“As feridas da guerra não acabam como quem fecha uma torneira” diz bispo moçambicano

| 20 Fev 19

Religiões em Moçambique. Gráfico © Fundação AIS

“As feridas da guerra não acabam como quem fecha uma torneira” diz o bispo de Inhambane (Moçambique), Adriano Langa, em entrevista à fundação AIS, em relação às sequelas de longos anos de conflito armado que ainda são visíveis naquele país africano. 

A guerra civil de Moçambique durou de 1977 a 1992 e fez cerca de milhão de mortos e mais de cinco milhões de deslocados. Em 1992 foi celebrado um acordo de paz sob a égide da Comunidade de Sant’Egídio mas, segundo o bispo, ainda há muito caminho a percorrer até que se possa viver efetivamente em paz: “Ainda há sequelas, há efeitos da guerra colonial, da independência e da guerra civil, da tensão política que se viveu desde os anos 2014 e 2015… e vai levar muito tempo até acabar. Não é uma coisa visível, mas ainda existe.”

Desde outubro de 2017 que o norte do país tem estado sob uma onda de violência, com ataques particularmente graves a aldeias, com casas destruídas e mortes. Calcula-se que já tenham sido assassinados mais de 150 moçambicanos nestes ataques cujas razões são desconhecidas e o bispo de Inhambane expressa a sua preocupação: “São pessoas que morrem ou ficam com as vidas destruídas… Quando se destrói uma casa, uma aldeia, é a vida que é destruída. A Igreja está preocupada e esperamos que as coisas se esclareçam e sobretudo que acabem. Estamos ansiosos de ver isso acontecer. Que acabem (os ataques) pois tem sido muito violenta, muito dura esta situação.”

No Natal do ano passado, realizou-se mesmo um peditório a favor das famílias que mais têm sofrido com estes ataques na província de Cabo Delgado. O importante, sublinha o bispo Langa, “é mostrar, de facto, com esses gestos, a proximidade da Igreja”.

Também fruto da guerra civil foi a pobreza, já previamente referida pelo presidente da Cáritas, o bispo Alberto Vera. Moçambique chegou a ser considerado o país mais pobre do mundo e, apesar de hoje em dia não ser essa a realidade, Adriano Langa afirma que é algo que ainda afeta bastante as zonas rurais: “Quando não há estradas, a circulação torna-se deficiente e isso acontece em Moçambique. O norte produz muito mas os produtos não conseguem chegar até ao sul porque as vias de comunicação são deficientes.”

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

Breves

Dia 4 de outubro

Filme “A Carta” exibido em Campo de Ourique

O documentário “A Carta” que relata a história da Encíclica Laudato Si’, recolhe depoimentos de vários ativistas do clima e tem como estrela principal o próprio Papa Francisco vai ser exibido no auditório da Escola de Hotelaria e Turismo na terça-feira, dia 4 de outubro, às 21h15.

Boas notícias

Apoio escolar a crianças de Cabo Delgado

Cristãos e muçulmanos juntos

Apoio escolar a crianças de Cabo Delgado

A tragédia que ocorre na província moçambicana de Cabo Delgado em consequência de ataques de insurgentes que se reivindicam do jihadismo obriga, constantemente, a rever o número de mortos e de deslocados. Mas também impõe que se olhe com muita atenção para o trabalho de apoio aos que se apresentam numa situação mais vulnerável

É notícia 

Entre margens

John Rawls: a religião nos limites da razão

John Rawls: a religião nos limites da razão novidade

John Rawls nasceu há pouco mais de 100 anos (21.2.1921) e A theory of justice, a sua obra mais conhecida e seguramente o mais importante tratado de filosofia política de todo o século XX, data de 1971. Duas datas que os amantes da liberdade e da democracia política têm abundantes razões para celebrar, mas quase despercebidas na imprensa e na pomposamente chamada academia, territórios onde a razão serena vem tendo evidente dificuldade em singrar.

Como árvores desfolhadas

Como árvores desfolhadas

Um dia destes, alguém chamou a minha atenção para as duas árvores defronte à minha casa. Duas árvores da mesma natureza; mas enquanto uma delas estava coberta de folhas, a outra estava desfolhada.

Tecnologia: do centro e das margens

Tecnologia: do centro e das margens

Para sair do centro para a periferia, não basta uma conversão espiritual, é necessária uma revolução tecnológica, que não é digital. Porque quem usar na periferia as técnicas do centro pode acabar eletrocutado, perdão, sociocutado.

Cultura e artes

Os Evangelhos Apócrifos traduzidos por Frederico Lourenço

Pré-publicação 7M

Os Evangelhos Apócrifos traduzidos por Frederico Lourenço novidade

Frederico Lourenço, que tem estado a traduzir a Bíblia, num projeto muito aplaudido, apresenta agora a tradução para português dos evangelhos apócrifos, a partir das línguas originais – latim e grego. Combatidos a partir do século IV e excluídos a partir do século XVI, estes evangelhos apócrifos são agora reunidos numa edição bilingue. Pré-publicação.

Sete Partidas

Vigília

Vigília

Cai a noite. Esta noite é em Berlim. As noites são agora aqui, mas já foram em Coimbra, no Porto, em Lisboa. E estas noites acontecem em todo o mundo, disso tenho a certeza. O que faz um(a) médico(a) passar a noite à volta de um doente que sabe que, após uma primeira avaliação, é quase certo que não vai sobreviver? É quase certo.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This