As igrejas cristãs, o trumpismo e o assalto ao Capitólio (2): e agora, como criar um clima de inclusão e unidade?

| 10 Jan 21

O que se passou no dia 6, com o assalto planeado ou pelo menos induzido ao Congresso dos Estados Unidos, do ponto de vista da “invocação do nome de Deus” e da instrumentalização da fé para uma missão definida pelo ainda atual ocupante da Casa Branca? Uma análise do 7MARGENS ao acontecimento e às suas consequências no interior das igrejas cristãs nos Estados Unidos e na sua relação com a sociedade. A primeira parte deste trabalho pode ser lida aqui.

Assalto ao Capitólio 6 Janeiro 2021, EUA

Assalto ao Capitólio no dia 6, com uma faixa usada pelos manifestantes a dizer “Jesus 2020”: vários cristãos  preferiram apoiar ou calar-se perante Trump, pelas vantagens que receberam ou pela concordância em matérias como o aborto. Foto © Hamil Harris/Religion Unplugged, cedida pelo editor ao 7MARGENS.

 

A “Marcha para Salvar a América”, do passado dia 6, foi aquecida pela instigação do ainda Presidente dos Estados Unidos a ir para o Capitólio “lutar” e impedir a consumação daquilo que entendia ser um roubo do seu segundo mandato. A iniciativa resultou em violência e destruição sem precedentes.

Entre as dezenas de milhares de apoiantes nacionalistas que se congregaram viu-se de tudo. Grupos radicais, extremistas, supremacistas, anti-Black Lives Matter, mas também muita gente conservadora moderada que acredita piamente no ainda Presidente. Na hora de cercar o Capitólio, para fazer o Congresso dobrar-se às pretensões de Trump, houve quem se inspirasse no cerco de Jericó, relatado no Antigo Testamento, houve quem invocasse a intervenção de Cristo para salvar a nação e houve quem rezasse o terço para que se operasse o milagre do reconhecimento da vitória de Trump.

Não é, ainda, de todo claro quem são as centenas de “guerreiros” – assim lhes chamou o Presidente e eles assumiram o papel – que, arrombando portas, subindo paredes e recorrendo a escadas que ali oportunamente apareceram, afrontaram o frágil dispositivo de segurança que estava montado e irromperam pelo Capitólio dentro. A verdade é que, para além de tudo o que se passou, cinco pessoas perderam a vida e várias dezenas ficaram feridas.

Perante a violência real e simbólica das imagens do que sucedeu – a confiança e arrogância dos invasores era tal que eles próprios foram fazendo a cobertura, alguns em direto – praticamente todos repudiaram a violência. Os responsáveis religiosos de diferentes confissões cristãs apelaram à oração dos fiéis, e, em cima dos acontecimentos, vários foram mais longe, exigindo a Trump que desmobilizasse os seus apoiantes.

A posição assumida ainda no dia 6 pelo presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos, o arcebispo José H. Gomez, é cautelosa, exprimindo as profundas divisões que nesta matéria trespassam o episcopado do país: “Junto-me – escreveu ele em comunicado – a todas as pessoas de boa vontade na condenação da violência de hoje, no Capitólio. Não é isto que somos enquanto americanos.”

Dizendo rezar por quem sofreu e teve de lidar com esta invasão, o arcebispo Gomez acrescenta: “A transição pacífica de poder é uma marca distintiva desta grande nação. Neste momento de perturbação, temos de comprometer-nos com os valores e os princípios da nossa democracia e unir-nos como nação una em Deus.”

 

A cumplicidade de setores católicos e o que farão agora as igrejas?
assalto ao Capitólio, EUA

Um cartaz no assalto ao Capitólio dos EUA: “Mantenham-se firmes, patriotas. Deus vence.” Foto reproduzida do Twitter pelo Religion Unplugged

 

Os setores religiosos mais fundamentalistas e seguidores de Trump procuraram enfatizar outros aspetos, sugerindo ou mesmo afirmando, ainda que sem evidências, que poderão ter sido militantes antifascistas (‘antifas’) disfarçados que se infiltraram no meio dos invasores do Congresso. “Desobedecer e agredir a polícia é pecado, quer ele seja praticado pelo movimento Antifa quer por republicanos furiosos”, escreveu no Twitter Robert Jeffress, pastor sénior da Primeira Igreja Batista de Dallas, citado no Religion News Service.

“A violação armada da segurança do Capitólio por trás de uma bandeira confederada é anarquia antiamericana, traição criminosa e terrorismo doméstico. O Presidente Trump deve dizer claramente aos seus partidários ‘Perdemos. Agora vão para casa’”, escreveu, por sua vez, o pastor Rick Warren, da MegaChurch da Califórnia.

No campo católico, destacam-se as influentes páginas “trumpistas” como Church Militant, que considerou, no Twitter o que se passou no Capitólio como “um ato de patriotas americanos”, ou o LifeSiteNews, de extrema-direita, que disse serem os participantes da Marcha “pessoas que amam a Deus e amam seu país”. O mesmo se poderá dizer da rede de televisão católica EWTN (Eternal Word Television Network).

Em registo bem diferente, posicionou-se a Pax Christi – EUA, ao defender que o Presidente Trump e seus apoiantes “devem ser responsabilizados pelas ações” no Congresso. Os eventos que o mundo testemunhou são, para o diretor executivo da organização, Johnny Zokovitch, “o resultado da demagogia de um homem, o Presidente Trump, e do fracasso de todos aqueles – políticos, média, família e outros – que desculparam, ignoraram, dispensaram ou encorajaram a retórica do ódio e da divisão que definiu o mandato deste Presidente”.

Vai no mesmo sentido a posição do jornal National Catholic Reporter, ao defender, em editorial já citado na primeira parte deste texto ser imperioso que os católicos “confessem a sua cumplicidade no golpe falhado” do Congresso, pela força que deram ao Presidente Trump, a começar pela Conferência Episcopal.

Perante um Presidente que, em lugar de unir, dividiu a sociedade, fechou as portas aos imigrantes, propagou a mentira, pôs em causa a democracia e acicatou a violência, várias igrejas preferiram apoiá-lo ou calar-se, pelas vantagens que receberam ou pela concordância em matérias como o aborto. Como vão agora inserir-se no novo quadro político, super-polarizado? Como irão participar na criação de um clima de confiança, de inclusão e de unidade?

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

O Mercado e o Templo (15): Quando o conhecimento era um bem comum e gratuito

O Mercado e o Templo (15): Quando o conhecimento era um bem comum e gratuito novidade

As proibições teológicas souberam gerar meios de liberdade para mercadores e intelectuais, como seguros e universidades. A antiga cultura sabia que bem precioso, mesmo divino, era o conhecimento e protegia-o do lucro. Agora, na lógica do capitalismo, vêem-se apenas custos e benefícios. Este é o décimo quinto dos textos da série de crónicas que o 7MARGENS publica todas as quartas-feiras e sábados, da autoria de Luigino Bruni.

Breves

“Tragédia brasileira: risco para a casa comum?”

  Entre os dias 4 e 6 de Maio (terça a quinta-feira), um seminário internacional que se realiza em formato digital irá debater se a tragédia brasileira é um risco para a casa comum, numa iniciativa de várias organizações religiosas, de defesa dos direitos humanos...

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

APAV lança vídeo sobre violência sexual contra crianças

A APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima acaba de lançar o primeiro de um conjunto de vídeos que visam a prevenção da violência sexual contra crianças e jovens, procurando capacitar as pessoas sobre estes crimes e a informá-las sobre como pedir ajuda.

Xexão (um poema e uma evocação em Lisboa)

No 30º dia após o falecimento de Maria da Conceição Moita, a comunidade da Capela do Rato, em Lisboa, vai celebrar, a 30 de Abril, às 19h, eucaristia evocando a sua vida. Tendo em conta as regras de segurança em vigor, e o número restrito de lugares na capela, é necessária uma inscrição prévia, que deve ser feita na página digital da Capela do Rato.

Quebra de receitas da principal Igreja financiadora do Vaticano

A Igreja Católica alemã, que é líder no contributo que dá habitualmente para as despesas da Santa Sé (juntamente com a dos EUA), teve “um verdadeiro colapso” nas receitas, em 2020, segundo dados divulgados pelo jornal Rheinische Post, citados por Il Messaggero.

Entre margens

O desaparecimento dos gigantes da fé novidade

De vez em quando temos a sensação de que se está a passar na porta giratória para um mundo diferente. Em especial quando se toma consciência de que alguns dos maiores gigantes do mundo cristão nos deixaram. O mais recente foi o grande teólogo e pensador protestante latino-americano René Padilla (1932-2021), o “pai” do conceito de “missão integral” que revolucionou as teologias do continente, em particular a missiologia.

Alma mutilada

Samuel caminhava dançante num jogo de toca e foge com a suave rebentação da extensa e espelhada beira-mar de Keri Beach. Entusiasmado com a chegada à nova cidade, discursava e gesticulava comparações entre as imensas praias por onde passara. O fiel Odara escutava-o ao longe, absorto no encantamento da devoradora paisagem. Caminhava a passos curtos e lentos, sentindo atentamente a incomum textura da areia que se lhe entranhava nos dedos dos pés a cada novo pisar

José Augusto Mourão… o frade, poeta e professor

Fazemos memória, nesta quarta-feira, 5 de maio, do décimo aniversário da partida para o Senhor de frei José Augusto Mourão op. Nascido em Lordelo, Vila Real, em 12 de junho de 1947, deixou-nos aos 64 anos. Conheci Frei Mourão quando, há já muitos anos, comecei a participar nas eucaristias do Convento de S. Domingos de Lisboa, levado pelo meu amigo Luís de França, também ele frade dominicano, entretanto já desaparecido do meio de nós

Cultura e artes

Alusões a um corpo ausente

Cada pessoa que fizer uma evocação de José Augusto Mourão fá-lo-á de um modo diferente. O percurso biográfico de Mourão presta-se a essa pluralidade quase heterodoxa, diferente das narrativas oficiais com as quais se canoniza uma vida e uma determinada biografia da mesma.

Flannery O’Connor e “Um Diário de Preces”

Flannery O’Connor foi uma escritora norte-americana (1925-1964), falecida aos 31 anos de lúpus, doença degenerativa precocemente diagnosticada (aos 12 anos) e que, depois de lhe terem sido dados cinco anos de vida, Flannery conseguiu, com uma vontade indomável, prolongar por mais 10 anos. Católica convicta, viveu em Savannah, na Geórgia, no sul protestante e conservador. Escreveu sobretudo sobre a decadência do sul da América. Fez uma licenciatura em Inglês e Sociologia e uma pós-graduação através de um writer’s workshop (oficina de escrita) na Universidade de Iowa. Escreveu 32 contos e dois romances.

O teatro da vida na leitura cristã de Luís Miguel Cintra

A revista E, do Expresso, deste fim-de-semana traz em várias páginas a súmula de mais de duas horas de conversa de Luís Miguel Cintra com a jornalista Luciana Leiderfarb, com as imagens da objetiva do repórter António Pedro Ferreira. Destaca-se dela não só uma grande personalidade do teatro, mas também uma pessoa de enorme sensibilidade e riqueza humanas.

Verbalizar o desejo

Em Rezar de Olhos Abertos, José Tolentino Mendonça assume a missão de guiar o crente e a comunidade (alguns textos surgem nesse contexto) na verbalização orante, inserindo-se assim numa tradição espiritual que conhece nos Salmos a sua expressão talvez mais plena e fecunda.

Sete Partidas

O regresso à escola má

Custa-me imenso falar de educação. A sério. Dói-me. Magoa fundo. O mal que temos tratado a educação escolar nas últimas décadas. Colectivamente. Geração após geração. Incomoda-me a forma como é delegada para planos secundários perante a suposta urgência de temas tão mais mediáticos e populares. Quando nada me parece mais urgente.

Aquele que habita os céus sorri

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This