“As máquinas que servem para não funcionar” no retiro de Tolentino Mendonça aos bispos do Brasil

| 7 Mai 19 | Igreja Católica, Igrejas Cristãs, Newsletter, Últimas

(Texto de Rui Jorge Martins/Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura; foto de abertura: Adélia Prado © Wikicommons)

A Bíblia, textos da Tradição da Igreja e autores brasileiros como Clarice Lispector, Manoel de Barros e Adélia Prado constituíram as fontes do arcebispo D. José Tolentino Mendonça para introduzir o retiro aos bispos do Brasil, que decorreu no último sábado e domingo, dias 4 e 5 de Maio, no santuário de Aparecida, concluindo a assembleia plenária da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil).

“Vamos andar à volta da figura de São Pedro, nos passos das aparições bíblicas. O pastor não nasce de geração espontânea, mas um bispo constrói-se espiritualmente, como Pedro se construiu nos encontros com Jesus. Que a Igreja se assuma dependente da pessoa de Jesus”, tinha dito o bibliotecário do Vaticano aos jornalistas, antes de iniciar o retiro.

O bibliotecário e arquivista do Vaticano evocou Clarice Lispector e a crónica Ato gratuito: “Percebi que estava sedenta. (…) Então minha própria sede guiou-me. Eram 2 horas da tarde de verão. Interrompi meu trabalho, mudei rapidamente de roupa, desci, tomei um táxi que passava e disse ao chofer: vamos ao Jardim Botânico. ‘Que rua?’, perguntou ele. ‘O senhor não está entendendo’, expliquei-lhe, ‘não quero ir ao bairro e sim ao Jardim do bairro.’ Não sei por que olhou-me um instante com atenção. Eu ia ao Jardim Botânico para quê? Só para olhar. Só para ver. Só para sentir. Só para viver.”

“Há uma sede em nós que não tornamos oficial, explícita na nossa vida. Pode acontecer que seja difícil praticar esse tempo. Talvez seja mais fácil fugir. Contudo, a sede está lá e não podemos fazer conta de que a sede não existe. Nós, bispos, a sede de Deus existe. Não somos aqueles que temos Deus na mão ou que administramos Deus, mas somos mestres da fé porque somos sedentos de Deus. Ensinamos Deus porque nos sentimos tantas vezes vazios de Deus. Esta é a nossa realidade, a nossa experiência. Da aceitação desta realidade depende a qualificação espiritual de cada um”, observou o poeta.

De Manoel de Barros, o biblista deteve-se na frase “as máquinas que servem para não funcionar: quando cheias de areia de formiga e musgo, elas podem um dia milagrar flores”.

“A maior riqueza de um homem é a sua incompletude. Somos uma máquina que temos que funcionar, mas tem uma beleza e um sentido espiritual quando não funcionamos, quando aceitamos a nossa inutilidade, quando rezamos não por esta intenção ou aquela, mas um rezar simplesmente. Na nossa vida episcopal essa é uma falta grande, porque tudo tem que funcionar. É importante perceber que o abandono, o imprestável, o que não funciona, também ativa o milagre”, comentou.

Do poema Casamento, de Adélia Prado, o prelado citou os últimos versos:

O silêncio de quando nos vimos a primeira vez

atravessa a cozinha como um rio profundo.

Por fim, os peixes na travessa,

vamos dormir.

Coisas prateadas espocam: somos noivo e noiva.

“Esse momento despretensioso que aqui estamos não é mais um momento qualquer, mas somos noivo e noiva, Cristo e sua Igreja. É o momento de circular amor. O primado de Pedro outra coisa não é do que o primado do amor. E o primado que o bispo testemunha na sua Igreja outra coisa não é do que o primado do amor de Cristo”, declarou.

Centrando-se, no domingo, no episódio bíblico do pai misericordioso, ou do filho pródigo, José Tolentino Mendonça comentou que “misericórdia não é dar ao outro o que merece, mas oferecer ao outros precisamente o que o outro não merece”.

(Texto adaptado pelo 7MARGENS)

Artigos relacionados

Breves

Encontro de artistas portugueses com músicas do grupo Gen Verde

Um encontro de artistas de várias áreas, que sejam sensíveis às dimensões do Sagrado, da Beleza e do Bem Comum, está convocado para a tarde deste sábado, 18 de Maio, entre as 16h30 e as 18h, no Auditório da Igreja São Tomás de Aquino (Laranjeiras), em Lisboa.

Bolsonaro contestado por cortes na Educação

As ruas de mais de duas centenas de municípios em 26 estados brasileiros foram tomadas esta quarta-feira, 15 de maio, por manifestações que registaram a participação de centenas de milhares de estudantes e professores.

Televisão: Fátima vence Cristina

As cerimónias da peregrinação de 13 de maio a Fátima, transmitidas pela RTP1, conquistaram 381 mil espectadores, deixando o programa Cristina, da SIC, a grande distância (317 mil).

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Vemos, ouvimos e lemos…

O centenário de Sophia de Mello Breyner Andresen é especial, muito para além de mera comemoração. O exemplo de cidadania, de talento, de ligação natural entre a ética e estética é fundamental. De facto, estamos perante uma personalidade extraordinária que é lembrada como referência única, como um exemplo que fica, que persiste.

Europeias 2019: Não nos tires as tentações

Estamos em crise, sim. Que bom. Porque é tempo de escolher e definir caminhos. Ao que parece, a última braçada de bruços perdeu balanço e é a nossa vez de dar o próximo impulso. Com a liberdade de questionar o inquestionável, herdámos o peso da responsabilidade. Mas desde quando desligar o automático é mau?

Cultura e artes

Coro do Trinity College de Dublin em Lisboa para concerto e eucaristia

Neste sábado e domingo, 18 e 19 de Maio, Lisboa acolhe dois concertos do Coro da Capela do Trinity College de Dublin (Irlanda). Às 17 horas de sábado, o coro dará um concerto de música sacra na Sé de Lisboa; no domingo, participa na eucaristia dominical na Catedral Lusitana de S. Paulo em Lisboa (Comunhão Anglicana), com início às 11h00 (Rua das Janelas Verdes).

Teatro: À espera de um jogo de espelhos em Goga

Entra-se e estão as 23 personagens no palco. Em rigor, esse número inclui as personagens e os seus espelhos. Estão fixas, rígidas. São um quadro que se deve olhar, de modo a reparar em todos os pormenores. Porque está o corcunda Teobald de livro na mão? Porque há um homem e uma mulher com malas?

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

Uma criação musical para Quinta-Feira santa: O Senhor mostrou o poder do seu amor, de Rui Miguel Fernandes, SJ

Agenda

Mai
20
Seg
Conferências de Maio – “Os jovens chamados a transformar” – III – A justiça e a equidade, e a solidariedade entre as gerações @ Centro Nacional de Cultura
Mai 20@18:30_20:00

Participam Alice Vieira, escritora e jornalista; Carla Ganito, docente em Ciências da Comunicação na Universidade Católica Portuguesa; e Ana Barata; jovem licenciada em serviço social.

Mai
27
Seg
Conferências de Maio – “Os jovens chamados a transformar” – IV – “Os jovens descobrem Deus” @ Centro Nacional de Cultura
Mai 27@18:30_20:00

Participam Alfredo Teixeira, antropólogo e compositor, autor de Religião na Sociedade Portuguesa, Américo Aguiar, bispo auxiliar de Lisboa, e João Valério, arquitecto e músico.

Ver todas as datas

Fale connosco