Arcebispos de Cantuária e de Westminster criticam corte na ajuda humanitária

| 7 Abr 21

Cardinal Vincent Nichols and Archbishop Justin Welby praying at Westminster Cathedral on the first day of re-opening after COVID-19 shutdown. Photo credit_ Mazur_CBCEW.org.uk _ 15 June 2020

O cardeal Vincent Nichols e o arcebispo Justin Welby rezando juntos na Catedral de Westminster, em junho de 2020, após a reabertura das igrejas. Foto © Mazur/CBCEW.org.uk

É uma tomada de posição conjunta muito pouco frequente: o arcebispo de Cantuária e primaz da Igreja Anglicana, Justin Welby, e o cardeal Vincent Nichols, arcebispo de Westminster e presidente da Conferência Episcopal [católica] de Inglaterra e Gales, publicaram na edição de 6 de abril do Evening Standard uma carta aberta em que criticam asperamente a decisão do Governo do primeiro-ministro Boris Johnson de suspender a ajuda humanitária a vários países.

A tomada de posição das duas figuras mais representativas da Igreja Anglicana e da Igreja Católica britânicas é uma resposta à confirmação de que Londres cortaria quatro mil milhões de libras (pouco mais de 4,6 mil milhões de euros) em ajuda humanitária e no apoio anual ao desenvolvimento dos países mais necessitados. Em novembro de 2020, o ministro das finanças, Rishi Sunak, fundamentou esta decisão como sendo imperiosa para reduzir o défice orçamental criado pelos gastos com a pandemia.

A promessa de manter a ajuda externa em 0,7% do produto nacional bruto “repetidamente feita, mesmo durante a pandemia, foi quebrada” por aquele anúncio e “deve ser reposta”, afirmam os dois signatários, que concluem: “somos um único mundo e a Grã-Bretanha não pode prosperar, esquivando-se das suas responsabilidades internacionais.”

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Um Grande Homem: Integrado Marginal

José Cardoso Pires por Bruno Vieira Amaral

Um Grande Homem: Integrado Marginal novidade

Integrado Marginal foi leitura de férias junto ao mar, entre nevoeiros e nortadas que me levavam a recorrer a esplanadas cobertas para ler enquanto tomava um café bem quente. Moledo do Minho no seu inquieto esplendor… e capricho! Tinha lido algumas obras de José Cardoso Pires: Lisboa. Livro de Bordo (feito para a Expo 1998); O Burro em Pé (livro para crianças); Alexandra Alpha; De Profundis: Valsa lenta; O Delfim.

Crescimento ou Decrescimento, eis a questão

[Mãos à obra]

Crescimento ou Decrescimento, eis a questão novidade

O conceito de desenvolvimento sustentável tem duas interpretações: para os intelectuais humanistas é um desenvolvimento que respeita o ambiente, de forma abstrata, sem contabilizar desenvolvimento ou impacte ambiental, mas pode levar a questionar o modelo económico e até o modo de vida actuais; para os industriais, políticos e economistas entende-se como um desenvolvimento que possa ser eterno.

A ideia de Deus

A ideia de Deus novidade

Não é certo que quem nasça numa família de forte tradição religiosa esteja em melhores condições do que qualquer outra pessoa para desenvolver a componente espiritual e uma relação com o divino. Pode acontecer exatamente o inverso. Crescer com uma ideia de Deus pode levar-nos a cristalizá-la nos ritos, hábitos ou procedimentos que, a dada altura, são desajustados ou necessariamente superficiais.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This