As armas e a vida

| 30 Jun 2022

Vigília à porta do liceu de Tamalpais, em memória do massacre de Parkland. Foto © Fabrice Florin | Wikimedia Commons

Vigília à porta do liceu de Tamalpais, em memória do massacre de Parkland, em finais de maio. Foto © Fabrice Florin | Wikimedia Commons

 

Mais um massacre provocado por um tiroteio numa escola básica de uma pequena localidade do Texas (com a morte de dezanove crianças e duas professoras) veio relançar, mais uma vez, a discussão sobre o controlo da venda e posse de armas nos Estados Unidos, onde continua a prevalecer a tese de que essa posse é um direito fundamental de cada cidadão, essencial para a sua defesa. Uma prevalência a que não é alheia a pressão interesseira do lóbi dos vendedores de armas.

Como também noutras ocasiões, há quem diga que o verdadeiro problema não reside na posse das armas, mas nas pessoas que as utilizam e que, mais do que a questão do acesso às armas, há que analisar e enfrentar aquilo que leva jovens e adultos a provocar estes trágicos massacres. É verdade que a questão não reside apenas no acesso às armas e que por detrás destas atitudes há fenómenos de crise de valores, de doença mental, de desestruturação familiar e de desinserção social que devem ser tidos em conta para enfrentar o problema na sua raiz. Mas a facilidade do acesso às armas, por si só, constitui fator determinante para a ocorrência destes tiroteios. Todos esses problemas poderiam originar desfechos menos trágicos do que estes, poderiam não provocar mortes se não fosse essa facilidade de acesso.   

Quando se discute esta questão da maior ou menor facilidade de acesso à posse de armas, e do mais ou menos restritivo regime legal desse acesso, não posso deixar de recordar vários casos com que lidei ao longo da minha carreira de juiz. Casos em que só o acesso a uma arma poderá explicar o seu desfecho trágico de perda de vida humanas. Nem a gravidade do conflito em causa, nem a personalidade do agente do crime o poderiam explicar. Recordo bem o caso de um homicídio originado por uma banal discussão de trânsito em que o homicida, profundamente arrependido logo após a prática do crime, aceitou sem qualquer contestação a sua prisão. Se não fosse o acesso a uma arma, dessa discussão não teria resultado mais do que um par de bofetadas sem graves consequências. Nem a natureza do conflito, nem a personalidade dos intervenientes conduziriam a tão trágico desfecho. Como este, outros casos ocorrem com frequência.

Tive ocasião de partilhar esta minha modesta experiência numa audição parlamentar em que, em representação da Comissão Nacional Justiça e Paz, defendi alterações legislativas num sentido de maiores restrições à posse de armas, que transpunham normas europeias e vieram a ser aprovadas. Estava sozinho diante de muitos e variados grupos de pressão que se opunham a essas maiores restrições. Devo dizer, em abono da verdade, que nenhum desses grupos advogava um regime semelhante ao dos Estados Unidos, mas, mesmo assim, algumas pessoas desses grupos não afastavam a ideia de que o maior acesso às armas é um fator de segurança.

Ora, verifica-se precisamente o contrário. É o que revela a experiência dos Estados Unidos e de outros países (o México, a Venezuela e o Brasil) que seguem regimes igualmente permissivos: a proliferação de armas não contribui para uma maior segurança, pelo contrário. A insegurança de qualquer desses países contrasta com a situação que experimentamos em Portugal, e na Europa em geral, com regimes mais restritivos.

Invocam os partidários do regime norte-americano as necessidades de defesa dos cidadãos. As armas seriam um instrumento necessário para garantir esse legítimo direito de defesa. Mas elas tanto podem ser usadas para defesa como para a agressão. Nada pode garantir que não o sejam. E também podem facilitar o chamado “excesso de legítima defesa”, uma defesa desproporcionada, que não justifica o uso de instrumentos que causam a morte do agressor quando não está em risco a vida da pessoa agredida e outros meios poderiam ser suficientes para repelir a agressão.

Na linha desta tese de necessidade de armas como meio de defesa, até há quem argumente que massacres como o desta escola do Texas poderiam ser evitados se os professores possuíssem armas para se defenderem. Uma tese absurda, que levaria a um círculo vicioso, a uma espiral imparável de difusão de mais e mais armas.

Em causa está uma perspetiva de absolutização da liberdade individual e da propriedade privada. Acima desses valores está, porém o da vida humana. É a proteção da vida humana que justifica restrições à posse de armas, pelo perigo que representam. Há que dar prevalência a essa proteção de uma forma global e coerente, igualmente vigorosa, em todas as fases da vida, desde o seu início ao seu fim, e perante todas as ameaças e ataques que a atingem.       

Pedro Vaz Patto é presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

Nos 77 anos do ataque atómico

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia novidade

“Apelo a todos os membros” do Parlamento japonês, “bem como aos membros dos conselhos municipais e provinciais” para que se “encontrem com os hibakusha (sobreviventes da bomba atómica), ouçam como eles sofreram, aprendam a verdade sobre o bombardeio atómico e transmitam o que aprenderem ao mundo”, escreve, numa carta lida nas cerimónias dos 77 anos do ataque atómico sobre Nagasaki, por um dos seus sobreviventes, Takashi Miyata.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Padres de Lisboa saem em defesa do patriarca

Abusos sexuais

Padres de Lisboa saem em defesa do patriarca

O Secretariado Permanente do Conselho Presbiteral do Patriarcado de Lisboa saiu em defesa do cardeal patriarca, D. Manuel Clemente, numa nota publicada esta terça-feira à noite no site da diocese. Nas últimas semanas, Clemente tem sido acusado de não ter dado seguimento a queixas que lhe foram transmitidas de abusos sexuais.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This