Igreja de Inglaterra

Arcebispos anglicanos tentam recuperar confiança pública quanto à proteção de menores

| 20 Jul 2023

Arcebispos de York e Cantuária. Foto © Lambeth Palace

Os arcebispos de York e Cantuária procuram responder de forma categórica à polémica sobre o grau de independência e a seriedade do Conselho Independente de Proteção de Menores (e de pessoas vulneráveis). Foto © Lambeth Palace.

 

Em comunicado conjunto datado desta quinta-feira, 20 de julho, os arcebispos de Cantuária e de York tentam pôr cobro a semanas e meses de turbulência e controvérsias sobre o Conselho Independente de Proteção de Menores ao solicitarem a Alexis Jay uma proposta de uma nova configuração daquele órgão que “permita à Igreja de Inglaterra dotar-se rapidamente de uma supervisão objetiva, independente, confiável e resiliente de proteção” dos menores e outras pessoas vulneráveis.

Os arcebispos pediram à professora Jay, de acordo com o Church Times de 20 de julho, que produzisse até ao final do ano um relatório sobre o “Programa de Proteção do Futuro” na Igreja Anglicana, relatório que “muito provavelmente assumirá a forma de uma avaliação das diversas opções possíveis, mas contendo uma recomendação final sobre o modelo preferido para o novo órgão”. As propostas serão analisadas pelo Conselho dos Arcebispos, a Câmara dos Bispos e o Sínodo Geral, que finalmente tomará decisões sobre qual o modelo a seguir, afirmando desde já que será “uma estrutura totalmente independente capaz de realizar escrutínio sobre a Igreja de Inglaterra e garantindo proteção contra quaisquer crimes sexuais” que nela possam ser desenhados ou pensados.

A professora Alexis Jay é uma figura pública de reconhecido mérito que conduziu entre 2015 e 2020 a Investigação Independente sobre Abuso Sexual Infantil na Igreja de Inglaterra (anglicana) revelando no seu relatório final “até que ponto as instituições falharam em proteger as crianças do abuso sexual infantil”. O inquérito examinou milhares de documentos de prova e realizou dezenas de audições e incluiu investigações detalhadas e estudos de casos de abusos perpetrados na Igreja de Inglaterra e na Igreja do País de Gales, bem como a análise das respostas (não dadas) por essas Igrejas.

O relatório final identificou 390 criminosos condenados associados à Igreja Anglicana desde a década de 1940 até 2018, mas advertiu que não seria alguma vez “possível identificar com precisão a verdadeira escala dos crimes sexuais”. As conclusões da professora Jay apontaram para o facto de que “durante esse tempo, a Igreja prestou ‘excessiva atenção’ aos supostos autores de abusos sexuais, em contraste com a pouca atenção dispensada às vítimas”. Essa afirmação baseou-se na revelação detalhada de “vários exemplos de clérigos cuja posição e reputação foram priorizadas em detrimento da consideração adequada das graves acusações contra eles feitas pelas vítimas, incluindo crianças”.

 

Pôr termo a um ano de polémica paralisante

Ao socorrerem-se, de novo, da professora Alexis Jay, os arcebispos procuraram responder de forma categórica e consensual a uma interminável polémica sobre o grau de independência e a seriedade do Conselho Independente de Proteção de Menores (e de pessoas vulneráveis) recentemente dissolvido pelo Conselho dos Arcebispos, que demitiu todos os seus membros. Há mais de um ano que a controvérsia sobre aquele órgão tinha resultado na sua paralisia, que atingiu o auge no Sínodo Geral no último fim de semana (14 e 15 de julho), tendo originado a renúncia do presidente interino do Conselho.

Os arcebispos tornaram público que a nomeação de Jay foi feita garantindo que: “o trabalho estará inteiramente nas suas mãos, será totalmente externo e independente; e receberemos com agrado o escrutínio e os desafios que dele resultarem”. Pela sua parte, os responsáveis eclesiais asseguraram que continuarão “a refletir sobre os acontecimentos recentes” para avançarem no seu “trabalho de proteção das vítimas e dos sobreviventes, crianças e adultos vulneráveis”, por forma a tornar “a Igreja um lugar mais seguro para todos”.

Ao aceitar o encargo, Jay afirmou: “o meu trabalho será justo, imparcial, objetivo e rigoroso. Uma das minhas primeiras tarefas será ouvir as opiniões das vítimas e dos sobreviventes de abuso na Igreja e ouvir os envolvidos na proteção em todos os níveis da Igreja em toda a Inglaterra”. E continuou: “Gostaria de garantir a todos que falo a sério. A minha equipa não incluirá nenhum empregado da Igreja, nem realizaremos reuniões ou conduziremos debates em dependências da Igreja. É imperativo que a Igreja de Inglaterra faça um progresso rápido e verificável na introdução de proteção genuinamente independente.”

De acordo com a notícia do Church Times, os termos de referência do relatório são os seguintes: “propor opções e recomendações para a formação de um órgão independente de escrutínio e de proteção na Igreja; propor quaisquer recomendações sobre como pode ser alcançada uma maior independência na proteção contra os crimes sexuais; e fazer quaisquer outras recomendações necessárias ou apropriadas.”

 

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix

Investigação suspensa

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix novidade

A Sala de Imprensa da Santa Sé anunciou esta terça-feira, 21 de maio, que a investigação canónica preliminar solicitada pelo Papa Francisco para averiguar as acusações de agressão sexual contra o cardeal canadiano Gérald Cyprien Lacroix não prosseguirá, visto que “não foi identificada qualquer ação como má conduta ou abuso” da parte do mesmo. O nome do prelado, que pertence ao Conselho dos Cardeais (C9), foi um dos apontados numa grande ação coletiva a decorrer no Canadá, listando supostas agressões sexuais que terão ocorrido na diocese do Quebeque, nos anos 1980.

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda”

AAPSO denuncia

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda” novidade

Amina Bouayach, Presidente do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) de Marrocos, recebeu esta terça-feira, 21 de maio, na Assembleia da República, em Lisboa, o Prémio de Direitos Humanos do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa 2023. Mas a Associação de Amizade Portugal – Sahara Ocidental (AAPSO) considera, no mínimo, “estranha” a atribuição do galardão à marroquina.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer?

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer? novidade

A exposição, intitulada «Mês de Maio. Mês de Maria», que tem por curador o Prof. José Abílio Coelho, historiador, da Universidade do Minho, conta com as principais ‘apresentações’ de Nossa Senhora do Rosário, sobretudo em escultura e pintura, que se encontram dispersas por igrejas e capelas do arciprestado de Póvoa de Lanhoso. Divulgamos o texto, da autoria do Padre Joaquim Félix, publicado no catálogo da exposição  «A Senhora do Rosário no Arciprestado Povoense».

Igreja portuguesa precisa de “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização

Bispos após encontro com Secretaria do Sínodo

Igreja portuguesa precisa de “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização novidade

O vice-presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, Virgílio Antunes, reconheceu que a Igreja Católica em Portugal tem necessidade de uma “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização, nomeadamente no “acolhimento das pessoas”. Para o bispo de Coimbra, – que falou aos jornalistas após o encontro com a Secretaria Geral do Sínodo, que decorreu esta segunda-feira, 20 de maio, em Roma – é preciso fomentar “uma relação mais eficaz e mais eclesial entre os membros da hierarquia, a generalidade dos cristãos leigos, dos consagrados do povo de Deus”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This