As razões políticas que atrasaram a canonização de Bartolomeu dos Mártires

| 10 Nov 19 | Cristianismo - Homepage, Igreja Católica, Últimas

Fr. Bartolomeu dos Mártires

 

O processo de canonização de frei Bartolomeu dos Mártires, que quando morreu era já conhecido como arcebispo santo, demorou mais de quatro séculos também por razões políticas: o bispo conciliar era suspeito de simpatizar com o rei de Espanha (os seus últimos dez anos de vida coincidem com a ocupação do trono português pela dinastia filipina), o que não seria verdade. Por isso, a causa foi protelada no início e continuaria a sê-lo com o Marquês de Pombal, que proibiu as obras do arcebispo.

Factores como a extinção das ordens religiosas (1834), perturbações na Cúria Romana depois do fim dos Estados Pontifícios (1870) e a revolução republicana em Portugal (1910) também não ajudaram a que a possibilidade da canonização prosseguisse.

Bartolomeu dos Mártires foi arcebispo de Braga por pressão do seu amigo, frei Luís de Granada, espanhol que, em 1558, era o provincial dos dominicanos portugueses. A primeira escolha do Papa e da rainha D. Catarina para o cargo era o próprio Granada e só depois de muita insistência Bartolomeu aceitou ser nomeado.

Bartolomeu Fernandes Vale nasceu em Lisboa a 3 de Maio de 1514. Baptizado na Igreja dos Mártires, daí recolhe o apelido com que fica conhecido. Aos 14 anos, foi para o noviciado do Convento de São Domingos de Lisboa. Em 38 já ensinava Teologia, em 52 foi nomeado preceptor de D. António, prior do Crato e figura importante nas futuras lutas pela independência de Portugal contra o rei de Espanha.

Frei Luís de Sousa, o seu primeiro biógrafo, descreve-o com uma “boa e bem proporcionada estatura, olhos “pequenos e sumidos, a vista em ambos torcida”, numa referência ao estrabismo que se nota mesmo nos quadros que dele se pintaram. Majestático, “grave e venerável”, pareceria “esquivo e intratável” mas era, afinal, de grande “brandura” e muito humano, com liberdade de “dizer a cada um o que entendia”, a par da humildade em saber ouvir.

Com fama de santidade quando morreu, inicia-se o processo de beatificação. Em Junho de 2001, após muitos avanços e recuos, o Papa João Paulo II promulgou o decreto da beatificação, reconhecendo como cientificamente inexplicável uma cura rápida e duradoura de uma bebé de nove meses, Paula da Costa Madeira Lopes, que sofria de meningo-encefalite, ocorrida em Tondela, em Setembro de 1964.

Foi por sugestão de frei António do Rosário (outro dos biógrafos importantes de Bartolomeu dos Mártires, com Raul Rolo e Aníbal Pinto de Castro, da Universidade de Coimbra), que a mãe de Paula, Olímpia Madeira, intercedeu junto do arcebispo pela cura da bebé, perdidas as esperanças nos médicos – o próprio pai, Carlos Alberto Lopes, era médico. Casada, mãe de duas filhas e professora, Paula Lopes esteve em em Roma na cerimónia da beatificação.

Agora, usando da prerrogativa de poder fazer uma canonização sem a necessidade de um milagre reconhecido, o Papa Francisco inscreveu o nome de Bartolomeu dos Mártires no catálogo dos santos da Igreja Católica. A leitura do decreto de canonização, neste domingo, 10 de Novembro, em Braga, põe termos a um processo de 419 anos.

 

(À excepção do último parágrafo, os elementos deste texto são adaptados de artigos publicados no Público no dia 4 de Novembro de 2001, data da beatificação de Bartolomeu dos Mártires)

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

A mulher que pode ter autoridade sobre os bispos

Francesca di Giovanni, nomeada pelo Papa para o cargo de subsecretária da Secção para as Relações com os Estados, considerou a sua escolha como “uma decisão inovadora [que] representa um sinal de atenção para com as mulheres.

Papa considera “superado” episódio do livro sobre celibato

O Papa Francisco terá considerado ultrapassado o episódio do início desta semana, a propósito do livro sobre o celibato, escrito pelo cardeal Robert Sarah, da Guiné-Conacri, e o Papa emérito Bento XVI (ou que o cardeal escreveu sozinho, usando também um texto de Ratzinger).

Henrique Joaquim: “Assistencialismo não tira da rua as pessoas sem-abrigo”

“O assistencialismo não tira a pessoa da rua, não resolve o problema; ainda que naquela noite tenha matado a fome a uma pessoa, não a tira dessa condição”, diz o gestor da Estratégia Nacional de Integração dos Sem-abrigo, Henrique Joaquim, que esta quinta-feira, 2 de Janeiro, iniciou as suas funções.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Beleza e ecumenismo

A junção de beleza e ecumenismo evoca a luxuriante diversidade num jardim. A beleza tem afinidades com a surpresa: é a vitória sobre o banal, o monótono.

Cultura: novas histórias e paradigmas…

“Torna-se necessária uma evangelização que ilumine os novos modos de se relacionar com Deus, com os outros e com o ambiente, e que suscite os valores fundamentais” – afirma a exortação pastoral Evangelii Gaudium. Na mesma linha em que o Papa João XXIII apelava ao reconhecimento da importância dos “sinais dos tempos”, o Papa Francisco afirmou que: “É necessário chegar aonde são concebidas as novas histórias e paradigmas, alcançar com a Palavra de Jesus os núcleos mais profundos da alma das cidades.

Cultura e artes

Cinema: À Porta da Eternidade novidade

O realizador Julian Schnabel alterou, com este filme, alguns mitos acerca de Vincent van Gogh, considerado um dos maiores pintores de todos os tempos. Os cenários, a fotografia e a iluminação do filme produzem uma aproximação visual às telas do pintor, no período em que van Gogh parte para Arles, no sul de França, em busca da luz, seguindo todo o seu percurso até à morte, aos 37 anos de idade.

Que faz um homem com a sua consciência?

Nem toda a gente gosta deste filme. Muitos críticos não viram nele mais do que uma obra demasiado longa, demasiado maçadora, redundante e cabotina. Como o realizador é Terrence Malick não se atreveram a excomungá-lo. Mas cortaram nas estrelas. E no entanto… é um filme de uma força absolutamente extraordinária. Absolutamente raro. Como o melhor de Mallick [A Árvore da Vida].

Sete Partidas

Guiné-Bissau: das “cicatrizes do tempo” ao renascer do povo

Este mês fui de visita à Guiné. Uma viagem de memória para quem, como eu, não tinha memórias da Guiné. Estive em Luanda ainda em criança, mas as memórias são as próprias da idade. Excepção à única em que o meu pai me bateu. Às cinco da tarde saí de casa e às dez da noite descobriram-me a assistir, divertida, ao baile no clube. Uma criança de cinco anos, branca e loura, desaparecida na Luanda dos anos 1960 não augurava coisa boa, o que gerou o pânico dos meus pais. Daí a tareia…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Jan
21
Ter
Viagem pela Espiritualidade – Conversa com Luís Portela @ Fund. Engº António de Almeida
Jan 21@18:15_19:15

Conversa em torno do livro Da Ciência ao Amor – pelo esclarecimento espiritual, de Luís Portela, com apresentação de Guilherme d’Oliveira Martins e a participação de Isabel Ponce de Leão, Luís Carlos Amaral, Luís Miguel Bernardo, Luís Neiva Santos,
Manuel Novaes Cabral e Manuel Sobrinho Simões

Jan
23
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 23@21:30_23:00

Conferência sobre “Periferias”, com Isabel Mota, presidente da Fundação Calouste Gulbenkian

Jan
30
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 30@21:30_23:00

Debate sobre “Aqui e agora”, com Luís Macieira Fragoso e Maria Cortez de Lobão, presidente e vice-presidente da Cáritas Diocesana de Lisboa

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco