Arlindo

| 19 Jan 2023

Baptizado, Comunidade da Serra do Pilar, Batizado

O padre Arlindo Magalhães celebrando um batismo na Comunidade da Serra do Pilar. “Alguns dos melhores momentos da nossa vida foram também celebrados em Comunidade. O batismo dos nossos filhos foi um deles”, recorda Laura Marques. Foto: Direitos reservados

 

Conheci o presbítero Arlindo numa celebração da Vigília Pascal. Fui com um amigo que me convidou. Tinha 18 anos e fiquei fascinada com a intensidade celebrativa da comunidade da Serra do Pilar e a beleza derramada em luz e canto. Integrei essa comunidade e lá permaneci por longos anos.

Com o Arlindo aprendi a viver a graça de cada momento, a alegria na simplicidade, partilha e acolhimento mútuo. Aprendi a aprofundar as razões da minha fé e a questionar as “verdades” estabelecidas. Fiz o catecumenato de adultos que ele orientou e que muito valorizava. Já tinha feito a catequese da infância, tinha participado em grupos de jovens cristãos, tinha integrado o Movimento Católico de Estudantes, o Movimento de Ação Católica e tinha sido crismada. Tinha também feito o Curso Superior de Cultura Religiosa da Torre da Marca. Testemunho que foi uma experiência marcante. Quatro anos a reunir duas vezes por semana com o grupo, rezando, refletindo e partilhando. Estudando e celebrando a vida plenamente. Tentando viver o dia a dia à maneira de Jesus. Colocando perguntas, buscando respostas, trilhando caminho todos juntos e entreajudando-nos uns aos outros.

A liturgia alimentava a vida da comunidade. Cada detalhe era importante e trabalhado com cuidado. As crianças tinham uma celebração da palavra paralela na sacristia, adaptada à sua idade, e entravam a cantar no momento do ofertório, na igreja redonda com a comunidade reunida à volta do altar central em forma de masseira.

O momento alto era a Vigília Pascal que todos os anos se reinventava, qual ressurreição antecipada.” Esta é aquela noite…”

O Arlindo desafiava-se sempre a si próprio e a todos nós a vivermos e fazermos diferente, melhor, mais belo, mais pleno. Era um homem cheio de contrastes. Era capaz da ternura mais tocante e da mais implacável crítica que nos deixava desconcertados, por vezes feridos. Era um homem de Cultura: em comunidade calcorreamos lugares e monumentos com história religiosa e humana, em passeios e acampamentos sempre com vertente lúdica e cultural. Organizaram-se debates e tertúlias, cinema com discussão posterior, conferências, encontros.

A Presidência Leiga da Comunidade da Serra do Pilar, empossada pelo bispo do Porto quando o Arlindo foi completar o doutoramento em Salamanca, representou uma realidade tão saborosa e inovadora! A concretização da comunidade dos fiéis participando de forma responsável e autónoma.

Visitar e acolher outras comunidades na celebração dominical única em que nos congregávamos semanalmente era outro momento forte. Recordo a visita de uma comunidade de irmãs moçambicanas que nos brindaram com um cântico africano belíssimo que aqueceu os nossos corações.

Participei nos diversos serviços da Comunidade ao longo dos anos, desde a limpeza ao coro, passando pela catequese. Tornei-me catequista à força, por ultimato do Arlindo, e foi uma experiência que ultrapassou todas as minhas expectativas. Todas as semanas montávamos e desmontávamos a tenda, tal como na Bíblia, para proporcionarmos às crianças uma experiência da fé e da descoberta de Jesus.

A prática do ecumenismo foi também um ponto que destaco. As orações conjuntas com a Comunidade do Torne mantiveram-se com constância ao longo dos anos. Tivemos também encontros muito interessantes com muçulmanos e judeus que nos ajudaram a reconhecermo-nos mutuamente.

Quando o meu filho mais velho morreu de morte súbita, aos 12 anos de idade, a nossa família foi escorada pela Comunidade que se uniu à nossa volta, partilhando a nossa dor, assombro e incompreensão (quem poderá compreender a morte de uma criança?). A Comunidade partilhava um só coração e uma só alma.

Alguns dos melhores momentos da nossa vida foram também celebrados em Comunidade. O batismo dos nossos filhos foi um deles. Anualmente organizava-se uma celebração no tempo pascal em que eram batizadas as crianças nascidas nesse ano. O significado dos símbolos era destacado: a unção com óleo, a água, a veste branca, a luz, o éfeta e a exortação aos pais e padrinhos para educarem na fé pelo exemplo e pela prática familiar dos valores cristãos e humanos. A seguir, toda a comunidade era convidada a fazer a festa na sacristia.

A entrega do Pai Nosso era surpreendente: o Arlindo chamava as crianças do primeiro ano à volta do altar e “metia-lhes as palavras na boca” da oração que Jesus nos ensinou. A Comunhão, a Profissão de Fé e, posteriormente a Festa da Catequese em que as crianças assumiam o protagonismo na liturgia desde a encenação dos textos aos cânticos do coro infantil, radicalmente diferentes dos cânticos dos adultos, alguns compostos propositadamente para as crianças.

Quando recordo todas estas vivências inesquecíveis, sinto uma infinita gratidão pela vida do nosso irmão presbítero Arlindo. Bem hajas! O teu nome está inscrito no Livro da Vida. Descansa em paz.

 

Laura Marques é pediatra no Centro Materno Infantil do Norte e membro do Metanoia – Movimento Católico de Profissionais.

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This