Arte e arquitectura religiosa com semana cheia em Lisboa

| 19 Set 19

Igreja do Sagrado Coração de Jesus, em Lisboa, de Nuno Teotónio Pereira e Nuno Portas. Foto © João Valério/Wikimedia Commons

 

Visitas à arte e arquitecura de igrejas e conventos e um curso livre sobre Arte Moderna e Arte da Igreja são várias iniciativas previstas para os próximos oito dias em Lisboa. O curso decorrerá na Capela do Rato (Lisboa), entre segunda e sexta da próxima semana (dias 23 a 27) e na Igreja de Moscavide (sábado, 28) e pretende evocar o livro publicado há 60 anos pelo padre Manuel Mendes Atanásio, mas também os 50 anos do fim do MRAR – Movimento de Renovação da Arte Religiosa, conforme se pode ler na nota de agenda já publicada no 7MARGENS.

“O tema continua actual”, diz o arquitecto João Alves da Cunha, responsável científico do curso. “O livro procurava defender a pertinência e o lugar da arte moderna e dos artistas contemporâneos no espaço da Igreja, contra uma arte de santeiro, e esse tema é actualíssimo. Apesar de algumas grandes e boas obras”, várias delas criadas no âmbito do MRAR, ao qual ele o padre Atanásio pertenceu, o problemas subsiste, insiste.

Há um artigo escrito por Manuel Mendes Atanásio em que ele se queixa das obras que se vendem em Fátima, recorda Alves da Cunha. Por isso é preciso debater o que é a arte, que lugar ocupa para a Igreja e procurar reflectir também as questões da modernidade e da cultura moderna que supostamente seria contra a Igreja.

“Os receios da Igreja contra o moderno tinham também uma dimensão política: um dos motivos da recusa é porque se acusava a arte de ser comunista”, explica o organizador do curso. “Hoje, as questões são outras, a arte contemporânea é mais complexa e rege-se por critérios diferentes e também por isso muitas vezes não é bem aceite. Mas deve fazer-se o debate sobre como ela pode ser acolhida pela Igreja.”

O curso pelo Artis – Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras de Lisboa, conta com cinco sessões, dedicadas sucessivamente à história, protagonistas, Igreja, curadores e artistas, em que intervêm sempre dois conferencistas. O curso termina sábado, 28 de Setembro, com uma visita à igreja de Santo António de Moscavide, “onde há 60 anos se concretizou um diálogo frutuoso entre a Arte Moderna e a Igreja”, diz. O programa completo pode ser lido na nota de agenda já referida.

 

A dificuldade da escolha

Igreja de São Roque, em Lisboa. Foto © Luis Cozeto/Wikimedia Commons

Já neste fim-de-semana a dificuldade para os interessados será a da escolha: Sé Patriarcal, igrejas da Madalena, Conceição Velha e São Nicolau e ermida de Nossa Senhora da Oliveira serão, por esta ordem, as cinco igrejas incluídas no “Itinerário da Fé”, que decorre neste sábado, 21 de Setembro, a partir das 10h00, organizada em conjunto pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) e pelo Sector do Turismo do Patriarcado de Lisboa. No mesmo dia (e também no domingo, 22), a iniciativa Open House Lisboa proporciona, no conjunto de 50 espaços de arquitectura, várias visitas guiadas a algumas igrejas e conventos da cidade.

No caso do “Itinerário da Fé”, trata-se de visitar espaços que aliam a “função espiritual” a “boa arquitetura, boa pintura, boa escultura”, como refere, em declarações à Ecclesia a directora de desenvolvimento cultural da SCML. O percurso começa na Sé, às 10h, e termina na pequena ermida que muitas vezes passa despercebida por estar situada entre prédios, na Baixa Pombalina.

Até final do ano, e de acordo com a mesma fonte, os “Itinerários da Fé” promovem uma visita por mês em dois circuitos: percurso da Baixa (além deste sábado, também 19 de Outubro, 16 de Novembro e 21 de Dezembro) e percurso do Bairro Alto (28 de Setembro, 26 de Outubro, 23 de Novembro e 28 de Dezembro). Este último começa no Convento dos Cardaes, passa depois nas igrejas de Santa Catarina e São Roque e termina no Convento de São Pedro de Alcântara (onde hoje funcionam vários serviços da SCML).

A participação, sendo gratuita, necessita de inscrição prévia, através do endereço itinerariosdafe@paroquiasaonicolau.pt (até 24h antes). A iniciativa realiza-se com um mínimo de dez pessoas e o máximo de 30 por sessão.

No caso da Open House, organização internacional em 40 cidades em todo o mundo, trata-se de conhecer espaços sobretudo, embora não exclusivamente, na perspectiva arquitectónica. Em Lisboa, a sua realização está a cargo da Trienal de Arquitectura de Lisboa que, entre os 50 locais com visitas guiadas, incluirá alguns de matriz religiosa: convento de S. Domingos, igreja de Santa Isabel, capela de Santo Amaro e Museu do Azulejo (antigo convento da Madre de Deus).

As visitas no âmbito da Open House decorrem sábado e domingo em vários horários (descritos aqui em pormenor, onde também se podem ler algumas notas sobre os diferentes espaços a visitar) e todas elas são sujeitas à limitação de 25 lugares.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Doentes de covid-19 mantêm “direito e acesso à assistência espiritual e religiosa” nos hospitais

A Coordenação Nacional das Capelanias Hospitalares emitiu um comunicado esta quarta-feira, dia 1, para esclarecer que “os capelães não estão impedidos de prestar assistência espiritual e religiosa”. Têm, isso sim, de cumprir “medidas de contingência existentes nos hospitais”, como todos os profissionais, por forma a minimizar os “riscos de contágio, quer dos capelães quer dos próprios doentes e dos profissionais”, sublinha o documento.

Cardeal Tagle propõe eliminar a dívida dos países pobres

O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, propôs a criação de um Jubileu especial em que os países ricos perdoem a dívida dos países pobres aos quais concederam empréstimos, de forma a que estes tenham condições para combater a pandemia de covid-19.

Oxfam pede “um Plano Marshall de Saúde” para o mundo

A Oxfam, ONG de luta contra a pobreza sediada no Quénia e presente em mais de 90 países, pediu esta segunda-feira, 30, “um plano de emergência para a saúde pública” com a mobilização de 160 biliões de dólares. Este valor permitiria duplicar os gastos com a saúde nos 85 países mais pobres, onde vive quase metade da população mundial.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Costurar máscaras cirúrgicas em vez de vestes litúrgicas, ou como combater a pandemia no convento

Costurar máscaras cirúrgicas em vez de vestes litúrgicas, ou como combater a pandemia no convento

À medida que a pandemia alastrava, a angústia crescia no pequeno mosteiro do sul de França onde vivem as Irmãs da Consolação do Sagrado Coração e da Santa Face. As 25 religiosas queriam fazer mais do que rezar. Diante da imagem de Nossa Senhora do Povo, que acreditam ter salvo a sua região da peste em 1524, pediram lhes fosse dada uma tarefa: queriam colaborar com a virgem no combate a esta nova pandemia. No dia seguinte, receberam uma chamada do bispo da diocese e outra do presidente da câmara: ambos lhes pediam para fabricar máscaras.

É notícia

Entre margens

Deus sem máscaras novidade

Assisti à cerimónia da consagração ao coração de Jesus e ao coração de Maria, proposta pelos bispos de Portugal, Espanha e outros países. Um ponto de partida para reflectir sobre oração e rito.

A ilusão do super-homem

As últimas semanas em Portugal, e há já antes noutros cantos do mundo, um ser, apenas visível a microscópio, mudou por completo as nossas vidas. Na altura em que julgávamos ter atingido o auge da evolução e desenvolvimento técnico e científico, surge um vírus.

Cultura e artes

Tagore: Em busca de Deus novidade

Rabindranath Tagore (1861-1941), Nobel de Literatura em 1913, é um grande poeta universal. Indiano, de família principesca, estudou Direito e Literatura, em Inglaterra, em 1877, não chegando a acabar o curso devido à secura do ensino superior ministrado. Tal como o seu amigo Gandhi, que sabia de cor e recitava todos os dias as Bem-aventuranças, foi atraído pelo cristianismo e

Editora francesa oferece “panfletos” sobre a crise

Sendo certo que as doações essenciais neste período de pandemia dizem respeito a tudo o que nos pode tratar da saúde física, não há razão para negligenciar outras dádivas. É o caso de uma das mais famosas editoras francesas, a Gallimard, que diariamente oferece textos que pretendem ser uma terceira via entre a solenidade da escrita de um livro e o anódino da informação de um ecrã.

Sete Partidas

A doença do coronavírus serve de desculpa para tudo? novidade

À boleia da pandemia que nos aflige, vejo coisas a acontecer que não podem deixar de me espantar, pela sua aberração e desfaçatez de quem as pratica. Em meados de fevereiro, em Mullaithivu, no norte do Sri Lanka, foi descoberta uma vala comum enquanto se procedia às escavações para as fundações duma extensão do Hospital de Mankulam. Segundo os médicos legistas, os restos mortais encontrados têm mais de 20 anos.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco