Arménios deslocados de Nagorno-Karabakh temem a destruição das suas igrejas medievais

| 3 Jan 2021

Mosteiro de Gandzasar, em Vank (Nagorno-Karabakh, Arménia/Azerbaijão)

Mosteiro de Gandzasar, em Vank (Nagorno-Karabakh, Arménia/Azerbaijão). Foto © Helena Araújo, cedida pela autora.

Uma guerra de seis semanas em Nagorno-Karabakh, uma região montanhosa no sul do Cáucaso, terminou em 9 de novembro último, na sequência de um acordo de paz entre a Arménia e o Azerbaijão, com a Rússia como intermediária.

Mediante esse acordo e desde que ele foi assinado, várias províncias de etnia arménia em Nagorno-Karabakh, que os arménios designam por Artsakh, foram entregues ao Azerbaijão. Este é o capítulo mais recente de um conflito que data de há pelo menos um século. De facto, foi precisamente em 1921 que as novas autoridades surgidas da revolução russa e prestes a fundar a União Soviética, declararam Nagorno-Karabakh parte do Azerbaijão, apesar da sua maioria étnica ser arménia (como se explicou num texto publicado há três semanas no 7MARGENS).

Desde então, o território tem sido palco de manifestações maciças, acordos internacionais fracassados ​​e uma guerra intensa, entre 1992 a 1994. A tragédia humana foi devastadora. Só nos combates de 2020, mais de 5.000 soldados morreram e mais de 100 mil pessoas foram deslocadas.

Mosteiro de Gandzasar, em Vank (Nagorno-Karabakh, Arménia/Azerbaijão)

Mosteiro de Gandzasar, em Vank (Nagorno-Karabakh, Arménia/Azerbaijão). Foto © Helena Araújo, cedida pela autora.

 

Segundo Christina Maranci, especialista e docente em arte e arquitectura arménias, na Universidade de Tufts, nos Estados Unidos da América, “embora a guerra tenha acabado, o rico património arquitetónico da região continua em risco. Organizações de património temem que as numerosas igrejas históricas arménias, mosteiros e lápides da região possam enfrentar danos ou destruição, agora que estão fora das mãos dos armênios”. Num artigo publicado no The Conversation, Maranci escreve que a guerra já havia danificado muitos monumentos arménios.

A histórica Catedral de São Salvador, em Shusha, uma das maiores catedrais arménias do mundo, terá sido danificada no último conflito. Foto © Helena Araújo, cedida pela autora.

 

No outono, as ofensivas do Azerbaijão bombardearam a antiga cidade de Tigranakert, fundada no primeiro século a.C. pelo rei arménio Tigranes, o Grande. Também danificaram a histórica Catedral de São Salvador, em Shusha, uma das maiores catedrais arménias do mundo.

Outra igreja próxima, do século XIX, conhecida como Kanach Zham e dedicada a São João Batista, também parece estar danificada. “Os monumentos arménios de Nagorno-Karabakh fazem parte da tradição arquitetónica mais ampla da arte e arquitetura arménias”, contextualiza a autora do artigo que vimos citando e que há mais de 20 anos conduz pesquisas e trabalho de campo em regiões históricas da Arménia, incluindo Nagorno-Karabakh (como se pode ver no vídeo que reproduzimos a seguir:)

 

Quando os padres não abusadores são as vítimas colaterais dos abusos do clero

Encontro “Cuidar” em Lisboa

Quando os padres não abusadores são as vítimas colaterais dos abusos do clero novidade

“O que encontramos assusta-me: desilusão, depressão, crise existencial, perda de identidade, fim da relação entre presbíteros, perda de confiança na instituição e na hierarquia.” O diagnóstico cáustico é feito ao 7MARGENS pelo padre inglês Barry O’Sullivan, 61 anos, da diocese de Manchester, que estudou o impacto dos abusos sexuais entre os padres não abusadores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

Luz e negrume

Luz e negrume novidade

As obras de Pedro Costa, cineasta, Rui Chafes, escultor, e Paulo Nozolino, fotógrafo, e de Simon Hantaï, artista plástico, estão expostas em Paris, respectivamente no Centre Georges Pompidou e na Fundação Louis Vitton. Um autor, identificado como Anonymous, estabelece com elas um diálogo em dois poemas traduzidos por João Paulo Costa, investigador na área de filosofia e autor de À sombra do invisível (Documenta, 2020).

Paróquia de Nossa Senhora da Hora: Ouvir os leigos na nomeação de padres e bispos

Contributos para o Sínodo (23)

Paróquia de Nossa Senhora da Hora: Ouvir os leigos na nomeação de padres e bispos novidade

Os leigos devem ser ouvidos nos processos de nomeação de párocos e de escolha dos bispos e a Igreja deve ter uma lógica de reparação da situação criada pelos abusos de menores. Evitar o clericalismo e converter os padres a uma Igreja minoritária, pobre, simples, dialogante, sinodal é outra das propostas do Conselho Paroquial de Pastoral da Paróquia de Nossa Senhora da Hora (Matosinhos).

Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma

Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma novidade

A saúde mental dos jovens tem-se vindo a tornar, aos poucos, num tema com particular relevância nas reflexões da sociedade hodierna, ainda que se verifique que estas possam, muitas das vezes, não resultar em concretizações visíveis e materializar em soluções para os problemas que afetam os membros desta mesma sociedade. A verdade é que, apesar de todos os esforços por parte dos profissionais de saúde e também das pessoas, toda a temática é, ainda, envolvida por uma “bolha de estigmas”, o que a transforma numa temática-tabu.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This