As circunstâncias fazem os grandes líderes. Cá estão elas.

| 31 Mar 20

Europa. Instituições da União Europeia

Foto © João Catarino Campos

Faço parte de uma geração que reclama grandes líderes. Não tenho muitas dúvidas que esta reclamação é de quem vive num certo conforto. Não tive um Churchill porque não passei por uma grande guerra. Não tive um Schuman porque não era vivo quando a Europa esteve em cacos. Não tive um Sá Carneiro, Freitas do Amaral ou Mário Soares porque não era vivo quando Portugal ainda só sonhava com uma Democracia plena e funcional.

Todas estas figuras que hoje são relativamente unânimes na sociedade são porque a distância temporal engradeceu justamente o legado, mas, sobretudo, porque a história encarregou-se de colocar decisões geracionais nas mãos daquelas pessoas. Não quero com isto dizer, como é óbvio, que qualquer pessoa podia ter estado naquelas posições e que hoje o mundo seria igual; de todo. Mas não só não há termo de comparação como a própria história de hoje é altamente condicionada pelos eventos de rutura como os que enumerei acima. Pensar sobre um outro mundo com outros protagonistas ou outras circunstâncias passadas é um exercício estéril.

Hoje, em 2020, o cenário mundial não parece dar azo a otimismos. Se, no passado, Obama foi peça-chave no xadrez global para a resolução da crise, hoje não parece que possamos contar com Donald Trump. Aliás, não só não podemos contar como temos de ter um olhar atento e suspeito sobre a Administração americana, como ficou demonstrado com a sua tentativa de monopolizar a potencial vacina que um laboratório alemão estaria a desenvolver. A sul, Bolsonaro alerta para o seu historial de atleta num comunicado oficial ao país que parece ter sido retirado de um vídeo de sátira humorística. Da China, chega-nos a visão de que há a oportunidade para Xi Jiping, agora, vir salvar o mundo. Depois da forma errática com que lidou com o início da pandemia, com o abafamento de informações e repressão a especialistas que denunciaram a tragédia que aí vinha.

Seja do ponto de vista das relações multilaterais, seja do ponto de vista económico, neste momento decisivo vem mais ao de cima a simbiose entre ambos e a Europa tem de dizer presente. Temos a melhor ciência, o melhor estado social, um peso comercial brutal e a visão mais desempoeirada do mundo livre, sem medo do futuro. Isto não é uma vantagem apenas para os romancistas ou para quem vive de discursos bonitos, é uma vantagem competitiva objetiva. Há muito tempo que a temos – hoje é mais notória pelo desleixo de outros blocos regionais – e quase nunca conseguimos “vender” a nossa narrativa que se suporta em factos.

No famoso discurso de Schuman em 1950, o ministro francês dizia-nos: “A Europa não se fará de uma só vez, nem de acordo com um plano único. Far-se-á através de realizações concretas que criarão, antes de mais, uma solidariedade de facto.”

Hoje, numa realidade que chama por uma Europa que fale e aja a uma só voz, ela não se pode limitar a uma resposta económica coordenada para enfrentar uma crise que se avizinha. Isso parece-me o mínimo. Caso assim não seja, talvez percamos definitivamente a batalha para os nacionalistas ou outros senhores especialistas em respostas simples. É essencial discutirmos o tamanho da “bazuca”, as formas de apoio ao emprego e às pequenas e médias empresas, os instrumentos financeiros a utilizar e sob que moldes. E, no caminho, conseguir mostrar aos italianos, aos espanhóis e a todos os europeus que é a Europa que não só nos pode tirar da crise em que estamos, como é ela que pode colocar o Velho Continente numa liderança global nos mais diversos níveis.

Porque nesta disputa intergovernamental interna, que tantas vezes fez avançar a região como também, por vezes, a empatou, tem de haver a certeza de que todos os 27 ganham com a existência da União Europeia. Hoje, a margem de erro é menor do que aquela que existia em 2010.

Aprendamos com os erros do passado e percebamos que não há União Europeia sem o suporte popular. Aguardo o rasgo dos líderes de hoje. As circunstâncias chegaram. Para que daqui a uns anos possa contar aos meus netos como os líderes europeus responderam à crise de 2020 da mesma forma que ouvi dos meus pais os sucessos do 25 de abril ou da entrada na CEE.

 

João Catarino Campos é estudante de Economia no ISEG – Lisbon School of Economics and Management e vice-presidente da comissão executiva do Conselho Nacional de Debates Universitários. joaopccampos24@gmail.com

Artigos relacionados

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Quem conhece o Enzo Bianchi, quem já se refletiu naqueles olhos terríveis de fogo, como são os olhos de um homem “que viu Deus”, sabe do seu caráter enérgico, por vezes tempestuoso, firme, de quem não tem tempo a perder e que por isso urge falar sempre com parresía, isto é, com franqueza, com verdade. Enzo habitou-nos a isso, habituou os monges e as monjas de Bose a isso. O exercício da autoridade, a gestão do governo e o clima fraterno da Comunidade sempre tiveram a sua marca, esta marca.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Igreja Católica contesta alteração da lei de biotecnologia na Noruega

Um comité de especialistas da diocese de Oslo acusa a alteração à lei da biotecnologia, aprovada na semana passada pelo parlamento norueguês de “abolir os direitos das crianças” e “abrir caminho à eugenia”, dando a possibilidade de, mediante testes pré-natais precoces, fazer abortos nos casos em que o feto apresente patologias ou seja de um sexo diferente do desejado pelos futuros pais.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

Pode parecer estranho, mas é verdade: muitas pessoas na Alemanha, em particular as mais jovens, nunca conheceram judeus, a não ser pelos livros de História. Para aumentar a exposição e o contacto com esta comunidade, que atualmente corresponde a menos de 0,2% da população daquele país, o Conselho Central de Judeus lançou o projeto “Conhece um Judeu”, que vai apresentar judeus a não judeus e pô-los a conversar.

É notícia

Entre margens

Um planeta é como um bolo novidade

O planeta Terra tem registado emissões de dióxido de carbono bastante mais reduzidas nestes primeiros meses do ano. Não porque finalmente os decisores e líderes políticos consideraram cumprir o Acordo de Paris, não por terem percebido as consequências trágicas de um consumo insustentável de recursos para onde o modelo económico e de vida humana no planeta nos leva, mas devido à tragédia da pandemia que estamos a viver.

Violência contra as Mulheres: origens

Olhando para os dados neste contexto de pandemia, mais uma vez dei por mim a pensar de onde virá a persistência estrutural do fenómeno da violência doméstica e de género, esta violência que assenta num exercício de poder exacerbado, descontrolado, total, de alguns homens em relação às suas companheiras, em que elas não são mais do que um objeto de posse sobre o qual se pode tudo.

Credo

O Deus em que acredito não é pertença de ninguém, não tem registo, é sem patente. É polifónico, é um entrecruzar de escolhas e de acasos, de verdades lidas nos sinais dos tempos, de vida feita de pedaços partilhados e também de sonhos.

Cultura e artes

Diálogos com Paulo Freire

Trata-se de dois livros inspirados na filosofia de Pauloreire, a quem de há largos anos chamo meu “Mestre”: o primeiro, de Christopher Damien Auretta, Diz-me TU quem EU sou: Diálogo com Paulo Freire. O segundo, do mesmo autor com João Rodrigo Simões: Autobiografia de uma Sala de Aula: Entre Ítaca e Babel com Paulo Freire (Epistolografia).

“Travessia com Primavera”, um exercício criativo diário

O desafio partiu da Casa Velha, associação de Ourém que liga ecologia e espiritualidade: um exercício artístico e criativo diário, a partir da Bíblia. Sandra Bartolomeu, irmã das Servas de Nossa Senhora de Fátima, apaixonada pela pintura, aceitou: “Algo do género, entre a oração e o desenho – rezar desenhando, desenhar rezando ou fazer do desenho fruto maduro da oração – já emergia em mim como um apelo de Deus, convite a fazer do exercício do desenho e da criação plástica meio para contemplar Deus e dar concretude à sua Palavra em mim”, diz a irmã Sandra. O 7MARGENS publica dez aguarelas resultantes desse exercício.

A poesia é a verdade justa

“A coisa mais antiga de que me lembro é dum quarto em frente do mar dentro do qual estava, poisada em cima duma mesa, uma maçã enorme e vermelha”, escreve Sophia de Mello Breyner na sua Arte Poética III. Foi destas palavras que me lembrei ao ver o filme Poesia do sul coreano Lee Chang-dong, de 2010

Hinos e canções ortodoxas e balcânicas para a “Theotokos”

Este duplo disco, Hymns and Songs to the Mother of God reúne, como indicado no título, hinos bizantinos (o primeiro) e canções tradicionais (o segundo), dedicados à Mãe de Deus. O projecto levou três anos a concretizar, entre a recolha, estudo e gravação, como conta a própria Nektaria Karantzi na apresentação.

Sete Partidas

Retrospectiva

Regresso algures a meados de 2019, vivíamos em Copenhaga, e recupero a sensação de missão cumprida, de alguma forma o fechar de um ciclo ao completarmos 10 anos de vida na Dinamarca e nos encontrarmos em modo de balanço das nossas vidas pessoais, profissionais e também da nossa vida interior. Recordo uma conversa com uma querida amiga, onde expressei desta forma o meu sentimento: “a nossa vida aqui é boa, confortável, organizada, segura, previsível, mas não me sinto feliz.”

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco