“Aquele que vive – uma releitura do Evangelho”, de Juan Masiá

| 7 Out 19 | Cultura e artes - homepage, Ensaio, Últimas

Uma adepta iraniana de futebol morreu após incendiar-se diante de um tribunal por saber que poderia cumprir uma pena de seis meses de prisão por tentar entrar num estádio, informou uma agência de notícias semioficial Shafaghna, a 10 de Setembro).

Esta jovem mulher iraniana, frente ao Tribunal que a ia julgar, deu, autoimolando-se, a sua própria vida, pelas mulheres submetidas ao poder político-religioso. Mas não só pelas mulheres do seu país. Pelas mulheres de todo o planeta, vítimas da opressão, de maus tratos, de assassinatos, de escravatura sexual. Era, também, assim, há 2000 anos, no tempo de Jesus. Ele, através da sua mensagem do Reino, libertou-as da opressão e fez delas discípulas. Activas e participantes na Boa Nova do Reino de Deus.

Depois de ler esta notícia, lembrei-me, em particular, de um capítulo intitulado “Mulheres no Cenáculo” de um livro que estou a ler de Juan Masiá, SJ, “El que vive – Relecturas de Evangelio (Editorial Desclée de Brouwer, 2017). O autor é teólogo, professor, escritor e jesuíta espanhol. Algumas das suas ideias sobre moral sexual e bioética foram desautorizadas pela Comissão da Doutrina da Fé dos bispos espanhóis, em 2006.

Os diversos capítulos do livro seguem o calendário litúrgico, mas cada capítulo constitui um todo. Poderemos ler cada capítulo, separadamente, seguindo ou não a ordem indicada. É, pois, um livro para se ler devagar.

No prólogo, o autor faz uma profissão de fé: “Creio em Jesus, Aquele que vive porque o Seu espírito faz-me crer.” Segundo o autor, os Evangelhos são releituras das várias comunidades crentes em Jesus. Todas as vezes que essas pessoas contavam o seu encontro com Jesus, recriavam a narração. Assim, as narrações desta obra, que o autor chama ensaios, partem de excertos dos Evangelhos, sendo “narrações simbólicas e poéticas suscitadas pela fé”. O autor recria situações, transfigura-as, baseando-se na sua prática quotidiana de encontros com crentes e não crentes, enfim, com a Vida. Caberá ao leitor transformar o seu pensamento, ampliá-lo, de modo a ler, pensar e, depois, testemunhar a outros, os Evangelhos, com novos olhos.

No capítulo 31, “Mulheres no Cenáculo”, surge uma transcrição do Evangelho de João (15,15): “Não sois servos ou servas, mas amigos e amigas” (“No sois sirvientes o sirvientas, sino amigos y amigas”).

Depois, há um comentário do autor, datado de 13-3-2009: “Não se pode compreender Jesus nem viver a sua boa nova se não se tiver a experiência de ser amado por alguém que nos ensina a amar e nos faça amar mais e melhor, gratuitamente.”

Na pintura ‘clássica’ da Última Ceia surgem, invariavelmente, doze figuras de homens viris, exceptuando a figura angelical de João, deitado sobre o peito de Jesus, no centro, e numa das pontas da mesa, Judas Iscariotes, guardando numa mão a bolsa, sub-repticiamente. Ora esta imagem da Última Ceia já tão conhecida, aparece aqui completamente transfigurada pela presença das discípulas que também se sentam, ao lado dos homens.

Conta então o narrador que um grupo de discípulas, tendo o acordo de Maria, Mãe de Jesus, à revelia de Pedro, participa no repasto. Jesus dá o seu acordo, dizendo: “Não sois criadas, mas amigas, e quando eu me for, guardareis testemunho de Mim para curar e dar esperança às pessoas, fazendo o bem, pois a Ruah de Abba estará dentro de vós.» (Jo.15, 1-5).

A Ceia vai-se desenrolando, naturalmente. A participação das mulheres é mais forte do que a dos homens. Há comentários triviais, como por exemplo, Maria, a Mãe de Jesus, que se levanta várias vezes para vigiar o assado, na cozinha, porque não acredita muito na arte dos cozinheiros, Judith e Cleofás. E comenta Salomé, que está ao seu lado: “Maria, deixa-te estar sentada e goza a Páscoa com o teu filho.” Mas a Mãe responde que pressente algo de mau, pois o filho meteu-se com os do Santo Ofício, por causa do Reino e vê a coisa muito negra.

Jesus responde-lhe: “Mãe, tu sabes, pela experiência de quatro partos, que no momento em que a mulher vai dar à luz, sente-se triste, porque chegou a sua hora; no entanto, quando nasce a criatura, já de nada se recorda, face à alegria de a ter dado à luz.” (Jo. 12, 27-28).

Mas Ana mete-se na conversa e comenta que Jesus lhe parece angustiado, perturbado e isso não pode ser. A um dado passo, o Mestre responde: “Sim, sinto- me agitado, mas para quê, dizer: Abba, livra-me desta hora! Se foi para isto que eu vim, para esta hora! Abba, que irradie a tua glória!» (Jo.12, 27-28).

Nesse momento, Pedro impacienta-se e diz para as mulheres não monopolizarem a conversa, com perguntas e comentários que perturbam a festa.

Noutro momento, diz Jesus: “Esta não é uma simples ceia. É a Páscoa, a Passagem. É o passo de quem tem por passar por um momento amargo de separação. Vejam este pão que se desprende em pedaços, assim tem sido a minha vida. Agora, não compreendeis, mas a Ruah recordar-vos-á, quando eu já não estiver convosco.” (Jo. 16,7).

Estes exemplos revelam a originalidade destes ensaios. O narrador desperta o leitor, revelando-lhe outra visão dos diversos excertos dos Evangelhos, alterando o modo de ver, de sentir, de compreender. Torna os textos calorosos, mais próximos das próprias vivências do leitor, intemporais.

 

Maria Eugénia Abrunhosa é licenciada em Românicas e professora aposentada do ensino secundário; foi monja budista zen e integrou a Comunidade Mundial de Meditação Cristã.

Artigos relacionados

Editorial 7M – Um dia feliz

Editorial 7M – Um dia feliz

Hoje é dia de alegria para os católicos e para todos os homens e mulheres de boa vontade. Em São Pedro, um homem que encarna e simboliza boa parte do programa de Francisco para a Igreja Católica recebe as insígnias cardinalícias. É português, mas essa é apenas uma condição que explica a nossa amizade e não é a fonte principal da alegria que marca o dia de hoje. José Tolentino Mendonça é feito cardeal por ser poeta, homem de acolhimento e diálogo. E, claro, por ser crente.

Apoie o 7 Margens

Breves

Nobel da Economia distingue estudos sobre alívio da pobreza novidade

O chamado “Nobel” da Economia, ou Prémio Banco da Suécia de Ciências Económicas em Memória de Alfred Nobel, foi atribuído esta segunda-feira, 14 de outubro, pela Real Academia Sueca das Ciências aos economistas Abijit Banerjee, Esther Duflo e Michael Kremer, graças aos seus métodos experimentais de forma a aliviar a pobreza.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

O politicamente incorrecto

Num debate em contexto universitário, precisamente em torno da questão do politicamente correcto, Ricardo Araújo Pereira afirmou que, embora fosse contra o “politicamente correcto”, não era a favor do “politicamente incorrecto”.

Cultura e artes

A beleza num livro de aforismos de Tolentino Mendonça

Um novo livro do novo cardeal português foi ontem posto à venda. Uma Beleza Que nos Pertence é uma colecção de aforismos e citações, retirados dos seus outros livros de ensaio e crónicas, “acerca do sentido da vida, a beleza das coisas, a presença de Deus, as dúvidas e as incertezas espirituais dos nossos dias”, segundo a nota de imprensa da editora Quetzal.

Arte e arquitectura religiosa com semana cheia em Lisboa

Visitas à arte e arquitecura de igrejas e conventos e um curso livre sobre Arte Moderna e Arte da Igreja são várias iniciativas previstas para os próximos oito dias em Lisboa. O curso decorrerá na Capela do Rato (Lisboa), entre segunda e sexta da próxima semana (dias 23 a 27) e na Igreja de Moscavide (sábado, 28) e pretende evoca o livro publicado há 60 anos pelo padre Manuel Mendes Atanásio, mas também os 50 anos do fim do MRAR.

Sete Partidas

Hoje não há missa

Na celebração dos 70 anos da República Popular da China (RPC), que se assinalam no próximo dia 1 de outubro, são muitas as manifestações militares, políticas, culturais e até religiosas que se têm desenvolvido desde meados de setembro. Uma das mais recentes foi o hastear da bandeira chinesa em igrejas católicas, acompanhado por orações pela pátria.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Out
17
Qui
Apresentação do livro “Dominicanos. Arte e Arquitetura Portuguesa: Diálogos com a Modernidade” @ Convento de São Domingos
Out 17@18:00_19:30

A obra será apresentada por fr. Bento Domingues, OP e prof. João Norton, SJ.

Coorganização do Instituto São Tomás de Aquino e do Centro de Estudos de História Religiosa. A obra, coordenada pelos arquitetos João Alves da Cunha e João Luís Marques, corresponde ao catálogo da Exposição com o mesmo nome, realizada em 2018, por ocasião dos 800 anos da abertura do primeiro convento da Ordem dos Pregadores (Dominicanos em Portugal.

Nov
8
Sex
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 8@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Nov
9
Sáb
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 9@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco