As mulheres e uma reinterpretação da experiência do religioso

| 9 Mar 19 | Cristianismo, Destaques, Outras Religiões, Religiões e Mulheres, Últimas

“Um retrato da situação das mulheres nas principais tradições religiosas e dos debates existentes sobre os seus papéis dentro das diferentes confissões” – foi este o mote para uma série de artigos da autoria de Maria Wilton, publicados no 7MARGENS ao longo dos últimos dias. [Os textos podem ser lidos aqui: Igreja Católica, Igrejas protestantes e Evangélicas, Judaísmo, Budismo, Hinduísmo e Islão.]

Mulheres à porta do templo, impedidas de entrar, mulheres cingidas a uma zona onde permanecem arredadas dos homens, mulheres longe do Muro das Lamentações, mulheres apartadas do altar, excluídas de um sacramento, mulheres à margem porque solteiras, divorciadas ou porque necessitadas de “proteção”. Assim se define, no quadro de uma topologia própria do religioso, o feminino enquanto presença circundante, à volta de, quando não fora de, ocupando uma posição periférica, portanto. Os lugares de culto definem um centro atractor, para que convergem os corpos, os gestos, as palavras e todos os sinais, daí se elevando para o divino e aí se fazendo a mediação entre a terra e os céus, que é uma entre outras formas de dizer um horizonte tido como inalcançável ou como alcançável, num movimento que é sempre ascensional. Os respetivos oficiantes destacam-se neste quadro e esse destaque é uma forma iniludível de poder. Chama-se-lhe serviço: são ministros. Mas, enquanto tal, serviçais do culto e do templo e guardiões da justa doutrina, têm voz: a primeira, e por vezes única, voz; têm um lugar: o primeiro lugar na hierarquia dos crentes, ainda que esta possa ser tacitamente definida. Essa voz é masculina, esse lugar ocupam-no homens.

No espaço religioso, o feminino define-se “enquanto presença circundante, à volta de, quando não fora de, ocupando uma posição periférica”; Foto © Zaid Abu Taha/Pexels; foto de abertura © CrimsonBrainstorm/Pixabay

 

O religioso, institucionalmente entendido, é masculino. Sabemo-lo todos: tem raízes patriarcais profundas, seja no judaísmo, no cristianismo (católico ou protestante) ou no islão, seja no budismo ou no hinduísmo. Em nome dessas raízes, da Tradição (encontramo-lo frequentemente assim, grafado com maiúscula), perpetuam-se hábitos discriminatórios cuja forma e incidência só varia em função do grau de permeabilidade do religioso à promoção que politicamente se faça dos “direitos das mulheres” e, portanto, com alcance digno de nota apenas a partir do século XX, com a democratização de certas sociedades.

Ao próprio corpo como lugar de relação com o divino, se atribui uma significação diferente consoante se trate de um corpo masculino ou de um corpo feminino. Os interditos, quaisquer que sejam, aplicam-se sobretudo ao corpo feminino, que pode ser, em certas circunstâncias, impuro. As mulheres têm um corpo vivo, cíclico, que parece ser encarado como irreconciliável com uma, tantas vezes, pretensa descorporização do movimento espiritual. Perturba, portanto. Parece entender-se que a sensualidade própria de corpos que se movem intimamente numa relação com ciclos biológicos desloca o foco. Talvez por isso sejam convenientemente reduzidos a uma funcionalidade, no caso reprodutora.

Já no respeitante ao corpo masculino, se outras evidências faltassem de qual o tipo de relação que este estabelece com o mundo, bastar-nos-ia observar a panóplia de objetos cultuais envergados, sobretudo no mundo ocidental, pelos oficiantes do religioso, com gravidade e de acordo com prescrições que já quase não respondem a outras motivações senão a da simbólica do poder. São, pois, os princípios da exterioridade e do domínio masculinos o que superordena a relação com o divino, daí resultando a ideia de transcendência, que instaura uma mundividência própria, eminentemente hierarquizante. A interioridade e o cuidado são, pelo contrário, o que é próprio da imanência, princípio arquetipicamente mais ligado ao feminino e mais facilmente identificável com as tradições orientais, sobretudo com o budismo.

 

De uma agenda patriarcal a uma experiência de encontro

As mulheres no espaço religioso seguem cumprindo a agenda patriarcal definida nas diferentes tradições ao longo de séculos e mesmo de milénios. Não nos serve isso, certamente, às mulheres e aos homens que somos. Leonardo Boff (Experimentar Deus) reflete sobre um lugar de convergência destas duas maneiras de o ser humano se relacionar com o mundo e, consequentemente, com o divino, isto é, a transcendência e a imanência. Sugere, pois, outra maneira, a da transparência. De acordo com Boff, pela transparência, entende-se, entre outras coisas, que a transcendência se dá dentro da imanência sem nela se perder e que a imanência carrega dentro de si a transcendência.

Sabemos que o religioso é sempre uma experiência interpretada. Por conseguinte, só por via de uma reinterpretação da experiência do religioso se pode encarar, entre outras, a questão das mulheres. Deste modo, a espiritualidade no mundo, que assume a expressão das diferentes religiões e de uma pluralidade de confissões, pode voltar a partir, de cada vez como outrora, do deserto. Podemos ser, homens e mulheres, mulheres e homens, aqueles nómadas que se encontram – ainda e sempre homens e mulheres, mulheres e homens, mas sobretudo frágeis, num encontro fora de portas onde, por isso, já não há hierarquia, mas rizoma. Nesse lugar sem centro, pode-se, de cada vez (e tem que ser de cada vez; nada é um para sempre), escutar a voz de quem, enquanto mata a sede e entre dois goles de água, nos convida a adorar “em espírito e verdade” (Evangelho de S. João 4,24).

Desconheço, mas intuo que todas as expressões do religioso permitem essa outra topologia. Há certamente em todas as tradições religiosas, nalguma narrativa, uma experiência de encontro que se dá num lugar fora de portas e onde, por isso, o centro se desloca. Nesta possibilidade de deslocação está certamente em potência – estou em crer – uma outra forma de conceber a participação de todos na vida das comunidades, já não hierárquica nem excludente, mas rizomática e integradora.

(Nota: Este texto foi escrito ao som de Hildegard von Bingen, uma das poucas mulheres compositoras reconhecidas pela Igreja Católica.)

Helena Topa Valentim é professora universitária e membro do Graal, movimento internacional de mulheres, de inspiração cristã

Artigos relacionados

Breves

A mulher que pode ter autoridade sobre os bispos novidade

Francesca di Giovanni, nomeada pelo Papa para o cargo de subsecretária da Secção para as Relações com os Estados, considerou a sua escolha como “uma decisão inovadora [que] representa um sinal de atenção para com as mulheres.

Henrique Joaquim: “Assistencialismo não tira da rua as pessoas sem-abrigo”

“O assistencialismo não tira a pessoa da rua, não resolve o problema; ainda que naquela noite tenha matado a fome a uma pessoa, não a tira dessa condição”, diz o gestor da Estratégia Nacional de Integração dos Sem-abrigo, Henrique Joaquim, que esta quinta-feira, 2 de Janeiro, iniciou as suas funções.

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Cultura: novas histórias e paradigmas… novidade

“Torna-se necessária uma evangelização que ilumine os novos modos de se relacionar com Deus, com os outros e com o ambiente, e que suscite os valores fundamentais” – afirma a exortação pastoral Evangelii Gaudium. Na mesma linha em que o Papa João XXIII apelava ao reconhecimento da importância dos “sinais dos tempos”, o Papa Francisco afirmou que: “É necessário chegar aonde são concebidas as novas histórias e paradigmas, alcançar com a Palavra de Jesus os núcleos mais profundos da alma das cidades.

Um imperativo de coerência

Ao renunciar, num ato de humildade e, seguramente, após longa reflexão, Joseph Ratzinger declarou não se encontrar em condições físicas compatíveis com o exercício das funções de Papa. Após a renúncia, o colégio dos cardeais eleitores escolheu Jorge Mario Bergoglio, o atual Papa Francisco, alguém que tem procurado atender as necessidades da Igreja, ouvir os fiéis e responder às suas inquietações. Revelou-se uma feliz surpresa para a Igreja, apesar dos movimentos de contestação que surgem em várias frentes.

Esquecer Simulambuco

Como português que sou senti-me um pouco comprometido em Simulambuco, quando visitei Cabinda no mês passado. Portugal falhou aos cabindas talvez porque o que tem de ser tem muita força. É o caso do petróleo.

Cultura e artes

Que faz um homem com a sua consciência? novidade

Nem toda a gente gosta deste filme. Muitos críticos não viram nele mais do que uma obra demasiado longa, demasiado maçadora, redundante e cabotina. Como o realizador é Terrence Malick não se atreveram a excomungá-lo. Mas cortaram nas estrelas. E no entanto… é um filme de uma força absolutamente extraordinária. Absolutamente raro. Como o melhor de Mallick [A Árvore da Vida].

Ler para crescer espiritualmente: católicos descobrem livros e autores

A sensibilização para o gosto pela leitura, contribuindo para o enriquecimento espiritual, o amadurecimento psíquico e a intervenção na sociedade, são algumas das motivações presentes nas iniciativas de comunidades cristãs que, através do livro, por vezes não especificamente religioso, cruzam fé e cultura.

Sete Partidas

Guiné-Bissau: das “cicatrizes do tempo” ao renascer do povo

Este mês fui de visita à Guiné. Uma viagem de memória para quem, como eu, não tinha memórias da Guiné. Estive em Luanda ainda em criança, mas as memórias são as próprias da idade. Excepção à única em que o meu pai me bateu. Às cinco da tarde saí de casa e às dez da noite descobriram-me a assistir, divertida, ao baile no clube. Uma criança de cinco anos, branca e loura, desaparecida na Luanda dos anos 1960 não augurava coisa boa, o que gerou o pânico dos meus pais. Daí a tareia…

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Jan
21
Ter
Viagem pela Espiritualidade – Conversa com Luís Portela @ Fund. Engº António de Almeida
Jan 21@18:15_19:15

Conversa em torno do livro Da Ciência ao Amor – pelo esclarecimento espiritual, de Luís Portela, com apresentação de Guilherme d’Oliveira Martins e a participação de Isabel Ponce de Leão, Luís Carlos Amaral, Luís Miguel Bernardo, Luís Neiva Santos,
Manuel Novaes Cabral e Manuel Sobrinho Simões

Jan
23
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 23@21:30_23:00

Conferência sobre “Periferias”, com Isabel Mota, presidente da Fundação Calouste Gulbenkian

Jan
30
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 30@21:30_23:00

Debate sobre “Aqui e agora”, com Luís Macieira Fragoso e Maria Cortez de Lobão, presidente e vice-presidente da Cáritas Diocesana de Lisboa

Ver todas as datas

Fale connosco