Um perfil desenhado pelo Papa

As bem-aventuranças do bispo 

| 23 Nov 21

O Papa Francisco esteve presente esta segunda-feira, na sessão inaugural da assembleia extraordinária dos bispos italianos. Os relatos que vieram a público, inclusive sobre o ambiente em que decorreu uma parte reservada da reunião, foi de escuta sinodal. Francisco não fez um discurso inicial como é da praxe e iniciou de imediato a conversa informal com os bispos. Foi neste ambiente que fez a todos a oferta de um “flyer” com a imagem do Bom Pastor e o texto das “Bem-aventuranças do bispo”, que terá elaborado com base numa homilia do arcebispo de Nápoles, segundo relata o jornal católico Avvenire. Aqui fica uma tradução provisória desse documento.

Papa Francisco esteve presente esta segunda-feira, na sessão inaugural da assembleia extraordinária dos bispos italianos. Foto: Direitos reservados.

 

“Bem-aventurado o bispo que faz da pobreza e da partilha o seu estilo de vida, porque com o seu testemunho está a edificar o reino dos céus.

“Bem-aventurado o bispo que não teme molhar o rosto com lágrimas, onde se reflitam as dores do povo e o cansaço dos sacerdotes , encontrando no abraço com quem sofre a consolação de Deus.

“Bem-aventurado o bispo que considera o seu ministério um serviço e não um poder, fazendo da mansidão a sua força, dando a todos o direito de cidadania do seu coração, de habitar nos mansos a terra prometida.

“Bem-aventurado o bispo que não se fecha nos palácios do poder, que não se torna um burocrata mais atento às estatísticas do que aos rostos, aos procedimentos do que às histórias, procurando lutar ao lado do povo pelo sonho da justiça de Deus porque o Senhor, encontrado no silêncio da oração diária, será o seu alimento.

“Bem-aventurado o bispo que tem coração para a miséria do mundo, que não tem medo de sujar as mãos com o barro da alma humana para encontrar o ouro de Deus, que não se escandaliza com o pecado e a fragilidade dos outros, porque está consciente da sua própria miséria – o olhar do Crucifixo Ressuscitado será para ele o selo do perdão infinito.

“Bem-aventurado o bispo que afasta a duplicidade do coração, que evita qualquer dinâmica ambígua, que sonha com o bem até no meio do mal, porque será capaz de se alegrar na face de Deus, detetando o seu reflexo em cada piscina da cidade dos homens.

“Bem-aventurado o bispo que trabalha pela paz, que acompanha os caminhos da reconciliação, que semeia no coração do presbitério a semente da comunhão, que acompanha uma sociedade dividida no caminho da reconciliação, que dá a mão a cada homem e a cada mulher de boa vontade para construir a fraternidade: Deus o reconhecerá como seu filho.

“Bem-aventurado o bispo que pelo Evangelho não teme ir em contracorrente, virando o rosto ‘duro’ como o de Cristo a dirigir-se a Jerusalém, sem se deixar deter por incompreensões e obstáculos, porque sabe que o Reino de Deus avança em contradição do mundo.

Para consultar o texto em italiano: https://www.agensir.it/quotidiano/2021/11/22/papa-francesco-dona-ai-vescovi-italiani-un-cartoncino-con-limmagine-del-buon-pastore-e-il-testo-delle-beatitudini-del-vescovo/ 

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero

Pedro Strecht apresentou membros

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero novidade

Daqui a um ano haverá relatório, que pode ser o fim do trabalho ou o início de mais. A comissão para estudar os abusos sexuais do clero português está formada e quer que as vítimas percam o medo, a vergonha e a culpa. Ou seja, que dêem voz ao seu silêncio. Pedro Strecht apresentou razões, o presidente dos bispos disse que não quer mais preconceitos nem encobrimentos, mas “autêntica libertação, autenticidade e dignidade para todos”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Encontra um trabalho que não amas, não perderás um minuto da tua vida

Encontra um trabalho que não amas, não perderás um minuto da tua vida novidade

Ainda antes de acabar o curso fui à minha primeira entrevista de trabalho “a sério”, numa produtora de filmes num bairro trendy de Lisboa. Roubei um dia à escrita da tese de mestrado, apanhei o comboio e lá fui eu, tão nervosa quanto entusiasmada. O dono começou por me perguntar se fazer cinema era o meu sonho. Fiquei logo sem chão. Sofri, desde muito cedo, de um mal que me acompanha até hoje: sonhava demais e muitos sonhos diferentes.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This