Artes

Maria Antónia Leite Siza, 50 anos depois

Maria Antónia Leite Siza, 50 anos depois

Parei no Porto para visitar uma exposição dedicada à artista Maria Antónia Marinho Leite Siza Vieira (1940-1973), organizada a partir de um conjunto de cem desenhos doados pelo marido, o arquiteto Álvaro Siza Vieira, à Fundação Serralves.

Sete salmos de terra

Novo disco de Nick Cave

Sete salmos de terra

É um disco que não é para todos, avisou o próprio Nick Cave. Seven Psalms, o seu mais recente trabalho, regista sete textos impregnados de uma forte espiritualidade, e sempre com a morte como companheira.

“Um filme não é a reprodução de um lugar, mas a produção de um olhar”

Curtas de Vila do Conde

“Um filme não é a reprodução de um lugar, mas a produção de um olhar”

Um silêncio gélido atravessou a sala quando começou Noite e Nevoeiro (1955), de Alain Resnais, cineasta, nome cimeiro do documentarismo mundial. As imagens traduzem o horror do extermínio nazi e uma voz off vai relatando a barbárie de milhões de judeus em Auschwitz e Majdanek. A guerra terminou em 1945, ou seja, 10 anos antes de Resnais produzir o filme e as imagens de rostos esqueléticos à beira da morte terem sido recolhidas pelos repórteres de guerra dos exércitos aliados após a libertação dos campos. E, no entanto, após a barbárie, será que o tempo varreu tudo e já só resta a memória?

Sou uma mulher comum, mas estou viva

Sou uma mulher comum, mas estou viva

  Alivia-me o facto de saber que sou uma mulher comum... uma daquelas cuja submissão à normalidade alegra. Sou uma mulher comum, “Ah, que alívio!”... Sou uma mulher comum dentro de casa e dentro da vida... lavo a loiça e a roupa, zango-me com a minha filha por...

Luz e negrume

Luz e negrume

As obras de Pedro Costa, cineasta, Rui Chafes, escultor, e Paulo Nozolino, fotógrafo, e de Simon Hantaï, artista plástico, estão expostas em Paris, respectivamente no Centre Georges Pompidou e na Fundação Louis Vitton. Um autor, identificado como Anonymous, estabelece com elas um diálogo em dois poemas traduzidos por João Paulo Costa, investigador na área de filosofia e autor de À sombra do invisível (Documenta, 2020).

Uma exposição que é prova do poder dos Museus

Para ver em Coimbra

Uma exposição que é prova do poder dos Museus

A exposição Resgatar a Ordem iconografias [s]em reserva[s], patente no Museu Nacional de Machado de Castro, em Coimbra, até ao próximo dia 19, é motivo mais do que suficiente para uma visita àquele espaço museológico, e à cidade do Mondego, num dos próximos dois fins de semana, ainda por cima prolongados.

Paula Rego e os quadros de Belém

Ciclo da Natividade

Paula Rego e os quadros de Belém

No espaço do antigo oratório do Palácio de Belém, a imaginação criativa de Paula Rego (1935-2022) recontou as histórias de Maria de Nazaré, em oito quadradinhos [54×52 cm]. São imagens que necessitam de contemplação, de que deixemos pousar o nosso olhar nos quadros até sermos surpreendidos pela visão das pinturas sobre nós.

O peso de uma aliança

"Colmeia", filme kosovar

O peso de uma aliança

Em tempo de Páscoa e nestes dias ainda violentos da guerra na Ucrânia, quando tantas mulheres tiveram de fugir com os filhos, deixando os seus maridos, foi uma verdadeira graça ver o filme Colmeia, da realizadora kosovar Bertha Basholli.

“O esplendor da polifonia sacra portuguesa” na Vidigueira

Festival Terras Sem Sombra

“O esplendor da polifonia sacra portuguesa” na Vidigueira

O grupo vocal Cupertinos, dirigido por Luís Toscano será o convidado do segundo concerto do Festival Terras sem Sombra, na sua temporada 2022. O espectáculo decorre na Igreja de São Cucufate, em Vila de Frades (Vidigueira), um monumento que a organização considerou ter “excepcionais condições acústicas para a interpretação da música vocal”. Será neste sábado, 14 de Maio, a partir das 21h30. Uma forma de (re)descobrir “o esplendor da polifonia sacra portuguesa do Renascimento e do Maneirismo”, como sugere a organização.

Guerras, medos, esperas e outras histórias bizarras

Migrantes e refugiados contam vidas em teatro

Guerras, medos, esperas e outras histórias bizarras

E como se arruma a vida numa pequena mala se tivermos apenas uma hora para fugir das bombas? Porque temos de decidir deixar para trás a roupa nova, o colchão de yoga, o livro que se começou a ler? Como se pode trocar um dia de aniversário pelo dia de início de uma guerra que outros nos fazem? Porque não se pode, sequer, encenar o pequeno teatro que era costume fazer para os amigos nesse dia?

O poeta viajante Hugo Mujica vem ao Porto

Padre e filósofo

O poeta viajante Hugo Mujica vem ao Porto

O poeta argentino Hugo Mujica, presbítero, filósofo e artista plástico vem a Portugal na próxima semana apresentar uma nova antologia da sua obra, com o título “Tudo o que arde morre iluminando”, numa edição bilingue da editora portuense Officium Lectionis, de José Rui Teixeira. 

Obra de Irene Vilar reunida em catálogo

“Labor beneditino”

Obra de Irene Vilar reunida em catálogo

Foi um “labor beneditino” que agora chegou ao fim: um Catálogo Geral com mais de 700 obras de Irene Vilar (1930-2008) será apresentado nesta terça-feira, 19 de Abril, na Igreja dos Clérigos (18h), culminando um trabalho de vários anos liderado e coordenado pelo bispo D. Carlos Azevedo, actual delegado no Conselho Pontifício para a Cultura.

Tradição e contemporaneidade, silêncio e verdade

“Do Fundo do Cálice”

Tradição e contemporaneidade, silêncio e verdade

Do Fundo do Cálice é o título da última obra do padre Joaquim Félix de Carvalho, que apresenta o Calix Mundi e o Cálice de Peregrinação, duas peças concebidas pelo artista plástico norueguês Asbjørn Andresen para a Capela Árvore da Vida. O 7MARGENS apresenta o prefácio e o posfácio da obra de João Norton de Matos e João Alves da Cunha, respetivamente.

Vida, luz e sombra (sobre “Silêncio na Era do Ruído”)

Vida, luz e sombra (sobre “Silêncio na Era do Ruído”)

Num tempo em que precisamos de vidros duplos para ter silêncio em casa ou nos protegermos do som infernal das brocas que perfuram azulejos da casa do vizinho ou lá em baixo na rua; num tempo em que tanta gente só adormece mantendo a TV ligada ou ouvindo o spotify nos auscultadores incansáveis do telemóvel com os fios a adentrar-se nos ouvidos, da real dependência de ecrãs e luzes fosforescentes, do facebook e do whatsapp – que cansaço! –, é preciso reaprendermos o silêncio.

O futuro só a Deus pertence

O futuro só a Deus pertence

“O futuro só a Deus pertence” – não saberia quantificar o número de vezes que esta frase tem ecoado junto dos meus pensamentos. À medida que a invasão russa na Ucrânia se intensifica, rezo – rezamos – rezemos para que se alcance a paz, para que não deixemos morrer a esperança de que é possível viver num mundo seguro. O futuro é incerto.

O “desconcerto” do humorista e do padre

"Cheirar a ovelha, falar como ovelha"

O “desconcerto” do humorista e do padre

Na última quarta-feira, 26 de Janeiro, o Desconcerto, espectáculo em cena no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, até este domingo à noite, teve a participação do padre Patrício Oliveira, pároco da Marinha Grande que, chamado ao palco, interagiu com César Mourão e os músicos intervenientes: António Zambujo, Luísa Sobral e Miguel Araújo. O 7MARGENS pediu ao padre Patrício uma reflexão sobre este episódio, que a seguir se publica.

Lembrar as vítimas do nazismo

Holocausto

Lembrar as vítimas do nazismo

27 de janeiro, a data em que o Exército Vermelho libertou Auschwitz, tornou-se o dia internacional em memória das vítimas do nazismo. Hoje quero lembrar Karl Stojka, e o seu aviso: “Não foi Hitler, nem Göring, nem Goebels, nem Himmler, nem nenhum desses quem me arrastou e espancou. Não. Foi o sapateiro, o vizinho, o leiteiro.”

A teologia a conversar com a cultura pop

Curso na Brotéria

A teologia a conversar com a cultura pop

Para muitas pessoas, a cultura pop tornou-se a sua língua franca, expressão de um modo de estar no mundo, com expectativas e angústias próprias. Partindo dessa verificação, o padre jesuíta Rui Fernandes e o centro cultural Brotéria propõem, entre esta quarta-feira, 15, e a próxima sexta, 17, um curso sobre “Teologia e cultura pop”.

“o Filho do homem numa nuvem…”

Tempo de Advento (I)

“o Filho do homem numa nuvem…”

Desde há vários anos, a comunidade da Capela de Nossa Senhora da Bonança (conhecida como Capela do Rato), em Lisboa, assinala o tempo litúrgico do Advento com a publicação de postais com uma pintura encomendada a um(a) artista e um poema alusivo ao dia. Este ano, a convidada foi a artista algarvia Lígia Rodrigues, sendo os textos da autoria da escritora Leonor Xavier e do actor e encenador Luís Miguel Cintra.

A igreja construída para se abrir à cidade

50 anos de uma “peça maior” da arquitectura portuguesa

A igreja construída para se abrir à cidade

Este é o primeiro livro que se debruça sobre um monumento nacional – a Igreja do Sagrado Coração de Jesus, em Lisboa, cujos 50 anos de dedicação esta obra assinala. Uma igreja nascida de um processo que reflectiu os tempos novos que se viviam e procurou traduzi-los na arquitectura. O volume sobre esta “peça maior” da arquitectura portuguesa do século XX será apresentado no auditório da igreja nesta quinta-feira, 17, ao final da tarde.

“Ilhas de Plástico” no rio Minho apelam à luta ambiental

Dia Mundial dos Oceanos

“Ilhas de Plástico” no rio Minho apelam à luta ambiental

Artista idealizou como metáfora do tempo um conjunto de 24 esculturas esféricas de grande dimensão forradas com materiais de plástico, garrafas de água, tubos de diferentes cores e feitios idênticos aos utilizados na construção civil. Unidas entre si formam uma mega-instalação flutuante e ondulante, atractiva, pedagógica, capaz de provocar olhares desencontrados. No próximo dia 8 de Junho, Dia Mundial dos Oceanos, estará fundeada no rio Minho.

A arte na defesa e promoção dos direitos humanos

A arte na defesa e promoção dos direitos humanos

O impacto da arte na criação de uma agenda voltada para a defesa e promoção dos direitos humanos estará em debate esta quinta e sexta-feiras, dias 20 e 21 de maio, numa conferência internacional, que decorrerá na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, mas poderá também ser acompanhada através da internet. Na segunda-feira, dia 24, o evento terá uma extensão exclusivamente online. 

[À volta do 1º de Maio] Estranha forma de vida

[À volta do 1º de Maio] Estranha forma de vida

Ao aceitar o desafio de escrever sobre o trabalho enquanto artista e profissional da cultura, Rui Aleixo aflora uma panóplia de aspetos que estão intimamente ligados a esta profissão, mas também à vida de um artista, que é muitas vezes indissociável do seu trabalho. Este contributo não pretende esgotar o tema, mas poderá ajudar a desmontar clichés e a tornar menos abstrata esta estranha forma de vida.

Saberei ser quem sou?

Saberei ser quem sou?

Que me fosse concedido o desejo de aquietar a consciência, aquele dom invejável dos sábios discretos;
às tantas, vivo cansada de uma mente desobediente a perturbar cada instante que a vida me dispõe.

Precisamos de nos ouvir (22) – António Durães: Talvez a arte nos possa continuar a salvar

Precisamos de nos ouvir (22) – António Durães: Talvez a arte nos possa continuar a salvar

Por força não sei de que determinação, o meu mundo, o mundo teatral, divide-se, também ele, em duas partes. Não há Tordesilhas que nos imponha o mundo assim, mas a verdade teatral determina-o: o mundo da sala e o mundo do palco. A cortina de ferro divide esses dois mundos de forma inexorável. Por razões de segurança, mas também por todas as outras razões. E esses dois mundos apenas se comunicam, quando o Encontro, como chamavam alguns antigos ao espectáculo, se dá.

Canções para estes tempos de inquietação 

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Silêncio, que se vai rezar (a ouvir) o fado

Silêncio, que se vai rezar (a ouvir) o fado

Podem os olhos, as mãos ou o rosto de quem canta o fado exprimir uma atitude de religiosidade? Cátia Tuna investigou o tema e descobriu como a canção – que começou por ser boémia e se tornou “nacional” – preencheu um vazio que o catolicismo orgânico tinha deixado a descoberto. Silêncio, que se vai rezar (a ouvir) o fado.

A pegada de religiosidade na obra de João Cutileiro

A pegada de religiosidade na obra de João Cutileiro

“Na vasta obra de João Cutileiro, há uma intermitente, mas persistente, pegada de religiosidade que deixou plasmada em poemas de pedra”, escreve o padre Mário Tavares de Oliveira, cónego da diocese de Évora, num texto que evoca a arte do escultor que morreu no passado dia 5.

A alegria do Papa e o Presépio de Castelli

A alegria do Papa e o Presépio de Castelli

O Domingo da Alegria, na liturgia católica do tempo do Advento, é dia escolhido para o Papa benzer as figuras dos Meninos Jesus que serão colocadas nos presépios. Por isso, neste domingo, 13 de dezembro, a Praça de S. Pedro fugiu à pandemia e encheu-se (mas cumprindo as regras sanitárias…) para um Angelus muito especial.

Uma peregrinação interior com “Triságia”

Uma peregrinação interior com “Triságia”

Ao percorrer as páginas do livro Triságia, fi-lo em diferentes modos, ritmos e olhares, numa cadência que passou pela curiosidade, atravessou a espessura do desconhecido e mergulhou na profundidade. Primeiro, o livro ficou à espera, à minha espera em cima da mesa, junto de outros livros não lidos. De vez em quando deitava de soslaio o olhar àquela capa manchada de tinta alilasada. O título Triságia empurrava-me para o dicionário, mas tinha preguiça de procurar. Aliás, quando falei do livro a uma amiga, a pergunta saltou: Que significa essa palavra?

Descoberto esboço de retrato de Jesus atribuído a Leonardo da Vinci

Descoberto esboço de retrato de Jesus atribuído a Leonardo da Vinci

Um equipa de investigadores italianos encontrou recentemente, numa coleção privada na região da Lombardia, o esboço de um retrato de Jesus Cristo que acreditam ser da autoria de Leonardo da Vinci. O desenho, feito a giz vermelho – técnica que era frequentemente utilizada pelo pintor renascentista – tem semelhanças com algumas das suas obras mais emblemáticas, nomeadamente “Mona Lisa” e os seus autorretratos, revelou o jornal britânico The Telegraph.

Abrir as “páginas seladas” do livro bíblico do Apocalipse em tempo de pandemia

Abrir as “páginas seladas” do livro bíblico do Apocalipse em tempo de pandemia

O livro bíblico do Apocalipse (ou da Revelação) é uma profecia para tempos de crise e por isso é importante abrir agora as suas “páginas seladas”. Com esse mote, a comunidade católica da Capela do Rato propõe três sessões sobre o último dos livros da Bíblia cristã. Uma conferência de João Duarte Lourenço, uma leitura de Luís Miguel Cintra e um percurso proposto por Emília Nadal através da arte inspirada naquele texto serão as três etapas propostas para este itinerário.

Dois retábulos em restauro no Mosteiro de Pombeiro

Dois retábulos em restauro no Mosteiro de Pombeiro

Os retábulos de Nossa Senhora das Dores e de Santo António (bem como as respectivas esculturas) na nave da igreja do Mosteiro de Santa Maria de Pombeiro (Felgueiras) estão a ser sujeitos a uma operação de conservação e restauro, com o objectivo de melhorar a estabilidade estrutural, valorizar a vertente conservativa e restituir, tanto quanto possível, uma leitura integrada do conjunto.

Biblioteca Apostólica do Vaticano dedica Agenda de 2021 à “mulher e os livros”

Biblioteca Apostólica do Vaticano dedica Agenda de 2021 à “mulher e os livros”

“Não é possível fazer a história da Biblioteca dos Papas sem iluminar o contributo das mulheres”, escreve o cardeal português José Tolentino Mendonça, bibliotecário da Santa Sé, na apresentação da nova Agenda 2021 da Biblioteca Apostólica Vaticana, dedicada ao tema “A mulher e os livros. A mulher como construtora e guardiã das bibliotecas no tempo”.

Chorar em Fátima

Chorar em Fátima

Apeteceu-me dizer aos companheiros dos círculos ao lado que sou ateu, que me ensinem como é sentir o que eles sentem. Que importa? Senti o coração a abrir-se e descobrir que também sou uma árvore frondosa como o meu pai e a minha mãe desejaram que eu fosse.

Sedutora viagem no espaço e no tempo

Sedutora viagem no espaço e no tempo

O autor, arquitecto de formação universitária inicial – algo de relevante para entendermos esta obra fascinante – é sacerdote jesuíta, aspecto que, de imediato, identifica uma singularidade do olhar marcada pelos exercícios espirituais inacianos. Que lugar desempenhará, então, esse fragmento que interrompe o título – [Gráfico], onde uma outra convocação estética, de coabitação do textual e do visual se indicia?

Graças a Deus pela criatividade: o Papa pede esmola à saída do metro, em Milão

Graças a Deus pela criatividade: o Papa pede esmola à saída do metro, em Milão

AleXsandro Palombo, artista italiano, inspirou-se no próprio Papa para algumas das suas últimas obras. Nas ruas de Milão, uma das cidades mais afetadas pela pandemia de covid-19, Palombo fez várias pinturas murais em que retratou Francisco como um mendigo a pedir esmola na rua. E não só: Maria de Nazaré, com o Menino Jesus ao colo, foi também representada como um dos novos pobres de Milão.

“Travessia com Primavera”, um exercício criativo diário

“Travessia com Primavera”, um exercício criativo diário

O desafio partiu da Casa Velha, associação de Ourém que liga ecologia e espiritualidade: um exercício artístico e criativo diário, a partir da Bíblia. Sandra Bartolomeu, irmã das Servas de Nossa Senhora de Fátima, apaixonada pela pintura, aceitou: “Algo do género, entre a oração e o desenho – rezar desenhando, desenhar rezando ou fazer do desenho fruto maduro da oração – já emergia em mim como um apelo de Deus, convite a fazer do exercício do desenho e da criação plástica meio para contemplar Deus e dar concretude à sua Palavra em mim”, diz a irmã Sandra. O 7MARGENS publica dez aguarelas resultantes desse exercício.

Iconografia cristã primitiva, nascida no confinamento

Iconografia cristã primitiva, nascida no confinamento

A edição em português de Os Primeiros Cristãos – as histórias, os monumentos, as figuras, da autoria do historiador italiano Fabrizio Bisconti, constitui um acontecimento muito significativo. Magnificamente apetrechada de imagens ilustrativas, a obra conduz o leitor na descoberta da arte cristã primitiva, presente em catacumbas, monumentos e vestígios arqueológicos.

Diários de quarentena (36): Uma canção para a alma

Diários de quarentena (36): Uma canção para a alma

Silvia Nazário lançou um vídeo de uma canção belíssima, intitulada Sentido Solar, gravado na Praia do Rei (Costa da Caparica) em 2019, mas editado só agora na quarentena. Segundo ela, é uma prenda de amor para o coração da humanidade que se encontra tão sofrida.

Uma epifania de Páscoa com Tintoretto

Uma epifania de Páscoa com Tintoretto

Passou a Páscoa. Este ano sob o sobressalto inimaginável de uma penitência literal. Na verdade, fomos todos chamados (os que são cristãos), mais ou menos involuntariamente, a defrontarmo-nos com uma inegável coincidência. A da redenção dos homens pela paixão de Cristo, com a dos padecimentos pela pandemia.

Uma tragédia americana

Uma tragédia americana

No dia 27 de Julho de 1996, quando decorriam os Jogos Olímpicos, em Atlanta, durante um concerto musical, um segurança de serviço – Richard Jewel – tem a intuição de que uma mochila abandonada debaixo de um banco é uma bomba. Não é fácil convencer os polícias da sua intuição, mas ele é tão insistente que acaba por conseguir.

Alvaro Pirez d’Évora no MNAA: A carreira internacional de um pintor português do século XV

Alvaro Pirez d’Évora no MNAA: A carreira internacional de um pintor português do século XV

Joaquim Caetano, director do Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, faz-nos notar aquilo que a obra de Álvaro Pirez de Évora deixa perceber com muita nitidez: se um artista se quiser fazer grande, pôr o seu talento a render da melhor forma possível e aprender tudo o que há a aprender com os melhores, tem que ir para onde eles se encontram. Um artista precisa de ver arte. E, se não há arte que o satisfaça no país onde vive, é obrigatório ir para longe e aprender.

São Pessoas. Histórias com gente dentro

São Pessoas. Histórias com gente dentro

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Arquitectura, arte e liturgia: filme, debates e livro no fim-de-semana

Arquitectura, arte e liturgia: filme, debates e livro no fim-de-semana

Um documentário sobre a igreja de Olivais-Sul (Lisboa), de Pedro Vieira de Almeida, um encontro sobre Pensar a Igreja. Projectar Igrejas, e um livro com o título Nuno Portas: 18 Obras Partilhadas – estes são os momentos essenciais da V Jornada de Liturgia, Arte e Arquitectura que decorre em lisboa, neste fim-de-semana, entre a noite de sexta-feira, 31 de Janeiro, e a tarde de domingo, 2 de Fevereiro.  

Como pode uma estrela iluminar-se num selo de Natal

Como pode uma estrela iluminar-se num selo de Natal

Basta um telemóvel: usando tecnologia NFC, habitualmente utilizada para fazer pagamentos ou transferências inter-bancárias, e apontando a base do telefone para o selo, a estrela desenhada ilumina-se. Milagre de Natal? Não, apenas uma possibilidade tecnológica que os Correios de Portugal aproveitaram, para a emissão de Natal deste ano. É a primeira do mundo, diz a empresa, a usar tecnologia led num selo de correio.

Mãe não tem limite

Mãe não tem limite

Mãe não tem limite, é tempo sem hora, luz que não apaga”, escrevia Drummond de Andrade. Este pode ser um mote para uma exposição na Amadora com o título Ó do Mundo, Senhora do Ó, Grávida de Vida.

Livro “A Igreja de São Cristóvão de Lisboa” recupera caso de intervenção única no património

Livro “A Igreja de São Cristóvão de Lisboa” recupera caso de intervenção única no património

A Igreja de São Cristóvão de Lisboa é o título do livro que será apresentado nesta sexta-feira, 13 de Dezembro, às 18h, naquela igreja da Mouraria que teve um programa de reabilitação iniciado com o projecto vencedor do Orçamento Participativo de Lisboa – um caso único de envolvimento de uma comunidade católica, artistas, investigadores e a autarquia.

Joker, o desafio da diferença

Joker, o desafio da diferença

Filmes baseados em banda desenhada não faltam, mas este Joker é diferente. Para melhor. É o único representante desta década nos vinte melhores filmes de sempre da IMDb e parece-me sério candidato aos Óscares de melhor ator, realizador e banda sonora.

“Dois Papas”: um filme sobre a transição na Igreja Católica

“Dois Papas”: um filme sobre a transição na Igreja Católica

Dois Papas é um filme do realizador brasileiro Fernando Meirelles (A CIdade de Deus) que, através de uma conversa imaginada, traduz a necessidade universal de tolerância e, mesmo sendo fantasiado, o retrato das duas figuras mais destacadas da história contemporânea da Igreja Católica. O filme, exclusivo no Netflix, retrata uma série de encontros entre o, à altura, cardeal Jorge Bergoglio (interpretado por Jonathan Pryce) e o atual Papa emérito Bento XVI (interpretado por Anthony Hopkins).

Matisse, Vieira da Silva e Lourdes Castro a brincar com Deus (até domingo)

Matisse, Vieira da Silva e Lourdes Castro a brincar com Deus (até domingo)

Restam ainda alguns dias (até domingo, 27 de Outubro) para ver a exposição Brincar Diante de Deus – Arte e Liturgia: Matisse, Vieira da Silva e Lourdes Castro, no museu da Fundação Arpad Szenes-Vieira da Silva. O aliciante principal da mostra, que apresenta obras criadas para o culto e o espaço litúrgico, é o de se poderem ver os paramentos que Lourdes Castro concebeu para a Capela Árvore da Vida, no Seminário de Braga ou as vestes litúrgicas criadas por Matisse para a Capela de Nossa Senhora do Rosário, em Vence.

Salgado e doce na criação musical e litúrgica do LabOratório

Salgado e doce na criação musical e litúrgica do LabOratório

Mal se chega, ouve-se um canto. Nesta manhã fresca, depois de atravessar o corredor, o som leva-nos à igreja do Convento de São Domingos, em Lisboa. O canto, na sonoridade das vozes, traz-nos uma construção melódica, transporta-nos para algo novo, sem deixar de ser familiar. Estão cerca de vinte pessoas na igreja: professores, organizadores e participantes no LabOratório rezam a oração de laudes, ou oração de manhã.

Arte e arquitectura religiosa com semana cheia em Lisboa

Arte e arquitectura religiosa com semana cheia em Lisboa

Visitas à arte e arquitecura de igrejas e conventos e um curso livre sobre Arte Moderna e Arte da Igreja são várias iniciativas previstas para os próximos oito dias em Lisboa. O curso decorrerá na Capela do Rato (Lisboa), entre segunda e sexta da próxima semana (dias 23 a 27) e na Igreja de Moscavide (sábado, 28) e pretende evoca o livro publicado há 60 anos pelo padre Manuel Mendes Atanásio, mas também os 50 anos do fim do MRAR.

Primeira missa depois do incêndio em Notre-Dame: o vídeo da transmissão

Primeira missa depois do incêndio em Notre-Dame: o vídeo da transmissão

Dois meses depois de ter sido muito danificada por um incêndio, a catedral de notre-Dame de Paris abrirá de novo as suas portas este sábado e domingo, para a celebração da missa, informou a diocese de Paris em comunicado. “A primeira missa em Notre-Dame será celebrada no fim-de-semana de 15 e 16 de Junho”, lê-se no texto. A celebração de sábado tem lugar às 17h de Lisboa. 

Pintura e desenho de Emília Nadal no Sardoal: “Meditações” sobre a Paixão e Páscoa

Pintura e desenho de Emília Nadal no Sardoal: “Meditações” sobre a Paixão e Páscoa

São “como que meditações” acerca da paixão de Jesus, uma história “perversa” e que revela a “plena humanidade” de Cristo, diz a pintora Emília Nadal ao 7MARGENS, sobre as obras que seleccionou para a exposição Paixão. A mostra inclui obras de pintura e desenho realizadas ao longo de duas décadas e está patente no Centro Cultural Gil Vicente, no Sardoal, até 9 de Junho (Domingo de Pentecostes).

As Sete Últimas Palavras

As Sete Últimas Palavras

Talvez muitas pessoas não saibam que a obra de Joseph Haydn As Sete Últimas Palavras de Cristo na Cruz foi estreada em Cádis, na Andaluzia, depois de encomendada pelo cónego José Sáenz de Santamaria, responsável da Irmandade da Santa Cova.

Capelas de Braga vencem concurso de arquitetura

Capelas de Braga vencem concurso de arquitetura

A capela “ergue-se em madeira, desde a estrutura de suporte até aos planos que lhe conferem o espaço, e é composta por várias peças de madeira, encaixando-se, criando uma estrutura equilibrada que se manifesta como uma floresta à entrada do espaço sagrado”.

Obras de misericórdia na Cooperativa Árvore

Obras de misericórdia na Cooperativa Árvore

Até à próxima sexta-feira, dia 8 de Fevereiro, ainda pode ver-se na Cooperativa Árvore, no Porto, a exposição sobre as obras de misericórdia “dar pousada aos peregrinos” e “rogar a Deus por vivos e defuntos”, com a participação de vários artistas.

Pin It on Pinterest

Share This