Arcebispo de Cantuária: Cristo veio ao mundo para trazer a cura

| 18 Dez 20

Justin Welby, arcebispo de Cantuária, primaz da Comunhão Anglicana. Foto: Direitos reservados

 

Justin Welby, arcebispo de Cantuária e líder espiritual da Comunhão Anglicana, divulgou a sua mensagem ecuménica do Natal de 2020, centrando-se na pandemia global que atravessamos e no “sofrimento” que, “de uma forma generalizada”, provocou “muitos milhares de mortes e uma crise económica em todo o mundo.”

No texto, o primus inter pares (primeiro entre iguais) dos anglicanos considera que antes da pandemia o mundo já era frágil, “na saúde pública, nos conflitos contínuos e mudanças climáticas que afetam a vida deste mundo, tendo sido profundamente afetados os mais pobres e os mais vulneráveis”.

Comemorar este Natal com todos os costumes e tradições não é possível, diz Justin Welby, que recorda que no entanto, quando se olha “à volta do mundo e através da sua história, é (…) muito claro que a celebração da Incarnação é sempre fundamentada no reconhecimento de que o nosso mundo é frágil e sofredor”. E acrescenta: “Nosso Senhor nasceu neste nosso mundo decaído e é no seu nascimento, morte e ressurreição que encontramos a esperança. Para povos que enfrentam doenças, guerras, deslocamentos e pobreza todos os dias, mesmo nesses sofrimentos é sempre possível encontrar alegria no nascimento de Cristo que é assinalado e celebrado como uma forma constante de recordar a nossa Salvação.”

A mensagem recorda a todos os cristãos que “Cristo veio a um mundo sofredor para trazer cura, reconciliação e esperança”, que se está a tornar real, apesar do sofrimento. É necessário chegar aos mais necessitados com amor, e as Igrejas e cristãos têm estado presentes, com “amor não numa posição de poder, mas de vulnerabilidade”. Um amor – refere – “que suja as mãos. Amor aberto e generoso. Amor que, sem grande cerimónia, faz a diferença. Jesus Cristo, a luz do mundo, brilha mesmo nos tempos mais sombrios: por isso somos gratos e nos alegramos”.

O arcebispo de Cantuária cita Justino Mártir: “Ele [Jesus] tornou-se um ser humano por nossa causa, tornando-se participante dos nossos sofrimentos. Assim da mesma forma Ele também nos pode curar (Segunda Apologia, Capítulo XIII)”.

A Comunhão Anglicana – representada em Portugal pela Igreja Lusitana e Capelania da Igreja Inglesa –, tem 90 milhões de membros, presentes em 165 países, estando organizada em 43 províncias. Cada igreja nacional é autónoma e dirige-se por si, respondendo às particularidades e necessidades de cada povo, e encontra a sua unidade, nessa pluralidade. Existem  quatro instâncias de “governo”: o Arcebispo de Canterbury, a Conferência de Lambeth, a Reunião dos Primazes e o Conselho Consultivo Anglicano.

 

O segundo apagamento de Aristides

Comentário

O segundo apagamento de Aristides novidade

“Mesmo que me destituam, só posso agir como cristão, como me dita a minha consciência; se estou a desobedecer a ordens, prefiro estar com Deus contra os homens do que com os homens contra Deus.” Esta afirmação de Aristides de Sousa Mendes, cônsul de Portugal em Bordéus em 1940, confirmada por muitas outras de cariz semelhante, mostra bem qual foi o fundamento para a sua decisão de, contra as ordens expressas de Salazar, conceder indiscriminadamente vistos de passagem a milhares de pessoas em fuga do terror nazi.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Vaticano

Mundo não pode ignorar sofrimento de haitianos novidade

O mundo não pode mais ignorar o sofrimento do povo do Haiti, uma ilha que há séculos é explorada e pilhada por nações mais ricas, apontou o arcebispo Vincenzo Paglia, presidente da Pontifícia Academia para a Vida. “O grito de ajuda de uma nação não pode passar despercebido, especialmente pela Europa.”

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This