“As feridas da guerra não acabam como quem fecha uma torneira” diz bispo moçambicano

| 20 Fev 19 | Cooperação e Solidariedade, Igreja Católica, Últimas

Religiões em Moçambique. Gráfico © Fundação AIS

“As feridas da guerra não acabam como quem fecha uma torneira” diz o bispo de Inhambane (Moçambique), Adriano Langa, em entrevista à fundação AIS, em relação às sequelas de longos anos de conflito armado que ainda são visíveis naquele país africano. 

A guerra civil de Moçambique durou de 1977 a 1992 e fez cerca de milhão de mortos e mais de cinco milhões de deslocados. Em 1992 foi celebrado um acordo de paz sob a égide da Comunidade de Sant’Egídio mas, segundo o bispo, ainda há muito caminho a percorrer até que se possa viver efetivamente em paz: “Ainda há sequelas, há efeitos da guerra colonial, da independência e da guerra civil, da tensão política que se viveu desde os anos 2014 e 2015… e vai levar muito tempo até acabar. Não é uma coisa visível, mas ainda existe.”

Desde outubro de 2017 que o norte do país tem estado sob uma onda de violência, com ataques particularmente graves a aldeias, com casas destruídas e mortes. Calcula-se que já tenham sido assassinados mais de 150 moçambicanos nestes ataques cujas razões são desconhecidas e o bispo de Inhambane expressa a sua preocupação: “São pessoas que morrem ou ficam com as vidas destruídas… Quando se destrói uma casa, uma aldeia, é a vida que é destruída. A Igreja está preocupada e esperamos que as coisas se esclareçam e sobretudo que acabem. Estamos ansiosos de ver isso acontecer. Que acabem (os ataques) pois tem sido muito violenta, muito dura esta situação.”

No Natal do ano passado, realizou-se mesmo um peditório a favor das famílias que mais têm sofrido com estes ataques na província de Cabo Delgado. O importante, sublinha o bispo Langa, “é mostrar, de facto, com esses gestos, a proximidade da Igreja”.

Também fruto da guerra civil foi a pobreza, já previamente referida pelo presidente da Cáritas, o bispo Alberto Vera. Moçambique chegou a ser considerado o país mais pobre do mundo e, apesar de hoje em dia não ser essa a realidade, Adriano Langa afirma que é algo que ainda afeta bastante as zonas rurais: “Quando não há estradas, a circulação torna-se deficiente e isso acontece em Moçambique. O norte produz muito mas os produtos não conseguem chegar até ao sul porque as vias de comunicação são deficientes.”

Artigos relacionados

Breves

Cordão humano pelo direito a horários dignos e compatíveis com vida familiar

Um cordão humano de trabalhadores do comércio e serviços manifestou-se nesta quinta-feira, 12, diante do centro comercial Vasco da Gama, em Lisboa, a pedir horários dignos, a conciliação entre a vida profissional e familiar e melhores salários. Na acção de sensibilização, organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP), filiado na CGTP-IN, os trabalhadores empunharam faixas e distribuíram panfletos contestando a “violência e desumanização dos horários de trabalho” que impedem muitos de acompanhar os filhos menores, por exemplo.

Formação sobre cuidador informal começa em Lisboa

Consciencializar todos os que se confrontam com familiares em situações limite de dependência e doença prolongada é um dos objectivos principais da formação sobre cuidadores informais promovida pela paróquia de São Lourenço de Carnide (Igreja de Nossa Senhora da Luz), que nesta quinta-feira, 12 de Dezembro, se inicia em Lisboa.

Formação avançada em património religioso lançada na Católica

A Faculdade de Ciências Humanas (FCH) da Universidade Católica Portuguesa e o Departamento de Turismo do Patriarcado de Lisboa organizaram um programa de formação avançada em Turismo e Património Religiosos, com o objetivo de “promover a aquisição de competências nos domínios do conhecimento e divulgação do património artístico religioso da diocese de Lisboa”.

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Porque quererá alguém estudar teologia?

O livro que estamos aqui a apresentar comemora os 50 anos de uma Faculdade de Teologia, e da única que existe em Portugal. Quando li o livro achei que era uma óptima oportunidade para tornar explícitas várias perguntas. São perguntas que me parecem importantes, nomeadamente: para que serve estudar teologia? E, o que é exactamente estudar teologia? Não é preciso ser-se professor de teologia para achar estas perguntas difíceis, e aproveitar e agradecer a oportunidade de lhes tentar responder em público.

O terror nazi: “Todos devem saber tudo”

Uma notícia que li esta semana no Der Spiegel descreve cenas de puro horror. Mas o mundo não pode esquecer o que aconteceu há 75 anos num dos países mais evoluídos do mundo. Temos de saber, temos de estar bem conscientes daquilo de que podemos ser capazes quando atribuímos a pessoas de certos grupos categorias que lhes sonegam a dignidade dos humanos.

Teocracia? Não, obrigado!

Ainda estamos a tempo de aprender que nenhuma teocracia é melhor do que a outra. Não importa se é islâmica, judaica, cristã ou outra qualquer. Definitivamente, não.

Cultura e artes

Reclusos integram quadros do Presépio Vivo de Priscos novidade

O envolvimento de reclusos detidos no Estabelecimento Prisional de Braga é uma das marcas que, à semelhança das edições anteriores, está de novo presente na 14ª edição do “Presépio Vivo”, de Priscos (concelho e diocese de Braga), inaugurada neste domingo, 14 de Dezembro.

Sophia lida pelos mais novos (5) – A Árvore

Uma árvore de que as pessoas gostam, que se transforma em sombra demasiada, que é cortada e partilhada, que se transforma em memória e cantiga, num barco grande ou em cerejeiras… A Árvore, um dos contos infantis de Sophia de Mello Breyner, é hoje aqui recontada com textos e ilustrações de alunos do 4º ano, turma C, da Escola Básica Bom Pastor (Porto). 

Como a luz de Lisboa fez a foto de Greta na capa da “Time”

Greta Thunberg, a jovem activista sueca que tem mobilizado milhões de pessoas em todo o mundo contra as alterações climáticas, foi a personalidade do ano escolhida pela Time. À notícia, conhecida nesta quarta-feira, 11 de Dezembro, acrescenta-se o pormenor de que a foto da capa, realizada pela russa Evgenia Arbugaeva, foi feita na costa atlântica entre Lisboa e Cascais.

Sophia lida pelos mais novos (5) – A Árvore

Uma árvore de que as pessoas gostam, que se transforma em sombra demasiada, que é cortada e partilhada, que se transforma em memória e cantiga, num barco grande ou em cerejeiras… A Árvore, um dos contos infantis de Sophia de Mello Breyner, é hoje aqui recontada com textos e ilustrações de alunos do 4º ano, turma C, da Escola Básica Bom Pastor (Porto). 

Sete Partidas

Dos imigrantes europeus ao P. Joaquim Alves Correia, uma universidade nos EUA

A história desta Universidade americana faz-nos recuar ao fim do século XIX. Nada melhor que percorrer o seu vastíssimo campus para saber quando tudo começou. Uma enorme placa à entrada da Reitoria explica que foi fundada pelos Missionários do Espírito Santo em 1878, incorporada no Pittsburg Catholic College em 1882 e chamada ‘Duquesne University’ em 1911. A poucos metros, mesmo na entrada da Igreja da Universidade, está a estátua do seu fundador: o padre Joseph Strub, missionário alemão.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Dez
16
Seg
Cristianismo e islão: as possibilidades do diálogo – Conversa com o padre Joaquim Cerqueira Gonçalves, OFM @ Biblioteca Vítor de Sá (Sala Bib.2.7) - Universidade Lusófona
Dez 16@18:00_19:30

Encontro a pretexto dos 800 anos do encontro entre São Francisco de Assis e o Sultão Al-Kamil (1219-2019)

Dez
18
Qua
Inauguração do Memorial evocativo de Sophia de Mello Breyner Andresen, com azulejos de Menez @ Estação Marítima de Belém
Dez 18@12:00_13:00
Jan
3
Sex
Conferência sobre frei Agostinho da Cruz (1540 – 1619), pelo cardeal José Tolentino Mendonça @ Salão Nobre da Câmara Municipal de Setúbal
Jan 3@16:30_17:30

Ver todas as datas

Fale connosco