Semana Santa em Taizé

As Fontes do Amor

| 8 Abr 2023

Um grupo de jovens de Lisboa esteve em Taizé a viver a Semana Santa que termina com este Domingo de Páscoa. Rita Sousa, enfermeira, membro do Corpo Nacional de Escutas, escreveu para o 7MARGENS este testemunho sobre a experiência vivida estes dias na pequena aldeia da Borgonha, onde reside a comunidade monástica de monges católicos e de diferentes denominações evangélicas e reformadas.

Taizé

Oração em Taizé: “É nesta partilha vulnerável que construímos pontes e que podemos caminhar juntos rumo a uma verdadeira experiência de unidade.” Foto © Comunidade de Taizé

 

Hoje, Sexta-feira Santa, encontro-me em Taizé e pedem-me que partilhe o sentido que esta presença tem na minha vida.

Gostava de começar a minha reflexão por dizer que, num ponto de vista muito simples e prático, venho a Taizé trabalhar e aprofundar a minha dimensão espiritual.

De facto, enquanto jovem mulher católica, tenho-me debatido com a diferença entre dois conceitos: o de religião e o de espiritualidade. Acredito que os dois se interligam, mas que não dependem necessariamente um do outro para existir. Idealmente, veria a religião como um meio para viver a espiritualidade. Mas compreendo que é perfeitamente possível viver a espiritualidade sem se ser religioso (quantas vezes encontramos valores cristãos em não crentes!), mas que também é possível estarmos completamente dentro da religião e nunca termos descoberto a nossa dimensão espiritual (falo aqui de uma rigidez que fica presa nos dogmas e rituais da Igreja, sem os compreender e fechando-se ao mundo exterior).

Tenho de confessar que a procura por um sentido de espiritualidade mais profundo não é, habitualmente, um caminho fácil. Se por um lado acredito que a fé faz apenas sentido ser vivida em comunidade, por outro compreendo que as paróquias locais nem sempre dão resposta a esta necessidade espiritual.

Taizé surge como uma fonte, pronta a acalmar a nossa sede interior. Uma fonte tão rica, que é possível encher uns quantos cântaros para levar de volta a casa e partilhar desta água com quem fica na comunidade.

E de volta a casa temos a oportunidade de nos tornarmos testemunhas do amor de Cristo. Aliás, é frequente questionarem-me sobre o porquê de ser crente, particularmente cristã. A este pedido de definição do que é ser cristão, respondo sempre o mesmo: ser cristão é viver por amor, com amor. É fazer do amor o valor mais alto da vida. O amor a Deus, ao próximo, à natureza.

E particularmente na Semana Santa, tendo a oportunidade de a passar na colina de Taizé, experimentamos, mais intensamente o amor que Cristo nos ofereceu nos seus últimos dias de vida terrena. Passar aqui a Semana Santa é sentir a Graça da certeza de ser amada por Ele e, assim, a certeza de nunca estar sozinha.

 

O sentido de unidade e comunhão

Taizé, Lava-pés

“Vir a Taizé nos pode ajudar a estar disponíveis para viver uma verdadeira experiência de comunidade, quando voltamos a casa.” Foto: Lava-pés.© Comunidade de Taizé

É certo que quando falamos do Amor de Deus, não o podemos dissociar do amor ao próximo, que tem na Comunidade o meio ideal para crescer e dar frutos. E é com uma pequena reflexão sobre comunidade que gostava de terminar.

Num tempo em que nos deparamos com Igrejas cada vez mais vazias, e que assistimos a um “êxodo” massivo do povo de Deus, seria importante refletir na sua causa: certamente que os escândalos dos abusos e crimes cometidos no seio da Igreja dão o incentivo para muitos decidirem, envergonhados, afastar-se de uma instituição que julgam já não partilhar os mesmos valores. Mas se formos justos, percebemos que muito antes destes escândalos terem sido expostos, este “êxodo” já estava a acontecer: muitas paróquias já tinham visto a sua assembleia reduzida, muitos jovens como eu já se tinham afastado, e o senso de comunidade e união já não era partilhado pela totalidade das paróquias. Será então que o que provocou primeiramente este afastamento não terá fundamento na falta de unidade entre os cristãos?

Gosto de vir a Taizé para viver exatamente este sentido de unidade, de comunhão. Encontro aqui um espaço seguro, onde me sinto verdadeiramente acolhida e onde sinto que todos são bem-vindos, na unidade. Aqui não se procura escolher os merecedores, mas antes acalmar a sede de todos aqueles que se encontram à procura – não se trata de um prémio, mas antes de sermos acolhidos com amor, independentemente de todas as nossas falhas.

Acredito que vir a Taizé nos pode ajudar a estar disponíveis para viver uma verdadeira experiência de comunidade, quando voltamos a casa. Principalmente, levo coragem – a coragem de trabalhar para a unidade. Coragem porque não basta estarmos disponíveis para o serviço, para dar, para amar o próximo. É preciso também tornarmo-nos vulneráveis, é preciso que sejamos capazes de deixarmo-nos ser ajudados, que nos permitamos também a ser amados.

Acredito profundamente que é nesta partilha vulnerável que construímos pontes e que podemos caminhar juntos rumo a uma verdadeira experiência de unidade, uma verdadeira experiência de paz.

Taizé (França), 7 de Abril de 2023

 

Rita Sousa integra o Corpo Nacional de Escutas e é enfermeira

 

sobre as águas

sobre as águas novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo XII do Tempo Comum B. ⁠Hospital de Santa Marta⁠, Lisboa, 22 de Junho de 2024.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Na Casa de Oração Santa Rafaela Maria

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Estamos neste mundo, não há dúvida. Mas como nos relacionamos com ele? E qual o nosso papel nele? “Estou neste mundo como num grande templo”, disse Santa Rafaela Maria, fundadora das Escravas do Sagrado Coração de Jesus, em 1905. A frase continua a inspirar as religiosas da congregação e, neste ano em que assinalam o centenário da sua morte, “a mensagem não podia ser mais atual”, garante a irmã Irene Guia ao 7MARGENS. Por isso, foi escolhida para servir de mote a uma tarde de reflexão para a qual todos estão convidados. Será este sábado, às 15 horas, na Casa de Oração Santa Rafaela Maria, em Palmela, e as inscrições ainda estão abertas.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This