Paquistão

As jovens cristãs que enfrentam a discriminação e perseguição

| 22 Jul 2021

Mulheres paquistanesas estudantes ou trabalhadoras domésticas que vivem nas zonas suburbanas das grandes cidades e são duplamente marginalizadas: por serem cristãs e por serem mulheres. Foto © AIS.

 

“Quando fui para a universidade sofri muitos actos de discriminação por parte dos meus professores e colegas, a tal ponto que não conseguia concentrar-me nos meus estudos”, conta Ashia, 17 anos, cristã paquistanesa, num testemunho recolhido pela fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), no âmbito de um programa desenvolvido por esta instituição para capacitar mulheres em situações particularmente difíceis.

Na maioria, as destinatárias do programa são mulheres paquistanesas estudantes ou trabalhadoras domésticas que vivem nas zonas suburbanas das grandes cidades e são duplamente marginalizadas: por serem cristãs e por serem mulheres. 

O pai de Ashia (o nome é fictício, como os restantes) é varredor de rua e ganha apenas 10 mil rupias por mês (cerca de 53 euros), o que nunca permitiria que a sua filha estudasse na universidade. Mas permitiu acabar os estudos secundários, apesar das muitas dificuldades, de modo a entrar na universidade, onde sentiu de forma mais intensa o que significa pertencer à comunidade cristã no Paquistão.

Ao partilhar as suas dificuldades com uma amiga, Ashia soube do programa da AIS. “Deram-me uma nova esperança. Prometi a mim mesma que não lhes daria outra oportunidade para destruírem o meu futuro. Vou estudar muito e mostrar às pessoas que Nosso Senhor está sempre connosco, e que nos dá força, e guia e protege”, diz. 

Shazia, 19 anos, cujo pai é condutor de riquexó e o único sustento da casa, estava já no segundo ano da faculdade, num curso de engenharia informática, mas foi forçada a trabalhar, conta a AIS. Interrompeu precocemente os estudos para ajudar economicamente a família por causa da crise, agravada pela pandemia do coronavírus.

Educação, a única ferramenta

“Percebi que a educação é a única ferramenta e a chave para o sucesso”, diz uma das mulheres paquistanesas. Foto © AIS.

“Comecei a trabalhar numa fábrica. Ganhava entre oito a dez mil rupias [entre 43 a 53 euros] por mês. Pensei que este era o meu destino e este ia ser o meu futuro”, diz. Estava já de certa forma resignada face a isso quando tomou conhecimento do projecto da AIS e, com ele, também “uma nova esperança” para a sua vida. 

“Percebi que a educação é a única ferramenta e a chave para o sucesso. Tudo é possível se nos comprometermos de todo o coração e enfrentarmos com coragem as dificuldades da vida”, afirma agora. 

Nasreen, 15 anos, frequentava o 9º ano de escolaridade quando a pandemia do coronavírus levou a que o pai, operário, ficasse sem trabalho. Os problemas financeiros da família tornaram-se inevitáveis, a ponto de não poder pagar propinas escolares ou o custo da Internet para as aulas à distância.

“Fiquei muito magoada. Não foi a primeira vez… os meus colegas sujeitavam-me a discriminação constante e tinham preconceitos para comigo e com a minha família por causa da nossa religião. Eu estava completamente perdida e desesperada com o que me estava a acontecer”, explica Nasreen, no testemunho recolhido pela AIS. A sua inclusão no projecto votou também a dar-lhe alguma esperança: “Para já, a luz da fé e da esperança está a iluminar o meu caminho e não vou deixar que seja apagada por qualquer tipo de discriminação no futuro”, diz Nasreen.

Segundo o último relatório sobre a Liberdade Religiosa no Mundo, este é o retrato do que se passa no Paquistão: “Discriminação, blasfémia, rapto de mulheres e raparigas, e conversões forçadas continuam a assombrar a vida quotidiana das minorias religiosas.”

No caso dos cristãos, eles são das minorias religiosas mais perseguidas no país. Representando apenas cerca de 1,9% de toda a população, têm sido vítimas de intolerância e são normalmente relegados para os trabalhos mais indignos, duros e mal pagos. No caso das mulheres e jovens, a discriminação acentua-se com raptos de raparigas e casamentos forçados a que ficam sujeitas.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador novidade

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim” novidade

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa

Ocaere, divindade autóctone

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa novidade

A doação de uma ara votiva romana guardada ao longo de várias décadas pela família Braga da Cruz, de Braga, enriquece desde esta sexta-feira, dia 1, o espólio do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa (MADDS), estando já exposta para fruição do público. A peça, que passou a integrar a coleção permanente daquele Museu, foi encontrada num quintal particular no município de Terras de Bouro, pelo Dr. Manuel António Braga da Cruz (1897-1982), que viria, depois, a conseguir que o proprietário lha cedesse.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This