Até 30 de novembro, em Lisboa

Artesã de 97 anos expõe trabalhos para ajudar cristãos perseguidos

| 10 Nov 2023

Exposição de registos de Maria Antónia Cabral. Foto Fundaçao AIS

A exposição de registos pode ser visitada até 30 de novembro, de segunda a sexta-feira, no Fórum Grandella, em São Domingos de Benfica. Foto © Fundação AIS.

 

Maria Antónia Cabral, artesã de 97 anos que foi uma uma das primeiras dez mulheres a licenciar-se em Arquitetura em Portugal, já perdeu a conta ao número de registos e relicários que criou desde que este se tornou o seu passatempo favorito. O sucesso foi tanto que começou a receber encomendas. E agora muitos deles estão em exposição no Fórum Grandella, em São Domingos de Benfica (Lisboa), com uma missão especial: ajudar os cristãos perseguidos.

Benfeitora da Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), Maria Antónia Cabral, também conhecida como Bixa, decidiu apoiar a instituição e, através dela, os cristãos que sofrem nas mais diversas partes do mundo, com a venda do seu trabalho.

Começou a criar registos – trabalho artesanal minucioso com imagens de santos, que se guarda numa caixa emoldurada artisticamente e protegida com um vidro – ainda em criança.

“Desde pequena, muito pequena, aprendi as primeiras letras com a minha mãe, e lembro-me que ela já me ensinava a forrar caixinhas e a pôr florzinhas em relevo em cima das tampas das caixas. E lembro-me, tinha uns 14 ou 16 anos, de ver na Nazaré os registos que tinham aquelas mulheres na praça de peixe. Tinham cobertores no chão com os registos e eu ficava encantada a ver aquilo. Eram de uma enorme simplicidade. Depois, muito mais tarde, decidi começar também a fazê-los. Os primeiros, eram muito rudimentares…”, recorda Maria Antónia Cabral, em declarações à AIS.

Agora, diz que fazer registos “é um vício”, assegurando que não compra nada para poder criá-los: todos os materiais que coloca na sua arte são reutilizados.

A exposição pode ser visitada até 30 de novembro, de segunda a sexta-feira, entre as 9h e as 13h e das 14h às 18h.

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This