Música popular no Estado Novo

As canções que romperam o silêncio aflito

| 27 Nov 2022

o cantor Zeca Afonso, voz de Abril. Foto © AJA

O cantor Zeca Afonso, uma das vozes de Abril. Foto © Associação José Afonso

 

A canção apresenta-se neste livro como um objeto único para reconstituir a história cultural de uma era, como nos avisa a mensagem inscrita na contracapa. E essa época está bem definida no subtítulo deste Silêncio Aflito: “A sociedade portuguesa através da música popular (dos anos 40 aos anos 70)” — e assim está também situado o regime ditatorial do Estado Novo que oprimiu Portugal até 1974 e, à época, as então colónias.

A viagem proposta por Luís Trindade, professor universitário de História Contemporânea na Faculdade de Letras de Coimbra, não é meramente académica, é antes um objeto fascinante: através da música, das canções populares, o autor percorre os dias de chumbo de uma pobreza e atavismo tantas vezes celebrados pelo regime, para procurar descobrir quando a sociedade se apropria de canções e discos, “dando-lhes um sentido” (p.17).

É um livro de História, este, mas com a vivacidade de uma melodia (p. 16), canta-se, dança-se e “as canções formam constelações, mas só o conseguimos perceber acompanhando-as na sua circulação” (p.25), e é assim que o autor estrutura a obra: cada capítulo abre com uma canção específica, representando “alguns dos fenómenos de maior popularidade no período”. A partir dessa canção, Luís Trindade procura reconstituir as “condições sociais, comunicacionais e políticas em que as canções foram escutadas e puderam assim fazer sentido naquele contexto histórico”.

Tome nota desta breve banda sonora: Vocês sabem lá, por Maria de Fátima Bravo (1958), no capítulo que é dedicado à “música radiofónica”; a inevitável Desfolhada Portuguesa, de Simone de Oliveira (1969), com letra de Ary dos Santos, que abre o capítulo das “canções para a Eurovisão”; A Lenda de El-Rei D. Sebastião, pelo Quarteto 1111 (1968), que antecipa, 12 anos antes de Ar de Rock de Rui Veloso, o capítulo sobre “o rock em Portugal”; e Venham mais cinco, por José Afonso (1973), para a digressão sobre “a nova canção portuguesa” – e o autor reconhece que, para abrir este capítulo, podia ter escolhido Grândola, Vila Morena, a canção de Zeca que foi a senha da irreversibilidade da Revolução do 25 de Abril.

Não antecipemos remissões, citações e ilustrações, de que tão bem se serve Luís Trindade, mas como se explica são estas canções que permitem uma viagem inesperada pelo Portugal do pós-guerra, nos anos 60 e no período final do Estado Novo, com paragens longas pela economia da mulher moderna ou a popularização da música ligeira, na revisitação de Hollywood e na construção de uma história cultural do amor (e, neste caminho, a importância da criação e difusão da RTP, a partir de 1957), pela explosão dos festivais da canção e os choques futuros das culturas juvenis, com os seus concursos do ié-ié ou a folk, a música tradicional, a ajudar na renovação musical, nos finais dos anos 1960 e na década de 1970.

Silêncio Aflito

Este Silêncio Aflito é, já se disse, um retrato improvável de um país parado, sofrido e pobre, mas que num registo quase conservador vai encontrando fórmulas para escapar a interditos morais, para antecipar tendências sociais, revoluções nos costumes ou revoltas políticas. Talvez por isto, Luís Trindade tenha ido buscar o título para o seu livro a José Afonso em Que amor não me engana (do álbum Venham mais cinco): “E as vozes embarcam/ num silêncio aflito/ quanto mais se apartam/ mais se ouve o seu grito.”

 

Silêncio Aflito: A sociedade portuguesa através da música popular (dos anos 40 aos anos 70)

Autor: Luís Trindade
Edição: Tinta-da-China, 2022
496 páginas

 

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo”

Último dia na RD Congo

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo” novidade

Antes de se despedir da República Democrática do Congo (RDC), o Papa visitou na manhã desta sexta-feira, 3 de fevereiro, a sede da Conferência Episcopal do Congo (CENCO), onde se encontrou com os bispos do país. No seu discurso, desafiou-os a serem uma “voz profética” em defesa do “povo crucificado e oprimido”, e alertou-os para a tentação de “ver no episcopado a possibilidade de escalar posições sociais e exercer o poder”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Estudo decorre até 2028

A morte sob o olhar do cinema e da filosofia

O projeto “Film-philosophy as a meditation on death” (A filosofia do cinema como meditação sobre a morte), da investigadora portuguesa Susana Viegas, acaba de ser contemplado com uma bolsa de excelência do European Research Council, no valor de um milhão e setecentos mil euros, para um trabalho de equipa de cinco anos.

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências”

Encontro com consagrados

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências” novidade

Depois de ter passado a manhã com mais de 80 mil jovens e catequistas, o Papa encontrou-se na tarde desta quinta-feira, 2 de fevereiro, com cerca de 1.200 padres, diáconos, consagrados e seminaristas, na Catedral de Kinshasa. Naquele que foi o terceiro dia da sua viagem apostólica à República Democrática do Congo (RDC), véspera de rumar ao Sudão do Sul, Francisco alertou que o sacerdócio ou qualquer forma de vida consagrada não podem ser vistos como um meio para “satisfazer carências e comodidades” ou para adquirir uma melhor “posição social”.

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada

Tensão no bairro cristão de Jerusalém

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada novidade

Um americano judeu de cerca de 40 anos deitou por terra e desfigurou esta terça-feira, 2 de fevereiro, uma imagem de Cristo na capela da Condenação, situada no perímetro da Igreja da Flagelação, na Terra Santa. O ataque deu-se logo de manhã, pelas 8h30, e a destruição só não foi maior porque o porteiro do templo se lançou sobre o atacante e imobilizou-o, tendo os frades chamado a polícia. Esta levou o homem sob prisão para uma esquadra.

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes

Casos de abusos nos últimos 15 anos

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes novidade

Nos últimos 15 anos, 164 padres foram condenados por abuso sexual de menores em Itália. A listagem divulgada em conferência de Imprensa pela organização Rete L’ABUSO no dia 1 de fevereiro foi apresentada como “um inventário incompleto” dos clérigos predadores objeto de condenações definitivas, a que se juntam 88 nomes de padres sinalizados pelas suas vítimas, mas cujos casos não foram objeto de investigação criminal por já terem prescrito os crimes de que foram acusados.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This