À margem do Fórum de Davos

As freiras que puseram multinacionais a lutar contra a pobreza

| 30 Mai 2022

 As irmãs Ruth Pilar del Mora (2ª à esquerda) e Patricia Murray (dirª), em Davos: vozes em defesa dos mais pobres. Foto: Direitos reservados.

As irmãs Ruth Pilar del Mora (2ª à esquerda) e Patricia Murray (dirª), em Davos: vozes em defesa dos mais pobres. Foto: Direitos reservados.

 

As irmãs Ruth Pilar del Mora, conselheira missionária do Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora, originária da Colômbia, e Patricia Murray, secretária executiva da União Internacional dos Superiores Gerais (UISG), tiveram um encontro com os executivos da multinacional britânica Unilever, que detém mais de 400 marcas no sector alimentar e de cuidados pessoais, para lhes pedir apoio na realização de projectos de luta contra a pobreza.

O encontro decorreu à margem do Fórum Económico Mundial, que decorreu na semana passada (de 22 a 26 de Maio) em Davos, na Suíça. “Lançámos uma parceria entre a Unilever e o Fundo de Solidariedade Global na Colômbia. O objectivo é um projecto de integração de migrantes e refugiados no mundo do trabalho”, explica Marta Guglielmetti à revista Popoli i Missioni, das Sociedades Pontifícias de Missão em Itália. Guglielmetti é a directora executiva do Fundo de Solidariedade Global, fundado em 2019 como um catalisador de várias organizações católicas a favor dos mais pobres.

Citada no serviço informativo das Obras Missionárias Pontifícias, Guglielmetti refere ainda como exemplo de boas práticas o que foi feito em Adis Abeba, Etiópia, com um projecto no hospital das Irmãs de Madre Teresa de Calcutá, para a integração de antigos pacientes no mundo do trabalho. “Não só queríamos curar as pessoas”, explica, “mas também ajudá-las a sair da armadilha da pobreza”.

Assim se fez, acrescenta: “Quando os pacientes são admitidos no hospital, a sua doença é diagnosticada, mas as suas competências profissionais são também analisadas.” A irmã Marila, provincial das Missionárias da Caridade da Madre Teresa em Adis Abeba, é uma das que trata pessoas com lepra e tuberculose, que vivem condições económicas difíceis.

Uma vez recuperados, os ex-pacientes são colocados em cursos vocacionais dirigidos pelas irmãs salesianas e pouco tempo depois começam a trabalhar: uma forma de viver uma vida digna.

Várias organizações cristãs e católicas, ONG e outras marcaram presença na cimeira “informal” paralela ao Fórum Económico Mundial, de modo a apresentar um modelo económico alternativo que coloque as pessoas no centro da economia.

O Fundo de Solidariedade Global, inspirado pelo Papa Francisco, juntamente com a Fundação Conrad N. Hilton, que financia projectos de freiras católicas em todo o mundo, convocou a iniciativa “Promoção da Liderança Corajosa: Levantar Vozes a partir das Margens”, em paralelo ao fórum. O objectivo do encontro das religiosas católicas com os líderes dos sectores público, privado e sem fins lucrativos era ouvir e aprender directamente com a forma como estas missionárias, que estão na linha da frente, estão a enfrentar desafios como os cuidados de saúde, migração e tráfico de seres humanos, conta a mesma fonte.

Inspirado pelas propostas do Papa Francisco, o Fórum de Solidariedade Global procura criar uma rede no sector privado, no sector do desenvolvimento e nas comunidades católicas para apoiar os mais vulneráveis. Guglielmetti explica que, neste último Fórum, a intenção foi mesmo dar voz a estas irmãs e missionárias que “nos países pobres, conhecem de perto as necessidades do povo e têm também uma grande capacidade de liderança porque têm uma ‘visão’ para o futuro”.

“Foi a primeira vez que aqueles que vivem e trabalham em países à margem da economia mundial, como os missionários, intervêm em Davos, encontrando-se com representantes de grandes empresas. A Igreja está presente no Fórum Económico Mundial, mas de forma institucional, mas neste caso trouxemos a voz das pessoas que vivem nas margens.”

 

Sida: 60% das crianças entre os 5 e os 14 anos sem acesso a tratamentos

Relatório da ONU alerta

Sida: 60% das crianças entre os 5 e os 14 anos sem acesso a tratamentos novidade

O mais recente relatório da ONUSIDA, divulgado esta terça-feira, 29 de novembro,  é perentório: “o mundo continua a falhar à infância” na resposta contra a doença. No final de 2021, 800 mil crianças com VIH não recebiam qualquer tratamento. Entre os cinco e os 14 anos, apenas 40% tiveram acesso a medicamentos para a supressão viral. A boa notícia é que as mortes por sida caíram 5,79% face a 2020, mas a taxa de mortalidade observada entre as crianças é particularmente alarmante.

Gracia Nasi, judia e “marrana”

Documentário na RTP2

Gracia Nasi, judia e “marrana” novidade

Nascida em Portugal em 1510, com o nome cristão de Beatriz de Luna, Gracia Nasi pertencia a uma uma família de cristãos-novos expulsa de Castela. Viúva aos 25 anos, herdeira de um império cobiçado, Gracia revelar-se-ia exímia gestora de negócios. A sua personalidade e o destino de outros 100 mil judeus sefarditas, expulsos de Portugal, são o foco do documentário Sefarad: Gracia Nasi (RTP2, 30/11, 23h20).

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This