As mulheres e uma reinterpretação da experiência do religioso

| 9 Mar 19 | Cristianismo, Destaques, Outras Religiões, Religiões e Mulheres, Últimas

“Um retrato da situação das mulheres nas principais tradições religiosas e dos debates existentes sobre os seus papéis dentro das diferentes confissões” – foi este o mote para uma série de artigos da autoria de Maria Wilton, publicados no 7MARGENS ao longo dos últimos dias. [Os textos podem ser lidos aqui: Igreja Católica, Igrejas protestantes e Evangélicas, Judaísmo, Budismo, Hinduísmo e Islão.]

Mulheres à porta do templo, impedidas de entrar, mulheres cingidas a uma zona onde permanecem arredadas dos homens, mulheres longe do Muro das Lamentações, mulheres apartadas do altar, excluídas de um sacramento, mulheres à margem porque solteiras, divorciadas ou porque necessitadas de “proteção”. Assim se define, no quadro de uma topologia própria do religioso, o feminino enquanto presença circundante, à volta de, quando não fora de, ocupando uma posição periférica, portanto. Os lugares de culto definem um centro atractor, para que convergem os corpos, os gestos, as palavras e todos os sinais, daí se elevando para o divino e aí se fazendo a mediação entre a terra e os céus, que é uma entre outras formas de dizer um horizonte tido como inalcançável ou como alcançável, num movimento que é sempre ascensional. Os respetivos oficiantes destacam-se neste quadro e esse destaque é uma forma iniludível de poder. Chama-se-lhe serviço: são ministros. Mas, enquanto tal, serviçais do culto e do templo e guardiões da justa doutrina, têm voz: a primeira, e por vezes única, voz; têm um lugar: o primeiro lugar na hierarquia dos crentes, ainda que esta possa ser tacitamente definida. Essa voz é masculina, esse lugar ocupam-no homens.

No espaço religioso, o feminino define-se “enquanto presença circundante, à volta de, quando não fora de, ocupando uma posição periférica”; Foto © Zaid Abu Taha/Pexels; foto de abertura © CrimsonBrainstorm/Pixabay

 

O religioso, institucionalmente entendido, é masculino. Sabemo-lo todos: tem raízes patriarcais profundas, seja no judaísmo, no cristianismo (católico ou protestante) ou no islão, seja no budismo ou no hinduísmo. Em nome dessas raízes, da Tradição (encontramo-lo frequentemente assim, grafado com maiúscula), perpetuam-se hábitos discriminatórios cuja forma e incidência só varia em função do grau de permeabilidade do religioso à promoção que politicamente se faça dos “direitos das mulheres” e, portanto, com alcance digno de nota apenas a partir do século XX, com a democratização de certas sociedades.

Ao próprio corpo como lugar de relação com o divino, se atribui uma significação diferente consoante se trate de um corpo masculino ou de um corpo feminino. Os interditos, quaisquer que sejam, aplicam-se sobretudo ao corpo feminino, que pode ser, em certas circunstâncias, impuro. As mulheres têm um corpo vivo, cíclico, que parece ser encarado como irreconciliável com uma, tantas vezes, pretensa descorporização do movimento espiritual. Perturba, portanto. Parece entender-se que a sensualidade própria de corpos que se movem intimamente numa relação com ciclos biológicos desloca o foco. Talvez por isso sejam convenientemente reduzidos a uma funcionalidade, no caso reprodutora.

Já no respeitante ao corpo masculino, se outras evidências faltassem de qual o tipo de relação que este estabelece com o mundo, bastar-nos-ia observar a panóplia de objetos cultuais envergados, sobretudo no mundo ocidental, pelos oficiantes do religioso, com gravidade e de acordo com prescrições que já quase não respondem a outras motivações senão a da simbólica do poder. São, pois, os princípios da exterioridade e do domínio masculinos o que superordena a relação com o divino, daí resultando a ideia de transcendência, que instaura uma mundividência própria, eminentemente hierarquizante. A interioridade e o cuidado são, pelo contrário, o que é próprio da imanência, princípio arquetipicamente mais ligado ao feminino e mais facilmente identificável com as tradições orientais, sobretudo com o budismo.

 

De uma agenda patriarcal a uma experiência de encontro

As mulheres no espaço religioso seguem cumprindo a agenda patriarcal definida nas diferentes tradições ao longo de séculos e mesmo de milénios. Não nos serve isso, certamente, às mulheres e aos homens que somos. Leonardo Boff (Experimentar Deus) reflete sobre um lugar de convergência destas duas maneiras de o ser humano se relacionar com o mundo e, consequentemente, com o divino, isto é, a transcendência e a imanência. Sugere, pois, outra maneira, a da transparência. De acordo com Boff, pela transparência, entende-se, entre outras coisas, que a transcendência se dá dentro da imanência sem nela se perder e que a imanência carrega dentro de si a transcendência.

Sabemos que o religioso é sempre uma experiência interpretada. Por conseguinte, só por via de uma reinterpretação da experiência do religioso se pode encarar, entre outras, a questão das mulheres. Deste modo, a espiritualidade no mundo, que assume a expressão das diferentes religiões e de uma pluralidade de confissões, pode voltar a partir, de cada vez como outrora, do deserto. Podemos ser, homens e mulheres, mulheres e homens, aqueles nómadas que se encontram – ainda e sempre homens e mulheres, mulheres e homens, mas sobretudo frágeis, num encontro fora de portas onde, por isso, já não há hierarquia, mas rizoma. Nesse lugar sem centro, pode-se, de cada vez (e tem que ser de cada vez; nada é um para sempre), escutar a voz de quem, enquanto mata a sede e entre dois goles de água, nos convida a adorar “em espírito e verdade” (Evangelho de S. João 4,24).

Desconheço, mas intuo que todas as expressões do religioso permitem essa outra topologia. Há certamente em todas as tradições religiosas, nalguma narrativa, uma experiência de encontro que se dá num lugar fora de portas e onde, por isso, o centro se desloca. Nesta possibilidade de deslocação está certamente em potência – estou em crer – uma outra forma de conceber a participação de todos na vida das comunidades, já não hierárquica nem excludente, mas rizomática e integradora.

(Nota: Este texto foi escrito ao som de Hildegard von Bingen, uma das poucas mulheres compositoras reconhecidas pela Igreja Católica.)

Helena Topa Valentim é professora universitária e membro do Graal, movimento internacional de mulheres, de inspiração cristã

Artigos relacionados

Breves

Papa Francisco anuncia viagem ao Sudão do Sul em 2020 novidade

“Com a memória ainda viva do retiro espiritual para as autoridades do país, realizado no Vaticano em abril passado, desejo renovar o meu convite a todos os atores do processo político nacional para que procurem o que une e superem o que divide, em espírito de verdadeira fraternidade”, declarou o Papa Francisco, anunciando deste modo uma viagem ao Sudão do Sul no próximo ano.

Missionários constroem casa para cuidar e educar as vítimas do terramoto no Nepal

Mais de 400 crianças órfãs, pobres e com debilidades físicas vítimas do terramoto de 2015 no Nepal, residem hoje na casa de crianças Antyodaya em Parsa (centro do país). A casa, que foi construída em 13 de maio de 2017, tem o propósito “de alcançar as crianças mais desafortunadas das aldeias mais remotas, oferecendo-lhes educação e desenvolvimento pessoal”.

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Manuela Silva e Sophia novidade

Há coincidências de datas cuja ocorrência nos perturbam e nos sacodem o dia-a-dia do nosso viver. Foram assim os passados dias 6 e 7 do corrente mês de Novembro. A 6 celebrou-se o centenário do nascimento de Sophia e a 7 completava-se um mês sobre a partida para Deus da Manuela Silva.

“Unicamente o vento…”

Teimosamente. A obra de Sophia ecoa. Como o vento. Como o mar. Porque “o poeta escreve para salvar a vida”. Aquela que foi. Que é. A vida num ápice. Luminosa e frágil. Do nascente ao ocaso. Para lá do poente. Celeste. Na “respiração das coisas”. No imprevisível ou na impermanência. A saborear o que tem. A usufruir do que teve. Na dor e na alegria.

Cultura e artes

Trazer Sophia para o espanto da luz

Concretizar a possibilidade de uma perspectiva não necessariamente ortodoxa sobre os “lugares da interrogação de Deus” na poesia, na arte e na literatura é a ideia principal do colóquio internacional Trazida ao Espanto da Luz, que decorre esta sexta e sábado, 8 e 9 de Novembro, no polo do Porto da Universidade Católica Portuguesa (UCP).

Cada manhã o alvoroço da luz – um (quase) inédito de Sophia

Em 1990, Henrique Manuel Pereira, seminarista e responsável editorial da Atrium – Revista dos Alunos do Seminário Maior do Porto pediu a Sophia de Mello Breyner um poema para aquela publicação. Sophia respondeu com este poema, publicado no nº 8 (ano IV) da revista. O...

Cada manhã o alvoroço da luz – um (quase) inédito de Sophia

Em 1990, Henrique Manuel Pereira, seminarista e responsável editorial da Atrium – Revista dos Alunos do Seminário Maior do Porto pediu a Sophia de Mello Breyner um poema para aquela publicação. Sophia respondeu com este poema, publicado no nº 8 (ano IV) da revista. O...

Clara Bingemer, teóloga da mística de olhos abertos, no simpósio dos 50 anos da Faculdade de Teologia

Apresentando-se como carioca, mãe de três filhos e avó de quatro netos, Bingemer é professora de Teologia Fundamental na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Nesta quarta-feira, Mara Clara Bingemer estará no Porto, no centro regional da Universidade Católica, para falar sobre “Tendências teológicas na América Latina”. Bingemer será um dos nomes que intervém no simpósio sobre “Teologia e Espaço Público”, que se inicia nesta terça-feira, 5 de Novembro, às 11h.

Sete Partidas

30 anos de Alemanha: tão longe e tão perto (um testemunho)

No dia 4 de Novembro de 1989, um sábado, enquanto eu fazia as malas para me mudar para a Alemanha, na Alexanderplatz, em Berlim Leste decorria uma manifestação com um milhão de pessoas. Gritavam “nós somos o povo” contra um regime que roubava a liberdade às pessoas em nome do que entendia ser o interesse delas.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco