, por causa do Reino e vê a coisa muito negra.

Jesus responde-lhe: “Mãe, tu sabes, pela experiência de quatro partos, que no momento em que a mulher vai dar à luz, sente-se triste, porque chegou a sua hora; no entanto, quando nasce a criatura, já de nada se recorda, face à alegria de a ter dado à luz.” (Jo. 12, 27-28).

Mas Ana mete-se na conversa e comenta que Jesus lhe parece angustiado, perturbado e isso não pode ser. A um dado passo, o Mestre responde: “Sim, sinto- me agitado, mas para quê, dizer: Abba, livra-me desta hora! Se foi para isto que eu vim, para esta hora! Abba, que irradie a tua glória!» (Jo.12, 27-28).

Nesse momento, Pedro impacienta-se e diz para as mulheres não monopolizarem a conversa, com perguntas e comentários que perturbam a festa.

Noutro momento, diz Jesus: “Esta não é uma simples ceia. É a Páscoa, a Passagem. É o passo de quem tem por passar por um momento amargo de separação. Vejam este pão que se desprende em pedaços, assim tem sido a minha vida. Agora, não compreendeis, mas a Ruah recordar-vos-á, quando eu já não estiver convosco.” (Jo. 16,7).

Estes exemplos revelam a originalidade destes ensaios. O narrador desperta o leitor, revelando-lhe outra visão dos diversos excertos dos Evangelhos, alterando o modo de ver, de sentir, de compreender. Torna os textos calorosos, mais próximos das próprias vivências do leitor, intemporais.

 

Maria Eugénia Abrunhosa é licenciada em Românicas e professora aposentada do ensino secundário; foi monja budista zen e integrou a Comunidade Mundial de Meditação Cristã.

Artigos relacionados

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Pelo menos 14 cristãos protestantes foram “executados” durante o serviço religioso que decorria neste domingo, numa igreja protestante no leste do Burkina Faso. O ataque ocorreu em Hantoukoura, perto da fronteira com o Níger (leste do país) e terá sido executado por um dos vários grupos jihadistas que operam na região.

Apoie o 7 Margens

Breves

Formação avançada em património religioso lançada na Católica

A Faculdade de Ciências Humanas (FCH) da Universidade Católica Portuguesa e o Departamento de Turismo do Patriarcado de Lisboa organizaram um programa de formação avançada em Turismo e Património Religiosos, com o objetivo de “promover a aquisição de competências nos domínios do conhecimento e divulgação do património artístico religioso da diocese de Lisboa”.

Cinco cristãos libertados na Índia depois de 11 anos presos por acusações falsas

Cinco cristãos indianos que tinham sido presos em 2008 com acusações falsas, na sequência da morte de Swamy Laxmananda Saraswati em Kandhamal (distrito de Orissa, a quase 700 quilómetros de Calcutá) foram agora libertados, onze anos depois das condenações e quatro anos depois de, em 2015, testemunhos apresentados por dois polícias terem levado à consideração da falsidade das acusações.

Igreja Católica em Espanha tem de “relançar compromisso” com os migrantes, pede responsável das Migrações

O diretor da Comissão de Migrações da Conferência Episcopal Espanhola, José Luis Pinilla, pediu o “relançamento do compromisso” da Igreja Católica em Espanha com os migrantes, fazendo frente à “xenofobia”. Numa conferência sobre Juan Antonio Menéndez, o antigo bispo e presidente desta comissão que morreu em maio de 2019, Pinilla afirmou que é necessária uma Igreja mais comprometida com os migrantes e lembrou os ensinamentos de Menéndez.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Tem graça: ainda vou à missa! novidade

Tem graça: ainda vou à missa! É o que fico a pensar, depois de ouvir certas conversas… Por isso, apreciei muito a sugestão do Conselho Diocesano de Pastoral, de Aveiro: «escutar as pessoas sem medo do que disserem». Mas… E se as pessoas têm medo de dizer o que lhes vai na alma? E não seria igualmente importante perguntar «Por que é que vai à missa»?

O elogio da frugalidade – por um Natal não consumista novidade

O livro do sociólogo e filósofo francês Jean Baudrillard, Le Système des Objets[1], é uma reflexão sobre a sucessão de objectos de vária ordem, que se produzem a um ritmo acelerado nas civilizações urbanas. Interessa-lhe sobretudo o tipo de relação que os consumidores estabelecem com essa avalanche de gadgets, de aparelhos e de produtos de várias espécies. Ao relê-lo para efeitos de um trabalho académico, encontrei algumas páginas que me levaram a pensar nesta fase de consumismo desenfreado que, quer queiramos ou não, nos acompanha na época do Natal.

Cultura e artes

Joker, o desafio da diferença novidade

Filmes baseados em banda desenhada não faltam, mas este Joker é diferente. Para melhor. É o único representante desta década nos vinte melhores filmes de sempre da IMDb e parece-me sério candidato aos Óscares de melhor ator, realizador e banda sonora.

Concertos de Natal nas igrejas de Lisboa

Começa já nesta sexta-feira a edição 2019 dos concertos de Natal em Lisboa, promovidos pela EGEAC. O concerto de abertura será na Igreja de São Roque, sexta, dia 6, às 21h30, com a Orquestra Orbis a executar obras de Vivaldi e Verdi, entre outros.

“Dois Papas”: um filme sobre a transição na Igreja Católica

Dois Papas é um filme do realizador brasileiro Fernando Meirelles (A CIdade de Deus) que, através de uma conversa imaginada, traduz a necessidade universal de tolerância e, mesmo sendo fantasiado, o retrato das duas figuras mais destacadas da história contemporânea da Igreja Católica. O filme, exclusivo no Netflix, retrata uma série de encontros entre o, à altura, cardeal Jorge Bergoglio (interpretado por Jonathan Pryce) e o atual Papa emérito Bento XVI (interpretado por Anthony Hopkins).

Livro sobre “o facto” Simão Pedro apresentado em Lisboa

Um livro que pretende ser “um testemunho, fruto de uma meditação” sobre a vida do apóstolo Pedro, será apresentado nesta segunda-feira, 2 de Dezembro, em Lisboa (Igreja paroquial de Nossa Senhora de Fátima, Av. Berna, 18h30). Da autoria do padre Arnaldo Pinto Cardoso, Simão Pedro – Testemunho e Memória do Discípulo de Jesus Cristo pretende analisar o “facto de Pedro” que se impôs ao autor, fruto de longos anos de estadia em Roma, a partir de diferentes manifestações.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Dez
9
Seg
Falar de vida e fé – Leonor Xavier conversa com Maria Antónia Palla @ Capela do Rato
Dez 9@18:30_19:45
Dez
10
Ter
Apresentação do livro “Os dons do Espírito Santo”, de frei João de São Tomás @ Livraria da Universidade Católica Portuguesa
Dez 10@17:30_18:30

O livro será apresnetado por Manuel Cândido Pimentel, professor da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa.

Dez
11
Qua
Apresentação do livro “John Henry Newman”, de Paolo Gulisano @ Capela do Rato
Dez 11@21:15_22:15

O cardeal Newman testemunhou, na Inglaterra do século XIX, uma prodigiosa aventura intelectual e espiritual de diálogo ecuménico (entre a Igreja Católica e a Igreja Anglicana). Reclamava uma fé lúcida, inteligente, em diálogo com a cultura e a tradição patrística (o passado). Antecipou o Vaticano II com a sua compreensão da soberania da consciência. Foi um motivar da intervenção dos leigos na sociedade do seu tempo. A sua recente canonização, em 13 de Outubro, pelo Papa Francisco, é estimulo para se aprofundar o seu pensamento e a novidade do seu testemunho.

O livro será apresentado pelo padre António Martins (Faculdade de Teologia/Capela do Rato) e Artur Mourão, filósofo, tradutor de Newman e membro do Centro de EStudos de Filosofia. O debate é moderado por Nuno André.

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco