Arcebispo maronita da Síria, a guerra e os refugiados: “Violências indizíveis, medo, destruição do futuro”

| 3 Mar 20

Refugiados a serem salvos pelo navio “Juventa”, em Julho de 2019. Foto © Rita Gaspar

 

“Dias, meses, anos agitados por violências indizíveis, pelo medo, pela destruição do futuro: tudo isso gerou um sentido de prostração que acaba com a esperança e aflige os ânimos.” É desta forma que o arcebispo dos maronitas de Damasco, Samir Nassar, descreve o êxodo dos sírios e a situação de guerra no seu país, que dura há nove anos e o leva a dizer que os cristãos sírios vivem em Quaresma permanente.

Este tempo litúrgico que prepara a Páscoa, marcado pela oração, jejum e caridade tornou-se o “tempo comum” na Síria, diz o arcebispo, num texto publicado pelo jornal da Santa Sé e resumido no Vatican News. Há anos, explica, que os sírios vivem marcados pela pobreza, são forçados a jejuns permanentes por causa da falta de comida e sustentados pela caridade de pessoas, comunidades e organizações que não abandonam o “impulso solidário”.

Por causa da guerra, a Síria acabou por se tornar um país de refugiados, escreve. E as sanções internacionais, primeiro, e a recente crise dos bancos libaneses provocaram uma situação que “atinge sobretudo as pessoas mais frágeis”, acrescenta.

“A guerra concluiu-se nas grandes cidades, mas permanecem pequenas bolsas de conflito, inúmeras barreiras de controle militares nas estradas. O barulho dos aviões e algumas explosões que ecoam de longe continuam coexistindo em Damasco com os milhares de cartuchos e resíduos bélicos presentes no que resta dos prédios bombardeados.”

O arcebispo descreve também o que sucedeu com a economia familiar: “O salário das famílias diminuiu, em média, pelo menos 50% em três meses”, os preços aumentaram e quem já vivia em condições de precariedade acabou a experimentar “a miséria”.

A falta de combustíveis, gás e electricidade “deixou as casas na escuridão e no gelo”, o que provoca efeitos acentuados entre as pessoas mais frágeis e vulneráveis como os anciãos e os doentes” – ainda há duas semanas a UNICEF denunciou que mais de meio milhão de crianças deslocadas na Síria estão a sobreviver em condições extremas.

A derrota dos grupos jihadistas e o anunciado fim da guerra não levaram qualquer “normalidade” à Síria, acrescenta.

A réstia de esperança que existe é que, para os cristãos, a ideia da ressurreição faz bem – sobretudo aos jovens, diz o arcebispo Nassar. Eles continuam a interrogar-se “sobre os caminhos a seguir para confessar o nome de Cristo e testemunhar seu amor na Síria devastada pela guerra”. Os jovens que não fugiram do país, acrescenta, definem a sua pátria como “amada e martirizada”. “São muitos os que, mesmo feridos no coração e desiludidos, continuam vivendo na Síria com a esperança de encontrar uma solução pacífica e de poder refazer a vida.”

 

Refugiados afugentados aos tiros

Nas fronteiras marítimas e terrestres da Turquia com a Grécia e a Bulgária e no Mediterrâneo, a situação de milhares de refugiados continua, entretanto, dramática. De acordo com o DN, mais de 130 mil refugiados saíram de Edirne, no noroeste da Turquia, para a fronteira com a Grécia. Muitas das pessoas que chegam aos postos fronteiriços têm autocarros colocados à disposição pelo governo turco.

Ao mesmo tempo, numa visita à Grécia e a algumas das zonas fronteiriças, acompanhada de outros líderes europeus, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciou que a União contribuirá com uma ajuda financeira imediata de 350 milhões de euros, para que a Grécia possa responder à chegada dos refugiados. Mas, ainda de acordo com o DN, esse valor pode ser duplicado, se a Grécia assim o solicitar.

A medida faz lembrar o acordo da vergonha, estabelecido com a Turquia há quatro anos, que previa que este país deveria manter os refugiados no seu território, em troca de um cheque de seis mil milhões de euros. Agora, em poucos dias, por causa do que está a acontecer na Síria, Erdogan rasgou o acordo, com a sua decisão de deixar os refugiados chegar às fronteiras europeias.

O dinheiro para a Grécia, de acordo com von der Leyen, será destinado à “criação e gestão das infraestruturas necessárias” para “assegurar que a ordem é mantida na fronteira externa grega”. E a Frontex – Agência Europeia de Fronteiras e Guarda Costeira irá contar com mais 100 guardas (além dos 530 que já tem), além de um navio patrulha marítimo, seis outros de patrulha costeira, dois helicópteros, um avião e três veículos equipados com visão térmica, resume ainda o DN.

Enquanto isso, vários jornalistas testemunharam cenas da guarda costeira grega a disparar para o mar – imagens que a BBC captou –, como forma de afugentar barcos de refugiados, ou a empurrar as embarcações pneumáticas com paus ou lanchas militares. Quer a BBC quer a AFP relataram ainda – e mostraram em vídeos – que soldados e polícias gregos levavam muitos refugiados em veículos militares ou carrinhas sem identificação. E um grupo de refugiados foi recebido, como também se pode ver no filme da BBC antes citado, com os gritos de “vão embora”.

O primeiro-ministro grego, Kyriákos Mitsotakis, que sucedeu a Alexis Tsipras na chefia do Governo, acusou a Turquia de se ter convertido em “traficante oficial de migrantes” e acrescentou: “A Europa não será chantageada pela Turquia por causa da questão dos refugiados. Estamos prontos para apoiar a Turquia a lidar com o seu problema de refugiados e encontrar uma solução para o quebra-cabeças da Síria, mas não nesta conjuntura. O meu dever é proteger a soberania do meu país.”

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

O hospital pediátrico Bambino Gesú, em Roma, gerido pelo Vaticano, separou com êxito duas irmãs siamesas de 2 anos, que nasceram unidas pelo crâneo na República Centro Africana. A complexa operação, que durou 18 horas e contou com uma equipa de 30 profissionais de saúde, teve lugar no passado dia 5 de junho, mas o hospital só revelou todos os detalhes esta quarta-feira, 8 de julho, numa conferência de imprensa.

É notícia

Entre margens

Re-cristianizar é preciso! novidade

Muita gente pensa que se eliminarmos a religião da arena pública, também acabarão as noções éticas que (ainda) sustentam a nossa sociedade. Mas para essas pessoas a moral cristã é a mãe de todas as repressões. A sociedade utópica está na música de John Lennon. É preciso deixar de cultivar moralismos “medievais”. Sejamos livres. Sejamos livres para gritar e estrebuchar.

Do confinamento às Minas

Vestígios dos trilhos usados para o contrabando abundante nesta zona da raia. Algum complemento a um salário magro. Histórias de perigos, ousadia, dignidade, persistência e superação. Na aldeia de Santana das Cambas existe um Museu do Contrabando que soubemos estar encerrado.   
Curvo-me perante uma realidade que desconhecia, apenas intuía… Ao olhar para os mineiros envelhecidos e suas famílias passei a vê-los como heróis, príncipes daquela terra, figuras exemplares de cidadania e coragem.

A favor do argumento ontológico

A realidade é um extraordinário abismo de Ilimitado em todas as direções e dimensões. É isto o Absoluto. Não tendo na sua constituição nenhuma descontinuidade, nenhum vazio absoluto (pois nele o nada absoluto [ou Nada] não pode simplesmente ter lugar), o Absoluto é plenitude de Ser. A isto se chega pela simples consideração de que o Nada, precisamente por ser Nada, não existe nem pode existir, pelo que sobra “apenas” aquilo que existe de facto, que é Tudo.

Cultura e artes

Ennio Morricone na liturgia católica em Portugal novidade

Embora músico semi-profissional – pertencia então à Equipa Diocesana de Música do Porto, presidida pelo padre doutor Ferreira dos Santos – desconhecia por completo, em 1971, quem era Ennio Morricone: sabia apenas que era o autor de uma balada cantada por Joan Baez, que ele compusera para o filme Sacco e Vanzetti (1971). Não me lembro como me chegou às mãos um vinil com essa música. Também não tinha visto o filme e não sabia nada dos seus protagonistas que hoje sei tratar-se de dois anarquistas de origem italiana condenados à cadeira eléctrica nos Estados Unidos, em 1927, por alegadamente terem assassinado dois homens…

Um exercício lento e sólido de teologia bíblica novidade

No deserto pleno de ruídos em que vivemos – de notícias e conferências, de estradas engarrafadas e redes sociais saturadas –, é possível ver surgirem vozes de pensamento, de sabedoria sobre o que nos rodeia e nos habita. As páginas deste livro constituem uma dessas vozes. Cabe-nos escutá-la.

Aquilino e Bartolomeu dos Mártires: o “pai dos pobres e mártir sem desejos”

Aquilino Ribeiro, escritor de prosa escorreita, pujante, honrou a dignidade da língua portuguesa à altura de outros antigos prosadores de grande qualidade. Irmanado com a Natureza beirã: aves, árvores, animais e homens. Espirituoso e de fina ironia, é bem o Mestre da nossa Língua. Em “Dom Frei Bertolameu” faz uma espécie de hagiografia do arcebispo de Braga, D. Frei Bartolomeu dos Mártires (1514-1590), canonizado pelo Papa Francisco a 6 de Julho de 2019.

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco