“Aquele que vive – uma releitura do Evangelho”, de Juan Masiá

| 7 Out 19

Uma adepta iraniana de futebol morreu após incendiar-se diante de um tribunal por saber que poderia cumprir uma pena de seis meses de prisão por tentar entrar num estádio, informou uma agência de notícias semioficial Shafaghna, a 10 de Setembro).

Esta jovem mulher iraniana, frente ao Tribunal que a ia julgar, deu, autoimolando-se, a sua própria vida, pelas mulheres submetidas ao poder político-religioso. Mas não só pelas mulheres do seu país. Pelas mulheres de todo o planeta, vítimas da opressão, de maus tratos, de assassinatos, de escravatura sexual. Era, também, assim, há 2000 anos, no tempo de Jesus. Ele, através da sua mensagem do Reino, libertou-as da opressão e fez delas discípulas. Activas e participantes na Boa Nova do Reino de Deus.

Depois de ler esta notícia, lembrei-me, em particular, de um capítulo intitulado “Mulheres no Cenáculo” de um livro que estou a ler de Juan Masiá, SJ, “El que vive – Relecturas de Evangelio (Editorial Desclée de Brouwer, 2017). O autor é teólogo, professor, escritor e jesuíta espanhol. Algumas das suas ideias sobre moral sexual e bioética foram desautorizadas pela Comissão da Doutrina da Fé dos bispos espanhóis, em 2006.

Os diversos capítulos do livro seguem o calendário litúrgico, mas cada capítulo constitui um todo. Poderemos ler cada capítulo, separadamente, seguindo ou não a ordem indicada. É, pois, um livro para se ler devagar.

No prólogo, o autor faz uma profissão de fé: “Creio em Jesus, Aquele que vive porque o Seu espírito faz-me crer.” Segundo o autor, os Evangelhos são releituras das várias comunidades crentes em Jesus. Todas as vezes que essas pessoas contavam o seu encontro com Jesus, recriavam a narração. Assim, as narrações desta obra, que o autor chama ensaios, partem de excertos dos Evangelhos, sendo “narrações simbólicas e poéticas suscitadas pela fé”. O autor recria situações, transfigura-as, baseando-se na sua prática quotidiana de encontros com crentes e não crentes, enfim, com a Vida. Caberá ao leitor transformar o seu pensamento, ampliá-lo, de modo a ler, pensar e, depois, testemunhar a outros, os Evangelhos, com novos olhos.

No capítulo 31, “Mulheres no Cenáculo”, surge uma transcrição do Evangelho de João (15,15): “Não sois servos ou servas, mas amigos e amigas” (“No sois sirvientes o sirvientas, sino amigos y amigas”).

Depois, há um comentário do autor, datado de 13-3-2009: “Não se pode compreender Jesus nem viver a sua boa nova se não se tiver a experiência de ser amado por alguém que nos ensina a amar e nos faça amar mais e melhor, gratuitamente.”

Na pintura ‘clássica’ da Última Ceia surgem, invariavelmente, doze figuras de homens viris, exceptuando a figura angelical de João, deitado sobre o peito de Jesus, no centro, e numa das pontas da mesa, Judas Iscariotes, guardando numa mão a bolsa, sub-repticiamente. Ora esta imagem da Última Ceia já tão conhecida, aparece aqui completamente transfigurada pela presença das discípulas que também se sentam, ao lado dos homens.

Conta então o narrador que um grupo de discípulas, tendo o acordo de Maria, Mãe de Jesus, à revelia de Pedro, participa no repasto. Jesus dá o seu acordo, dizendo: “Não sois criadas, mas amigas, e quando eu me for, guardareis testemunho de Mim para curar e dar esperança às pessoas, fazendo o bem, pois a Ruah de Abba estará dentro de vós.» (Jo.15, 1-5).

A Ceia vai-se desenrolando, naturalmente. A participação das mulheres é mais forte do que a dos homens. Há comentários triviais, como por exemplo, Maria, a Mãe de Jesus, que se levanta várias vezes para vigiar o assado, na cozinha, porque não acredita muito na arte dos cozinheiros, Judith e Cleofás. E comenta Salomé, que está ao seu lado: “Maria, deixa-te estar sentada e goza a Páscoa com o teu filho.” Mas a Mãe responde que pressente algo de mau, pois o filho meteu-se com os do Santo Ofício, por causa do Reino e vê a coisa muito negra.

Jesus responde-lhe: “Mãe, tu sabes, pela experiência de quatro partos, que no momento em que a mulher vai dar à luz, sente-se triste, porque chegou a sua hora; no entanto, quando nasce a criatura, já de nada se recorda, face à alegria de a ter dado à luz.” (Jo. 12, 27-28).

Mas Ana mete-se na conversa e comenta que Jesus lhe parece angustiado, perturbado e isso não pode ser. A um dado passo, o Mestre responde: “Sim, sinto- me agitado, mas para quê, dizer: Abba, livra-me desta hora! Se foi para isto que eu vim, para esta hora! Abba, que irradie a tua glória!» (Jo.12, 27-28).

Nesse momento, Pedro impacienta-se e diz para as mulheres não monopolizarem a conversa, com perguntas e comentários que perturbam a festa.

Noutro momento, diz Jesus: “Esta não é uma simples ceia. É a Páscoa, a Passagem. É o passo de quem tem por passar por um momento amargo de separação. Vejam este pão que se desprende em pedaços, assim tem sido a minha vida. Agora, não compreendeis, mas a Ruah recordar-vos-á, quando eu já não estiver convosco.” (Jo. 16,7).

Estes exemplos revelam a originalidade destes ensaios. O narrador desperta o leitor, revelando-lhe outra visão dos diversos excertos dos Evangelhos, alterando o modo de ver, de sentir, de compreender. Torna os textos calorosos, mais próximos das próprias vivências do leitor, intemporais.

 

Maria Eugénia Abrunhosa é licenciada em Românicas e professora aposentada do ensino secundário; foi monja budista zen e integrou a Comunidade Mundial de Meditação Cristã.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Anselmo Borges e a eutanásia: “Quem mata?” novidade

“Se algum dia se avançasse por esta via da legalização da eutanásia, o Estado ficaria com mais uma obrigação: satisfazer o direito ao pedido da eutanásia e seria confrontado com esta pergunta terrível: quem mata?”, escreve Anselmo Borges, professor de filosofia e padre, na sua última crónica no Diário de Notícias.

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Eutanásia, hora do debate novidade

Seja qual for a posição de cada um, a reflexão e o debate sobre a eutanásia é uma exigência de cidadania e não uma discussão entre alguns, em círculo fechado, mesmo se democraticamente nos representam. Quando está em jogo o tipo de sociedade que desejo para os meus netos, não quero que outros decidam sem saberem o que penso.

“Qual é o mal de matar?”

A interrogação que coloquei como título deste texto foi usada por Peter Singer que a ela subordinou o capítulo V do seu livro Ética Prática. Para este filósofo australiano, a sacralidade da vida humana é entendida como uma forma de “especismo”, uma designação que ele aplica a todas as teorias que sustentam a superioridade da espécie humana.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro novidade

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco