Na fronteira com Iémen

Arábia Saudita mata centenas de migrantes etíopes

| 21 Ago 2023

Imagem disponibilizada pela Human Rights Watch de um vídeo publicado no TikTok em 4 de dezembro de 2022, que mostra um grupo de 47 migrantes, 37 dos quais parecem ser mulheres, caminhando por uma encosta íngreme dentro da Arábia Saudita, próximo de Al Thabit. © 2022 Private/HRW.

Imagem disponibilizada pela Human Rights Watch de um vídeo publicado no TikTok em 4 de dezembro de 2022, que mostra um grupo de 47 migrantes, 37 dos quais parecem ser mulheres, caminhando por uma encosta íngreme dentro da Arábia Saudita, próximo de Al Thabit. © 2022 Private/HRW.

 

A organização internacional de defesa de direitos humanos Human Rights Watch (HRW) acusou o regime saudita de  matar “pelo menos” centenas de migrantes, que fogem à guerra do Iémen. 

De acordo com um relatório divulgado esta segunda-feira, dia 21, a HRW apontou o dedo aos guardas fronteiriços sauditas, que dispararam contra centenas de migrantes etíopes e requerentes de asilo que tentaram cruzar a fronteira entre o Iémen e a Arábia Saudita, entre março de 2022 e junho de 2023. 

No entendimento da organização, segundo o comunicado difundido, estes assassinatos — que parecem continuar — “podem constituir crimes contra a humanidade, se tiverem sido cometidos como parte de uma política do governo saudita para assassinar migrantes”.

No relatório de 73 páginas, com o título “‘Eles atiraram em nós como chuva’: assassinatos em massa de migrantes etíopes na fronteira iemenita-saudita”, é descrito que os guardas de fronteira sauditas usaram armas explosivas “para matar muitos migrantes e dispararam de perto noutros migrantes, incluindo muitas mulheres e crianças, num padrão generalizado e sistemático de ataques”. 

Segundo a HRW, que divulgou um vídeo com imagens de violência explícita (incluindo mortes), nalguns casos, “os guardas fronteiriços sauditas perguntaram aos migrantes em que membro podiam disparar e, em seguida, atiraram à queima-roupa”. Estes guardas também dispararam armas explosivas contra migrantes que tentavam fugir de regresso ao Iémen

“Autoridades sauditas estão a matar centenas de migrantes e requerentes de asilo nesta remota área de fronteira, fora da vista do resto do mundo”, denunciou Nadia Hardman, refugiada e investigadora de direitos migrantes da Human Rights Watch. 

O facto de o regime saudita “gastar milhões a investir no [circuito de] golfe profissional, a comprar clubes de futebol e [organizar] grandes eventos de entretenimento para melhorar a imagem saudita não deve desviar a atenção desses crimes horrendos”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Cruz Vermelha quer levar ajuda urgente às vítimas das cheias no Brasil

Apelo internacional

Cruz Vermelha quer levar ajuda urgente às vítimas das cheias no Brasil novidade

Com o objetivo de “aumentar a assistência humanitária às comunidades afetadas pelas devastadoras inundações no Rio Grande do Sul, no Brasil”, a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV) lançou um “apelo de emergência de cerca de oito milhões de euros”, anunciou a Cruz Vermelha Portuguesa (CVP), na última quarta-feira, 22 de maio.

A Dignidade da pessoa humana como prioridade

A Dignidade da pessoa humana como prioridade novidade

Na semana depois de Pentecostes é oportuno recordar a publicação da declaração Dignitas Infinita sobre a Dignidade Humana, elaborada durante cinco anos e divulgada pelo Dicastério para a Doutrina da Fé, pondo a tónica na dimensão universal, filosófica e antropológica, do respeito pela pessoa humana enquanto fator de salvaguarda dos direitos humanos, do primado da justiça e do reconhecimento de que todos os seres humanos como livres e iguais em dignidade e direitos.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This