Arcebispo de Braga diz que se podia ter feito mais por Cabo Delgado

| 5 Abr 21

Jorge Ortiga: A comunidade internacional terá acordado com os últimos acontecimentos de Palma. Foto © DACS-Braga

 

O arcebispo de Braga, D. Jorge Ortiga, considera que a comunidade internacional podia ter feito mais para apoiar os moçambicanos de Cabo Delgado (Norte do país), em relação à situação de violência que assola a região.

Em entrevista ao Jornal de Notícias (onde pode ser lida) e à TSF (versão áudio), publicada e emitida neste Domingo de Páscoa, o arcebispo de Braga diz acreditar que, com os últimos acontecimentos, “a comunidade internacional tenha acordado”. Na entrevista, Jorge Ortiga fala também de outros temas, como a eutanásia e a sua resignação do cargo.

 

A palavra que falta explicitar no “cuidar da criação”

A palavra que falta explicitar no “cuidar da criação” novidade

No dia 1 de setembro começou o Tempo da Criação para diversas Igrejas Cristãs. Nesse dia, o Papa Francisco, o Patriarca Bartolomeu e o Arcebispo de Canterbury Justin assinaram uma “Mensagem Conjunta para a Protecção da Criação” (não existe – ainda – tradução em português). Talvez tenha passado despercebida, mas vale a pena ler.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

‘Caminho Minhoto Ribeiro’ reconhecido pelos arcebispos de Braga e Santiago

Em ano Xacobeo

‘Caminho Minhoto Ribeiro’ reconhecido pelos arcebispos de Braga e Santiago novidade

A cidade de Braga foi palco, nesta sexta-feira, 17, da declaração oficial de reconhecimento do Caminho Minhoto Ribeiro por parte dos arcebispos de Braga e de Santiago de Compostela, depois de esse processo ter decorrido já por parte das autarquias do lado português e galego. Na conferência que decorreu em Braga, cidade que é ponto de partida dos dois itinerários que compõem este Caminho, foi igualmente feita a apresentação da investigação documental que fundamenta este novo percurso, a cargo do professor e historiador galego Cástor Pérez Casal.

Só a capacidade de nos maravilharmos sustenta a resistência à crueldade e ao horror

Edgar Morin em entrevista

Só a capacidade de nos maravilharmos sustenta a resistência à crueldade e ao horror novidade

“Se formos capazes de nos maravilhar, extraímos forças para nos revoltarmos contra essas crueldades, esses horrores. Não podemos perder a capacidade de maravilhamento e encantamento” se queremos lutar contra a crise, contra as crises, afirmou Edgar Morin à Rádio Vaticano em entrevista conduzida pela jornalista Hélène Destombes e citada ontem, dia 18 de setembro, pela agência de notícias ZENIT

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This