Papa Francisco no Bahrein

“As-salamu alaikum” [a paz esteja convosco], assim como duas armas: oração e fraternidade

| 4 Nov 2022

encontro do papa com o conselho muçulmano dos anciãos Foto Vatican Media

“Que a paz do Altíssimo desça sobre cada um de vós: sobre vós, que pretendeis promover a reconciliação para evitar divisões e conflitos nas comunidades muçulmanas”, pediu Francisco no encontro com o Conselho dos Anciãos Muçulmanos. Foto © Vatican Media.

 

Foram três os momentos em que Francisco teve oportunidade de discursar esta sexta-feira, 4, na sua viagem apostólica ao Bahrein. Os locais e as audiências mudaram, mas a mensagem foi a mesma: Deus é fonte de paz, e os líderes religiosos, na sua diversidade, devem usar duas “armas” comuns para promovê-la: a oração e a fraternidade, tornando-se assim “verdadeiramente pessoas de paz”.

“As-salamu alaikum [a paz esteja convosco]”. Ao iniciar com esta mensagem, e em árabe, a sua alocução na mesquita do Sakhir Royal Palace, perante o Conselho dos Anciãos Muçulmanos (Muslim Council of Elders), o Papa já deixava antever o tom do discurso que se seguiria.

Tal como no discurso que tinha proferido no dia anterior, à chegada ao país que nunca havia sido visitado por um Papa, Francisco pediu paz. E começou por pedi-la para aqueles que tinha diante de si – “que a paz do Altíssimo desça sobre cada um de vós: sobre vós, que pretendeis promover a reconciliação para evitar divisões e conflitos nas comunidades muçulmanas; (…) sobre vós, que vos propondes encorajar relações amistosas, respeito mútuo e confiança recíproca com aqueles que, como eu, aderem a uma fé religiosa diferente; sobre vós, irmãos e irmãs, que quereis promover nos jovens uma educação moral e intelectual que contraste toda a forma de ódio e intolerância. As-salamu alaikum!”, repetiu.

E indicou: “Este é o caminho, aliás o único caminho”, reconhecendo que encontros como aquele deveriam ser mais frequentes. “Creio que precisamos cada vez mais de nos encontrar, conhecer e estimar, de antepor a realidade às ideias e as pessoas às opiniões, a abertura ao Céu aos distanciamentos na terra: antepor um futuro de fraternidade ao passado de hostilidade, superando os preconceitos e as incompreensões da história em nome d’Aquele que é Fonte de Paz”, defendeu.

Depois, apontou os dois “meios essenciais” para que também outros se reaproximem: a oração e a fraternidade. “Estas são as nossas armas, humildes e eficazes”, defendeu. “Não devemos deixar-nos tentar por outros instrumentos, por atalhos indignos do Altíssimo, cujo nome de Paz é insultado por quantos creem nas razões da força, alimentam a violência, a guerra e o mercado das armas”, disse, alertando que “já não basta” cada um ser modelo exemplar “nas suas comunidades e em nossa casa”. “Devemos dirigir-nos, cada vez mais unidos, a toda a comunidade que habita na terra”, sublinhou.

 

“Pretendemos navegar no mesmo mar”

papa em encontro ecumenico durante a viagem ao bahrein Foto Vatican Media

Durante o encontro ecuménico, o Papa apontou a “unidade na diversidade” e o “testemunho de vida” como chaves essenciais para seguir juntos pelo caminho da paz. Foto © Vatican Media.

 

Pouco depois, já na catedral de Nossa Senhora das Arábias, a maior igreja católica do Golfo Pérsico, Francisco prosseguiu na mesma linha de pensamento e convidou os vários líderes religiosos presentes no encontro ecuménico a questionarem-se: “Concretamente, que faço eu por aqueles irmãos e irmãs que acreditam em Cristo e não são dos ‘meus’? Conheço-os, procuro-os, interesso-me por eles? Mantenho as distâncias comportando-me de maneira formal ou então procuro compreender a sua história e apreciar as suas particularidades, sem as considerar obstáculos intransponíveis?”.

Durante o encontro, que contou com a presença de vários líderes cristãos, incluindo o Patriarca Ecumênico de Constantinopla, Bartolomeu I, o Papa apontou a “unidade na diversidade” e o “testemunho de vida” como chaves essenciais para seguir juntos pelo caminho da paz. E, uma vez mais, questionou: “Somos verdadeiramente pessoas de paz? Estamos possuídos pelo desejo de manifestar, por todo o lado e sem esperar nada em troca, a mansidão de Jesus? Fazemos nossas – trazendo-as no coração e à oração – as fadigas, as feridas e as desuniões que vemos à nossa volta?”.

Logo de manhã, Francisco tinha dado uma parte da resposta. Na sua intervenção durante a conclusão do  “Fórum do Bahrein para o Diálogo: Oriente e Ocidente para a Coexistência Humana”, assinalou: “estamos aqui juntos, porque pretendemos navegar no mesmo mar, escolhendo a rota do encontro em vez da do confronto, o caminho do diálogo indicado por este Fórum”.

Mas deixou o recado: “Não podem deixar de se comprometer e dar bom exemplo os líderes religiosos. Temos um papel específico e este Fórum proporciona-nos mais uma oportunidade nesse sentido. É nossa tarefa encorajar e ajudar a humanidade, tão interdependente como desconexa, a navegar em conjunto.”

 

Fazem falta mais “iniciativas concretas”

papa durante a conclusão do  Fórum do Bahrein para o Diálogo Foto Vatican Media

“Não basta dizer que uma religião é pacífica, é preciso condenar e isolar os violentos que abusam do seu nome”, disse Francisco na conclusão do  Fórum do Bahrein para o Diálogo. Foto © Vatican Media.

 

Recordando o Documento sobre a Fraternidade Humana, que assinou em Abu Dhabi juntamente com o Grande Imã de Al-Azhar, ali também presente, Francisco delineou três desafios, que “dizem respeito à oração, à educação e à ação”.

A oração, explicou, “é fundamental para nos purificar do egoísmo, do isolamento, da autorreferencialidade, das falsidades e da injustiça. Quem reza, recebe no coração a paz, não podendo deixar de se fazer sua testemunha”. Mas exige uma “premissa indispensável: a liberdade religiosa”.

Quanto à educação, Francisco lembrou que, “onde faltam oportunidades de instrução, aumentam os extremismos e radicam-se os fundamentalismos. E, se a ignorância é inimiga da paz, a educação é amiga do progresso”.

O Papa destacou, a este propósito, “três urgências educativas”: em primeiro lugar, o “reconhecimento da mulher na esfera pública”, em segundo, “a tutela dos direitos fundamentais das crianças”, e por fim, mas não menos importante, “a educação para a cidadania, para viver juntos, no respeito e na legalidade”.

Francisco concluiu o seu discurso debruçando-se sobre o terceiro desafio, referente à “ação”. “Não basta dizer que uma religião é pacífica, é preciso condenar e isolar os violentos que abusam do seu nome. E não basta sequer distanciar-se da intolerância e do extremismo, é preciso agir em sentido contrário”, defendeu.

Francisco terminou, assim, com um pedido de “iniciativas concretas, para que o caminho das grandes religiões seja cada vez mais concreto e constante, seja consciência de paz para o mundo”. E dirigiu a todos um “veemente apelo a fim de que se ponha fim à guerra na Ucrânia e se dê início a sérias negociações de paz”.

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This