Jornada Memória e Esperança de 22 a 24

Árvores, vigílias, música, humor… e o Presidente

| 18 Out 21

Confinamento. Cartoon de Cristina Sampaio na exposição Memória e Esperança.

 

Uma exposição de cartoons, uma música para ser cantada por toda a gente, plantação de árvores a recordar as vítimas da pandemia ou a manifestar a esperança numa sociedade mais justa e solidária, vigílias cívicas ou religiosas, murais em escolas ou espaços públicos, bandas no coreto ou em praças públicas e ainda uma evocação que contará com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. Estas são algumas das dezenas de iniciativas já previstas no âmbito da jornada Memória e Esperança, que decorrerá em todo o país, no próximo fim-de-semana, entre sexta e domingo.

As duas últimas notícias são a publicação, na página dedicada à iniciativa, de uma exposição de cartoons, que pode ser impressa ou projectada para actividades no âmbito da pandemia (sujeita a regras de direito de autor explicadas na própria página); e a gravação de uma música (com letra de Samuel Nobre e Ana Cordovil e música de Rute Prates) que pode ser cantada em escolas, vígilias e outras actividades no âmbito da jornada.

A música, cujo vídeo pode ser visto e ouvido na secção de Materiais, foi gravada por alunos e professores da Academia de Música de Santa Cecília e do Instituto Gregoriano de Lisboa. Com arranjos e direcção musical de Ana Sofia Sequeira e Abel Carvalho, Longe de ti, esqueci o caminho evoca a falta que os outros nos fizeram desde Março de 2020, e especialmente durante os períodos de quarentena.

Na exposição de cartoons, colaboram muitos dos mais consagrados cartoonistas portugueses, entre os quais António, Cristina Sampaio, Luís Afonso, André Carrilho ou Tiago Albuquerque, por exemplo – e vale bem a pena fazer o percurso visual através desta exposição.

A jornada, que conta com iniciativas já programadas em todo o país, pretende evocar as vítimas da pandemia, homenagear as pessoas e profissões que mais intensamente ajudaram toda a sociedade e ultrapassar este tempo – agricultores, profissionais de saúde, padeiros, caixas de supermercado, bombeiros, trabalhadores da limpeza urbana, agentes das forças de segurança e muitos outros – e manifestar, por gestos e iniciativas, a esperança de uma sociedade mais justa e solidária.

Uma das iniciativas de carácter mais alargado, aberta a todas as pessoas que nela queiram participar, será a vigília de fecho da jornada, que contará com a presença do Presidente da República. Decorrerá no domingo, a partir das 17h, na entrada do Hospital de Santa Maria e, num segundo momento, junto do pavilhão 1 do Estádio Universitário de Lisboa (EUL), onde esteve instalado um dos postos de vacinação contra a covid-19. Contará com a participação das bandas de Mafra e de Odivelas, além do coro de crianças e jovens que gravou a música Longe de ti… Incluirá a plantação de um carvalho nos terrenos do Hospital de Santa Maria, em memória das vítimas e em homenagem à solidariedade demonstrada por tantos. No EUL, será entretanto plantada uma oliveira, como “árvore da esperança”.

Esta jornada foi lançada em Julho por um manifesto publicado pelo Jornal de Notícias, Público e 7MARGENS e subscrito por um conjunto de 100 cidadãos de diferentes sectores políticos, culturais, religiosos e sociais. Ao longo dos próximos dias, daremos mais informações sobre as acções previstas no âmbito da Jornada. Entretanto, é possível ainda subscrever o manifesto, inscrever iniciativas que entretanto sejam programadas, ver documentação e edições já produzidas a propósito da pandemia e consultar outras informações na página da iniciativa.

Desconfinamento. Cartoon de Tiago Albuquerque na exposição Memória e Esperança.

 

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero

Pedro Strecht apresentou membros

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero novidade

Daqui a um ano haverá relatório, que pode ser o fim do trabalho ou o início de mais. A comissão para estudar os abusos sexuais do clero português está formada e quer que as vítimas percam o medo, a vergonha e a culpa. Ou seja, que dêem voz ao seu silêncio. Pedro Strecht apresentou razões, o presidente dos bispos disse que não quer mais preconceitos nem encobrimentos, mas “autêntica libertação, autenticidade e dignidade para todos”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Encontra um trabalho que não amas, não perderás um minuto da tua vida

Encontra um trabalho que não amas, não perderás um minuto da tua vida novidade

Ainda antes de acabar o curso fui à minha primeira entrevista de trabalho “a sério”, numa produtora de filmes num bairro trendy de Lisboa. Roubei um dia à escrita da tese de mestrado, apanhei o comboio e lá fui eu, tão nervosa quanto entusiasmada. O dono começou por me perguntar se fazer cinema era o meu sonho. Fiquei logo sem chão. Sofri, desde muito cedo, de um mal que me acompanha até hoje: sonhava demais e muitos sonhos diferentes.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This