No primeiro dia da visita a Portugal

Arcebispo de Cantuária apela a “um novo humanismo… porque esquecemos o que é ser humano”

| 17 Fev 2024

Arcebispo de Cantuária, Justin Welby, durante visita a Portugal, 17 fevereiro 2024. Foto Igreja Lusitana

O arcebispo de Cantuária, Justin Welby, durante a celebração que marcou a abertura do 100º sínodo diocesano da Igreja Lusitana, na Catedral de São Paulo, em Lisboa. Foto © Igreja Lusitana

 

“Estamos a viver um tempo no mundo em que precisamos de um novo humanismo. Precisamos de um novo humanismo… porque esquecemos o que é ser humano.” Foi com estas palavras, proferidas em tom grave e solene, que o arcebispo de Cantuária iniciou a homilia da missa celebrada este sábado, 17 de fevereiro, na Catedral de São Paulo, em Lisboa. De visita a Portugal pela primeira vez desde que assumiu a liderança da Comunhão Anglicana em 2013, Justin Welby deixou um apelo a todos – e em particular aos cristãos – para que nestes tempos “duros” sejam “diferentes” e “um exemplo”.

Perante uma igreja cheia – onde marcaram presença o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, o núncio apostólico em Portugal, Ivo Scapolo, e Vera Jardim, presidente da Comissão da Liberdade Religiosa -, Welby alertou: “quando olhamos para o mundo hoje, encontramos uma nova maldade, uma nova praga, uma nova crueldade”.

E lembrando que todas as pessoas são de alguma forma líderes, pediu: “busquem servir em vez de ser servidos” e “sejam hospitaleiros”, porque o caminho passa por saber “acolher o estrangeiro, o pecador, o perdido”.

Citando os três últimos Papas – João Paulo II, Bento XVI e Francisco -, o arcebispo de Cantuária sublinhou ainda que a Doutrina Social da Igreja Católica é “um dom ímpar” para a Igreja global e desafiou os presentes a conhecê-la melhor, pois na sua base está “o verdadeiro humanismo” tão necessário no mundo de hoje.

A celebração marcou a abertura do 100º sínodo diocesano da Igreja Lusitana – o ramo português da Comunhão Anglicana – cuja primeira sessão se realizou logo após a eucaristia e foi também acompanhada por Justin Welby.

Antes da missa, o arcebispo de Cantuária havia estado reunido com os representantes de diferentes Igrejas e comunidades religiosas presentes em Portugal, mostrando que o diálogo inter-religioso é “uma prioridade” para a Comunhão Anglicana – e para a Igreja Lusitana em particular. [ver 7MARGENS]

Este domingo, o líder espiritual da Comunhão Anglicana – que se faz acompanhar da sua mulher, Caroline Welby – conclui a sua passagem por Portugal, visitando a Paróquia Lusitana da Sagrada Família, em Belas, onde celebrará nova eucaristia, e conhecerá o trabalho desenvolvido pelo seu centro social.

 

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS”

Entrevista à presidente da Associação Portuguesa

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS” novidade

“Se não prepararmos melhor o nosso Serviço Nacional de Saúde do ponto de vista de cuidados paliativos, não há maneira de ter futuro no SNS”, pois estaremos a gastar “muitos recursos” sem “tratar bem os doentes”. Quem é o diz é Catarina Pazes, presidente da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) que alerta ainda para a necessidade de formação de todos os profissionais de saúde nesta área e para a importância de haver mais cuidados de saúde pediátricos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bahá’ís plantam árvores em Lisboa, para que a liberdade religiosa floresça em todo o mundo

Em memória das "dez mulheres de Shiraz"

Bahá’ís plantam árvores em Lisboa, para que a liberdade religiosa floresça em todo o mundo

Quem passar pela pequena zona ajardinada junto ao Centro Nacional Bahá’í, na freguesia lisboeta dos Olivais, vai encontrar dez árvores novas. São jacarandás e ciprestes, mas cada um deles tem nome de mulher e uma missão concreta: mostrar – tal como fizeram as mulheres que lhes deram nome – que a liberdade religiosa é um direito fundamental. Trata-se de uma iniciativa da Junta de Freguesia local, em parceria com a Comunidade Bahá’í, para homenagear as “dez mulheres de Shiraz”, executadas há 40 anos “por se recusarem a renunciar a uma fé que promove os princípios da igualdade de género, unidade, justiça e veracidade”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This