Em defesa da dignidade de todos

Arcebispo de Cantuária condena apoio dos anglicanos do Uganda à ‘lei antigay’

| 9 Jun 2023

Justin Welby, arcebispo de Cantuária. Foto © Canterbury Cathedral.

Numa carta ao arcebispo do Uganda, Welby lembra que “os anglicanos de todo o mundo há muito estão unidos em torno da oposição à criminalização da homossexualidade e das pessoas LGBTQ”. Foto © Canterbury Cathedral.

 

O apoio da Igreja Anglicana do Uganda à ‘lei antigay’ ratificada pelo Presidente daquele país no final de maio foi vivamente criticado pelo arcebispo de Cantuária, Justin Welby, em carta aberta ao arcebispo do Uganda, Stephen Kaziimba, na qual o convida “a reconsiderar o seu apoio a esta legislação e a rejeitar a criminalização das pessoas LGBTQ”.

Nessa carta, publicada pelo Church Times de 9 de junho, Welby lembra a Kaziimba que “os anglicanos de todo o mundo há muito estão unidos em torno da oposição à criminalização da homossexualidade e das pessoas LGBTQ”. E, defendendo-se das acusações que tem sido alvo por parte das igrejas anglicanas mais conservadoras de ter rompido com os ensinamentos tradicionais da Comunhão Anglicana, Welby continua: “Apoiar essa legislação é um afastamento fundamental do nosso compromisso de defender a liberdade e a dignidade de todas as pessoas. Não há justificação para qualquer província da Comunhão Anglicana apoiar tais leis: nem nas nossas resoluções, nem nos nossos ensinamentos e tão pouco no Evangelho que partilhamos”.

Para o arcebispo de Cantuária, quem se afasta do ensinamento anglicano tradicional é o Primaz do Uganda, deixando subentendido que não o faz apenas neste caso, mas também em toda a polémica cismática [ver 7MARGENS] que nos últimos meses fraturou a Comunhão Anglicana a propósito da bênção de casais homossexuais. Sem rodeios, Welby refere os termos da resolução 1.10 aprovada pela Conferência de Lambeth de 1998, que tem sido utilizada pelos líderes mais conservadores da Global Anglican Future Conference (GAFCON) e do Global South Fellowship of Anglican Churches (GSFAC), dois grupos anglicanos dos quais a Igreja de Uganda é membro, para atacar a recente decisão maioritária de abençoar casais homossexuais.

A famosa resolução 1.10 rejeita “a prática homossexual como incompatível com as escrituras” e  sublinha que a Igreja Anglicana “não pode aconselhar a legitimação ou bênção de uniões do mesmo sexo nem ordenar os envolvidos em uniões do mesmo sexo”, mas afirma também que “todas as pessoas batizadas, crentes e fiéis, independentemente da orientação sexual, são membros plenos do Corpo de Cristo” e “convoca todo o povo [anglicano] a acolher todos pastoralmente e com sensibilidade,  independentemente da sua orientação sexual e a condenarem o medo irracional dos homossexuais”.

Logo após a entrada em vigor da lei que criminaliza a “promoção” da homossexualidade e introduz longas penas de prisão para crimes, bem como a pena de morte para “ofensas agravadas”, o arcebispo do Uganda anunciou que a sua Igreja estava “agradecida” pela aprovação da mesma, dado que a homossexualidade era imposta ao povo do Uganda “por atores externos, estrangeiros, contra a nossa vontade, contra a nossa cultura e contra as nossas crenças religiosas”.

Exprimindo a sua “dor e consternação”, Welby afirma estar “profundamente ciente da história do domínio colonial no Uganda, a que o seu povo tão heroicamente resistiu. Mas não se trata de impor valores ocidentais aos nossos irmãos e irmãs anglicanos do Uganda. Trata-se de lembrá-los dos compromissos que assumimos como anglicanos de tratar todas as pessoas com o cuidado e o respeito que merecem como filhos de Deus que são”.

Na argumentação que usa para criticar a posição do primaz do Uganda e para apelar a que altere a sua posição perante a legislação aprovada, o arcebispo de Cantuária não se limita a relembrar os documentos aprovados por toda a Comunhão Anglicana no seu principal ‘sínodo’, mas, como expressamente escreve, ataca de forma direta a presunção de que a homossexualidade e as questões de género sejam uma “ideologia ocidental” introduzida em África (e noutros continentes) pelos colonizadores. Welby termina a sua carta aberta com um desafio ao GAFCON e ao GSFAC para que tomem posição, deixando “explícita e publicamente claro que a criminalização de pessoas LGBTQ é algo que nenhuma província anglicana pode apoiar”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Irritações e sol na cara

Irritações e sol na cara novidade

“Todos os dias têm muito para correr mal, sim. Mas pode-se passar pela vida irritado? Apitos e palavras desagradáveis, respirações impacientes, sempre com o “não posso mais” na boca.” – A crónica de Inês Patrício, a partir de Berlim

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This