As novidades nas feiras do livro para enfrentar a crise “brutal” nas editoras e livrarias religiosas

| 28 Ago 20

Editoras católicas levam às feiras do livro várias novidades e antecipam ao 7MARGENS novos projectos para os próximos meses. Os certames podem ser uma forma de atenuar os prejuízos “brutais” que a pandemia e este ano atípico provocaram.

Pavilhão da Lucerna na Feira do Livro de Lisboa. Foto: Direitos reservados.

 

As editoras católicas ou que têm no livro religioso um importante segmento tentarão também, tal como todo o sector, fazer das feiras do livro das duas principais cidades portuguesas, abertas ao público desde esta quinta (Lisboa) e sexta-feiras (Porto), uma oportunidade de atenuar os danos comerciais deste ano – que chegaram a atingir perto de 90 por cento.

Várias novidades no catálogo são um elemento acrescido para as feiras tardias (normalmente acontecem em Maio e Junho) e atípicas, por causa da covid-19. Entre elas, livros do Papa e sobre a pandemia na Paulinas Editora, um de Joseph Ratzinger/Bento XVI sobre Judeus e Cristãos na Lucerna, um outro com vários comentários à exortação do Papa Francisco Amoris Laetitia, acerca da família, nas publicações jesuítas. A Difusora Bíblica regressa este ano com pavilhão próprio após 14 anos a ser representada por outras editoras, enquanto a Paulus Editora investe em mais um volume da colecção YouCat.

Nas Paulinas, os destaques são A Vida Depois da Pandemia, e Diferentes e Unidos – Com-único, logo existo, ambos do Papa Francisco (o último, terceiro volume de um conjunto sobre oração e terra, tem prefácio do arcebispo de Cantuária); e Ressurgir – 40 Perguntas sobre a pandemia, que reúne meia centena de autores portugueses que escrevem sobre o que pode ser o futuro pós-pandemia; e Falava-lhes Através de Parábolas, do padre Sílvio Couto.

Para o final do ano, ficará aquela que teria sido a “grande aposta”, mas que teve de ser adiada também por causa da pandemia: o início da publicação da colecção de obras de Edith Stein (Teresa Benedita da Cruz), já proclamada santa e padroeira da Europa, uma das grandes místicas contemporâneas. “Começaremos com A Vida de uma Família Judia e outros Escritos Autobiográficos”, diz ao 7MARGENS a irmã Eliete Duarte, directora da Paulinas.

A um ritmo de um ou dois volumes por ano, este é um projecto de longo prazo: dos 30 volumes publicados pela Herder na Alemanha, serão publicados 11. O primeiro volume tem cerca de 600 páginas e a colecção a publicar em Portugal cobre “todo o arco da obra” de Edith Stein, a carmelita que, sendo de origem judia, foi por causa disso levada para Auschwitz, onde foi assassinada a 9 de Agosto de 1942, a dois meses de completar 51 anos.

Na Lucerna, a estratégia passa por um novo livro de Joseph Ratzinger/Bento XVI. Um deles, intitulado Judeus e Cristãos, é um diálogo do Papa Bento com o rabino de Viena de Áustria. O outro é a autobiografia Enfim, Livre, de Asia Bibi, a cristã paquistanesa que esteve presa nove anos acusada de blasfémia e que, depois de absolvida em Outubro de 2018, foi viver para o Canadá com a família, em Maio do ano passado. A autora deveria ter vindo a Portugal em Março, para a apresentação do livro, mas o estado de emergência fez adiar tudo. Ambos os livros, à venda na feira, irão para as livrarias no próximo mês de Outubro.

Para os próximos meses, o director da Lucerna, Henrique Mota, diz ao 7MARGENS que está previsto outro importante projecto: a Bíblia da Amizade, que inclui os textos bíblicos comuns a cristãos e judeus, com comentários de especialistas das duas tradições religiosas.

 

“Não deixar adormecer” os textos do Concílio

Livros do Papa Francisco ou sobre o seu pensamento continuam a ser publicados em quantidade em vºárias editoras (na foto, um aspecto do pavilhão da Paulinas Editora). Foto: Direitos reservados.

 

Na Paulus, a aposta principal é um novo livro da colecção Youcat, título inglês para aquilo que pretende ser uma espécie de catecismo para os mais novos. Depois da Bíblia Jovem, da Doutrina Social Jovem e do Catecismo Jovem, agora será a vez do Curso Fundamental da Fé para os Jovens. Para os próximos meses, a Paulus prepara a publicação de uma nova biografia de Joseph Ratzinger/Bento XVI. Na feira, a Paulus representa ainda as Edições Carmelo, a Editorial Cáritas e as publicações do Santuário de Fátima.

A Frente e Verso, das publicações jesuítas, tem um título acabado de sair: Alegria e Misericórdia reúne um conjunto de 13 comentários à exortação Amoris Laetitia e à teologia do Papa Francisco sobre as famílias e que terá apresentação pública no próximo dia 11 de Setembro, na Brotéria, em Lisboa.

O leque de autores inclui vários teólogos (Andrea Grillo, Antonio Autiero, Conor M. Kelly, Philippe Bordeyne), entre os quais também alguns jesuítas (Antonio Spadaro, James Keenan, Miguel Almeida e Pablo Guerrero Rodriguez), duas teólogas (Julie Hanlon Rubio, Stella Morra) e ainda o cardeal António Marto, bispo de Leiria, o jornalista e biógrafo do Papa Francisco, Austen Ivereigh e a irmã Irene Guia, que trabalhou vários anos em campos de refugiados.

Uma nova edição dos textos do Concílio Vaticano II (1962-65) foi publicada na altura da quarentena, “para não deixar adormecer os textos”, diz o padre António Valério, director das publicações jesuítas. Uma outra novidade é A Avó Conta a Bíblia – A vida de Jesus, de Thereza Ameal e ilustrações de Isabel Girão, destinado a ser lido pelos mais velhos aos mais pequenos.

A Difusora Bíblica, dos Franciscanos Capuchinhos, regressa a um pavilhão próprio, depois de 14 anos representada por outros. Com a editora a comemorar 65 anos, um dos seus cartões de visita é a revista Bíblica, que entrou também no 66º ano de publicação.

O livro Os Animais na Bíblia, um estudo sobre a protecção da natureza, as regras alimentares e os rituais de ofertas sacrificiais no texto bíblico, é a novidade a registar, a par dos Cadernos Bíblicos, importante colecção da editora já com largos anos de publicação – além de outras obras que aprofundam temas do texto sagrado dos cristãos e poesia de frei Lopes Morgado.

 

Contrariar “ausência de política para o livro”

As novidades e a presença nas feiras do livro são duas formas de tentar atenuar perdas de um ano atípico que deixou a economia com largos problemas. Será uma oportunidade para “fazer uma grande promoção do livro em geral”, como diz a irmã Eliete Duarte, directora da Paulinas Editora, citada pela Ecclesia.

Nas editoras, a quebra do negócio “foi brutal”, diz a irmã Eliete ao 7MARGENS. “No mês de Abril a queda nas vendas foi de 85%, foi mesmo um desastre total. O mês de Maio já foi um pouco menos, na ordem dos 70 por cento”, e só a partir daí tem começado a recuperar ligeiramente. Tal como muitas outras empresas do sector, a editora teve de recorrer ao lay-off parcial, quer nas cinco livrarias, quer nos armazéns e escritórios – e o mesmo aconteceu em outras editoras.

Algumas das editoras têm também vendas importantes para os países lusófonos, que também pararam e levaram ao agravamento dos prejuízos.

Em Junho, aliás, os dominicanos anunciaram o fecho da livraria Verdade e Vida, que se concretizará segunda-feira próxima, 31 de Agosto. O sector teve quebras superiores a 80 por cento nas vendas, mas um levantamento recente feito pela Renascença calcula que, no caso das editoras católicas, elas podem ter sido ainda maiores.

Em declarações à RR a propósito da questão, Henrique Mota, da Lucerna, foi muito crítico com a ministra da Cultura, Graça Fonseca, e o que considera a ausência de uma “política para o livro”: “Há uma desatenção total, um desinteresse pela sobrevivência das empresas que estão associadas ao livro”, diz, recordando que “o livro é a indústria cultural mais significativa em termos de facturação, impacto no PIB e emprego”, seja da indústria gráfica, da distribuição, de designers, paginadores, revisores, ilustradores e autores.

Henrique Mota sugere que os apoios do Estado deveriam começar pelas livrarias: “Se o dinheiro e os apoios forem injectados a partir das livrarias, sobrevivem as livrarias, sobrevivem os editores, as gráficas e todos aqueles que trabalham à volta do livro.”

“Espaço de cultura” e debates

Promover e relançar os livros e ter esperança em dias melhores é o sentimento entre os editores. Foto: Direitos reservados.

Os jesuítas, por exemplo, tiveram, em Abril, uma quebra na ordem os 90% nos livros vendidos em livraria. A livraria digital teve um aumento interessante (20%), mas ele não foi suficiente para colmatar as perdas, diz o padre Valério. O mesmo quadro se verificou nas restantes editoras citadas.

Agora, todos eles olham para a Feira do Livro com alguma “esperança”, como diz o director da Paulus, irmão Tiago Melo, em declarações à Ecclesia. “Este certame é importante para relançar os livros que fomos publicando ao longo deste tempo”, acrescenta o padre António Valério. E frei Luís Leitão, da Difusora Bíblica, manifesta o desejo de que as feiras cumpram o seu “papel de espaço de cultura, de troca de experiência entre os editores” e os leitores.

No caso de Lisboa, a Paulinas promove debates e iniciativas praticamente todos os sábados e domingos. Entre eles, a apresentação de Ressurgir e uma conversa sobre o primeiro bispo de Setúbal, D. Manuel Martins (a lista completa pode ser consultada na agenda da página oficial da Feira).

Em Lisboa e Porto, as feiras prolongam-se até 13 de Setembro e estão em vigor regras específicas de segurança (o uso de máscara é obrigatório) e distanciamento físico. Haverá um controlo do número de “entradas” no Parque Eduardo VII (Lisboa, 3300 pessoas) e Jardins do Palácio de Cristal (Porto, 3500 pessoas), mas os organizadores prevêem que ele seja atingido apenas em algumas horas ao fim-de-semana, obrigando eventualmente a pequenas esperas.

 

Novo Pacto para as Migrações: Igrejas reconhecem “boas intenções”, mas continuam “muito preocupadas”

Novo Pacto para as Migrações: Igrejas reconhecem “boas intenções”, mas continuam “muito preocupadas” novidade

Depois de terem emitido um comunicado em que diziam “esperar melhor da Europa e dos seus líderes” em relação à política de acolhimento de migrantes e refugiados, o Conselho Mundial de Igrejas (CMI), a Conferência das Igrejas Europeias (CEC) e a Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME) fizeram questão de entregar o texto em mãos, na passada sexta-feira, 25 de setembro, na sede da Comissão Europeia, em Bruxelas. Recebidos por Vangelis Demiris, membro do gabinete da vice-presidente da comissão, Margaritis Schinas, os representantes das igrejas cristãs em todo o mundo disseram acreditar que há espaço para melhorias no novo Pacto para as Migrações e Asilo apresentado pela Comissão Eurorpeia a 23 de setembro.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

“Basta. Parem estas execuções”, pedem bispos dos EUA a Trump

O arcebispo Paul Coakley, responsável pelo comité de Justiça Interna e Desenvolvimento Humano na conferência episcopal dos EUA (USCCB), e o arcebispo Joseph Naumann, encarregado das ações pró-vida no mesmo organismo, assinaram esta semana um comunicado onde pedem , perentoriamente, ao presidente Donald Trump e ao procurador-geral William Barr que ponham fim às execuções dos condenados à pena de morte a nível federal, retomadas em julho após uma suspensão de quase duas décadas.

ONGs lançam atlas dos conflitos na Pan-Amazónia

Resultado do trabalho conjunto de Organizações Não Governamentais (ONGs) de quatro países, o Atlas de Conflitos Socioterritoriais Pan-Amazónico será lançado esta quarta-feira, 23 de setembro, e irá revelar os casos mais graves de violação dos direitos dos povos da região, anunciou a conferência episcopal brasileira.

Papa apoia bispos espanhóis para ajudar a resolver estatuto do Vale dos Caídos

O Papa Francisco recebeu os novos responsáveis da Conferência Episcopal Espanhola, com quem falou sobre o papel da Igreja Católica no apoio aos mais pobres e mais fragilizados pela pandemia e sobre dois temas que esta semana estarão em debate nas Cortes de Espanha: eutanásia e lei da memória histórica, com o futuro do Vale dos Caídos em questão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Sea-Watch 4 resgata 104 migrantes no Mediterrâneo

Sea-Watch 4 resgata 104 migrantes no Mediterrâneo

O Sea Watch 4 resgatou, de manhã cedo, neste domingo, 23 de Agosto, 97 pessoas que viajavam a bordo de uma lancha pneumática sobrelotada, já depois de ter salvo outras sete pessoas noutra lancha. A presença do navio desde há dias no Mediterrâneo central, é fruto da cooperação entre a Sea Watch, os Médicos Sem Fronteiras (MSF) e a Igreja Protestante alemã, que promoveu uma campanha de recolha de fundos para que ele pudesse zarpar.

É notícia

Mais de 220 milhões de crianças são vítimas de exploração sexual

No Dia Internacional contra a Exploração Sexual e o Tráfico de Pessoas, assinalado esta quarta-feira, 23 de setembro, as Missões Salesianas alertaram para o facto de existirem atualmente no mundo mais de 150 milhões de meninas e 73 milhões de rapazes vítimas de exploração sexual, ou obrigados a manter relações sexuais sem o seu consentimento. Outros dois milhões de menores são ainda vítimas de tráfico para fins de exploração sexual, de acordo com a Organização Internacional de Trabalho. Para combater esta “forma de escravidão do século XXI”, os Salesianos têm em marcha projetos de educação e prevenção em diversos países, nomeadamente na Nigéria, Índia e Gana.

Cardeal Tolentino recebe o hábito dominicano

O cardeal José Tolentino Mendonça vai receber o hábito dominicano, no próximo dia 14 de novembro, no Convento de São Domingos, em Lisboa. A iniciativa surgiu da Ordem dos Pregadores (nome pelo qual são conhecidos oficialmente os dominicanos), devido à amizade de longa data que os une ao cardeal e ao reconhecimento da sua forte identificação com o carisma dominicano. “Foi um convite que lhe fizemos e ele aceitou de imediato por se identificar com o carisma de São Domingos, e deu-se a feliz coincidência de, quando ele foi feito cardeal, ter ficado titular da igreja de São Domingos e São Sisto, em Roma. Ele próprio assumiu nesse dia a sua ligação aos Dominicanos”, recordou frei Filipe Rodrigues, mestre de noviços e dos estudantes à agência Ecclesia.

Padre polaco acusa cardeal Dziwisz de encobrir abusos de menores

O padre polaco Isakowicz-Zaleski divulgou no seu blogue pessoal a carta que terá entregue em mãos ao cardeal Stanislaw Dziwisz, arcebispo de Cracóvia, em 2012, na qual denunciava a prática de atos de pedofilia por parte de um outro padre, Jan Wodniak. Zaleski acusa Dziwisz de ter encoberto tais atos, o que o levou a traduzir a carta para italiano e enviá-la, um ano depois, diretamente à Congregação para a Doutrina da Fé, no Vaticano. Wodniak viria a ser condenado em 2014. Dziwisz diz nunca ter recebido a carta de Zaleski.

Justiça angolana encerra todos os templos da IURD no país

No mesmo fim de semana em que foram retomados os cultos religiosos em Luanda, suspensos desde março devido à pandemia de Covid-19, a justiça angolana iniciou um processo de encerramento e apreensão de todos os templos da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) no país. Desde novembro do ano passado que a IURD tem estado envolvida em diversas polémicas em Angola. Em agosto, a Procuradoria-Geral da República tinha já apreendido sete templos em Luanda, no âmbito de um processo-crime por alegadas práticas dos crimes de associação criminosa, fraude fiscal e exportação ilícita de capitais.

Secretário de Estado dos EUA pressiona Vaticano para não assinar acordo com China

O secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo escreveu que a Santa Sé está a “pôr em risco” a sua autoridade moral se renovar o acordo com Pequim. “Há dois anos a Santa Sé chegou a um acordo com o Partido Comunista Chinês, na esperança de ajudar os católicos chineses. Mas o abuso dos fiéis por parte do PCC só piorou. O Vaticano estaria a arriscar a sua autoridade moral se renovasse o acordo”, escreveu Pompeo.

Entre margens

A trama invisível da cidadania e o valor de educar novidade

“Em Ersília, para estabelecer as relações que governam a vida na cidade, os habitantes estendem fios entre as esquinas das casas, brancos ou pretos ou cinzentos ou pretos e brancos, conforme assinalem relações de parentesco, permuta, autoridade, representação. Quando os fios são tantos que já não se pode passar pelo meio deles, os habitantes vão-se embora: as casas são desmontadas; só restam os fios e os suportes dos fios.”

Fátima e “Avante”

Permitam-me duas ou três reflexões, como cristão católico, sobre a polémica instalada na sociedade portuguesa, relativamente aos acontecimentos na Quinta da Atalaia e na Cova da Iria.

Rituais pós-nascimento: “Ku xlomula mamani ni ku humisa mwana”

Nas culturas bantu do sul de Moçambique, especificamente na xironga e na xitswa, após o nascimento de um bebé, a mãe e a sua criança ficam, por algum tempo, interditados do convívio com a família alargada, por se considerar que os seus corpos não se encontram fortes o suficiente para conviver com agentes impuros, sejam do ambiente poluído de fora de casa, sejam os que com eles habitam, pelo facto de viverem entre o resguardo do lar e outras actividades que realizam fora de casa.

Cultura e artes

Encarnando o irmão Luc

Michael Lonsdale era, naquele final do dia, em Braga, o irmão Luc, assim dando corpo e espírito ao monge com o mesmo nome que foi assassinado na Argélia, em 1996. E é inesquecível a sua participação no filme Dos Homens e dos Deuses, que evoca a vida dos monges do mosteiro argelino de Tibhirine, sete dos quais (Bruno, Célestin, Christian, Cristophe, Michel, Paul, além de Luc) raptados e assassinados por um grupo de islamitas.

Michael Lonsdale: “Gostaria de morrer tranquilamente. Em Deus sobretudo”

Um dos mais fascinantes actores franceses, Michael Lonsdale morreu na passada segunda-feira, 21. Uns lembrar-se-ão de ele ter sido o vice-cônsul de Lahore no filme India Song, de Marguerite Duras, outros não ignorarão o facto de ele se ter empenhado em fazer a vida negra a James Bond. Mas Michael Lonsdale participou em filmes de Truffaut, Malle, Buñuel, Spielberg e outros realizadores não menos relevantes.

Sete Partidas

A reunião de trabalho

A reunião de trabalho convocada pela chefe chegou sem surpresa. Mais uma entre tantas. Comparecemos todos. Através do ecrã, a expressão no rosto e o tom da voz denotavam, no entanto, uma intenção outra. Um assunto especial. Havia efectivamente um assunto especial a abordar. Abertamente. Uma autenticidade sem pudor marcou o tom da conversa. Um cuidado humilde e generoso revelado sem condicionamentos.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco