Dehonianos criam linha de escuta

Arcebispo de Braga foi a Joane pedir perdão e aprofundar “processo de purificação”

| 2 Out 2022

D. José Cordeiro, acrcebispo de Braga. Foto © Ricardo Perna

D. José Cordeiro, arcebispo de Braga. Foto © Direitos Reservados

 

Havia menos gente na missa das 11h da manhã deste domingo, em Joane (Famalicão), conta ao 7MARGENS uma pessoa que esteve na celebração. A razão foi uma prova de atletismo que não se realizava há mais de dois anos por causa da pandemia. Houve mais gente na missa das 8h da manhã mas, mesmo assim, a igreja do Divino Salvador de Joane encheu com cerca de 200 pessoas que ouviram o arcebispo de Braga, José Cordeiro, dizer que a denúncia de abusos em Joane (Famalicão) e a consequente exposição mediática da comunidade é uma experiência que “pode contribuir para o aprofundamento de um processo de purificação” que a Arquidiocese de Braga está ainda a iniciar.

“Este caso pode vir a destapar ainda mais coisas”, diz um padre de Braga, comentando o gesto do arcebispo e a divulgação do comunicado da Arquidiocese, no sábado ao final do dia. Nesse documento, manifestava-se “dor e sofrimento” pelas denúncias aparecidas numa reportagem da RTP, sexta-feira à noite, que relatava situações de homens e mulheres vítimas de abusos por parte do cónego Manuel Fernando Sousa e Silva em Joane, e prometia a criação imediata de “um serviço de escuta” para ouvir vítimas. (ver 7MARGENS)

“Esta direcção que a diocese de Braga tomou vai permitir que outras a adoptem também”, comenta o mesmo padre, que considera que a prioridade escolhida pelo arcebispo, neste momento, é a escuta das vítimas. “Trata-se de as colocar no centro do processo, trazendo ao de cima o sofrimento que está a magoar a vida de muitas pessoas”, comenta.

Ao mesmo tempo, este caso pode ajudar a destapar vozes que estavam bloqueadas: “Houve processos de esquecimento involuntário por parte de muitas vítimas e quando aparecem  casos como este, há coisas que vêm à memória. São os acontecimentos-gatilho, como diz o padre Hans Zollner”, responsável do Vaticano para o combate aos abusos sexuais.

Mas nem todos estarão de acordo com esta estratégia. Na página oficial da Arquidiocese na rede Facebook, a publicação do comunicado de sábado motivou já, até este domingo à noite, mais de 160 comentários, vários dos quais de padres do clero de Braga. Um deles, o padre Manuel Joaquim Carvalho Fernandes, que foi já arcipreste de Famalicão (ou seja, coordenador do clero do concelho) não escondeu a crítica ao arcebispo e ao comunicado: “Conheço o Senhor Cónego Fernando Sousa e Silva desde o 6º ano do Seminário. Sempre teve um comportamento correctíssimo comigo e com os meus colegas. Nunca ninguém se queixou de qualquer atitude menos correcta. Sei do cuidado que ele sempre teve no atendimento no Confessionário”, escreve, referindo-se ao facto de a maior parte das queixas serem respeitantes aos momentos da confissão.

O padre Manuel Joaquim acrescenta a seguir, dirigindo a sua crítica contra os factos divulgados e também ao anúncio da diocese de que o padre Sousa e Silva tinha sido sujeito a várias sanções: “Como é possível inventar esta cabala? Como é possível que a nossa arquidiocese receba como provado e divulgue isto sem haver certeza comprovada? Como é possível que a nossa arquidiocese trate assim um sacerdote? Estamos à mercê de qualquer artista disposto a desfazer uma pessoa! Quem nos poderá defender?”

 

“Muito emocionante”
Interior da igreja de Joane. Foto © Arquidiocese de Braga

Interior da igreja de Joane. Foto © Arquidiocese de Braga

 

Na mensagem que dirigiu aos católicos reunidos na missa em Joane, o arcebispo José Cordeiro reiterou o tom do que já tinha sido expresso no comunicado da véspera: “Foi com profunda tristeza e imensa dor que recebi a notícia de que alguns membros da comunidade estão a sofrer e que o seu sofrimento chegou aos meios de comunicação social, através da denúncia de abusos cometidos durante a celebração do Sacramento da Reconciliação”, afirmou, de acordo com o texto disponibilizado na página oficial da Arquidiocese na internet.

O que se passou na missa, diz a testemunha antes citada, “foi muito emocionante”. Houve várias pessoas com lágrimas nos olhos por causa da presença do arcebispo. A ponto de a pessoa que foi ler a “oração universal” não conseguiu fazê-lo até ao fim, tendo de ser substituída pelo pároco.

“Às vítimas e a toda a comunidade paroquial, que se sente provada na fé e escandalizada, desejo manifestar o meu carinho e a minha proximidade e pedir humildemente perdão”, acrescentou o arcebispo, que repetiu depois os passos dados pela Arquidiocese e que são referidos no comunicado. E admitiu: “É preciso reconhecer que, neste caso, a Igreja falhou no seu dever de proteger os mais frágeis e vulneráveis. Desejo criar as condições para que todas as vítimas possam ser acolhidas, escutadas e acompanhadas.”

Nesse sentido, a Arquidiocese tem disponíveis um endereço electrónico (comissao.menores@arquidiocese-braga.pt) e o telefone 913 596 668.

O comunicado de sábado e a presença do arcebispo no domingo podem ser um “momento de viragem na abordagem deste assunto”, considera o padre ouvido pelo 7MARGENS. Ele traduz a vontade de abrir a hierarquia católica “à escuta das pessoas” e permite trazer ao processo de combate aos abusos uma “tremenda credibilidade”, de quem “não se refugia atrás de palavras vazias”.

Obviamente, admite, isto traz o reverso da medalha: “Os danos que provoca são os da exposição da vida de uma pessoa na praça pública, com a consciência da comunidade de que havia comportamentos intoleráveis.” Além disso, está em causa também o facto de, durante duas décadas, ter havido queixas alegadamente apresentadas ao então arcebispo Jorge Ortiga e que podem ter sido ignoradas ou, pelo menos, não tidas em conta na sua plenitude. Mas essa questão da eventual ocultação de crimes de abuso pode ser para um segundo momento, avalia o mesmo padre.

Vários bispos que estiveram ou estão no activo podem vir a confrontar-se com decisões que tomaram no passado e que hoje aparecem como incompreensíveis, diz. “Não se pode pôr de lado a dimensão jurídica, mas a dimensão pastoral surge, neste momento, como prioritária”. E a reportagem da RTP, ao mostrar várias pessoas com histórias semelhantes, deu um “peso de credibilidade aos relatos”, verifica o clérigo bracarense.

 

Dehonianos à escuta de eventuais vítimas

 

No final de uma semana cheia de notícias sobre os abusos sexuais, a Província Portuguesa dos Sacerdotes do Coração de Jesus (Dehonianos) anunciou a criação de um endereço de correio electrónico “para favorecer a denúncia de eventuais casos de abuso de menores e pessoas vulneráveis nas instituições da congregação em Portugal”: escutarecuidar@dehonianos.org

Num comunicado disponibilizado na página dos dehonianos na internet, a congregação refere a notícia de sábado, dia 1, no Público, dando conta da investigação pelo Ministério Público de denúncias de que José Ornelas Carvalho, actual bispo de Leiria-Fátima e antigo superior geral da congregação, teria encoberto eventuais casos de abuso de menores em instituições ligadas aos dehonianos, em Moçambique, no ano de 2011, além de “crimes ocorridos em Portugal” – que nunca são explicados na notícia.

Bispo Ornelas critica Procuradoria por saber pelos jornalistas que está a ser investigado por alegado encobrimento de abusos

 

A congregação, “tal como D. José Ornelas e toda a Igreja Católica no nosso país, reiteram o seu compromisso de proteger os menores e outras pessoas vulneráveis, dispondo-se a colaborar com a justiça, em âmbito civil e canónico, sempre a favor da verdade e da justiça”, diz o comunicado.

Manifestando a sua solidariedade com o bispo, a quem agradecem os 50 anos de consagração religiosa, o comunicado acrescenta que a congregação se revê nas declarações do bispo, bem como nas declarações do comunicado da Conferência Episcopal.

Em declarações sobre o caso à CMTV, neste domingo, o bispo José Ornelas reiterou que está de consciência tranquila e que os casos de Moçambique foram “convenientemente tratados”, nomeadamente pelas autoridades locais e autoridades locais da congregação, com quem esteve em “articulação”.

O antigo superior dos dehonianos acrescentou ainda que reconhece a existência de casos de pedofilia na Igreja, mas não que esta seja acusada de “pedófila”. E acrescentou que o tema fez parte também da conversa com o Papa, no sábado.

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This