As velocidades do tempo

| 30 Dez 2021

Relógio das Portas Shepherd, Observatório Real de Greenwich (Londres). Foto © Wikimedia Commons

 

Joaquim, Jo para os ingleses, é das pessoas mais extraordinárias que conheci em Inglaterra. É construtor civil especializado em transformar sótãos das tradicionais casas ingleses em espaços habitáveis. Levanta-se cedo e toma o pequeno-almoço, a única refeição e pausa que fará até ao jantar. De resto, alimenta-se a café. Em apenas seis fins-de-semana, um loft (sótão) passa a quarto, sala, casa-de-banho, dependendo do tamanho. E é o Joaquim quem executa praticamente todo o trabalho: estrutura, pichelaria, carpintaria… Chega a cansar só de ver tanta habilidade junta.

Há uns meses, falei-lhe da ideia de uma escadinha para saltar uma vedação. Nesse mesmo dia, recebi uma mensagem para ver se era aquilo que eu queria. Quando saí à rua, já lá estava a engenhoca que permitia passar a cerca mais facilmente. Agora, até tenho receio de sequer lhe falar de alguma ideia.

Na minha experiência de tempo pré-pandémico, uma das grandes diferenças ao regressar a Portugal era a sensação de um tempo mais lento. Para quem acompanha a Fórmula 1, os pilotos que entram nas boxes têm de abrandar para o máximo de 80km horários. Na televisão parece que os carros estão parados quando comparado com a velocidade de pista. Era esta a imagem que me ocorria no regresso ao nosso país.

Em Inglaterra, num intervalo de apenas alguns meses, a visita a uma cidade vai-nos surpreender com um edifício que foi abaixo, outros que, entretanto, nasceram, ou estão em construção. Em Portugal, o prédio Coutinho (em Viana do Castelo) começou finalmente a ser demolido ao fim de anos (décadas?) de discussões e processos infindáveis. Estes dois exemplos, extremos, dizem muito.

Os ritmos mais acelerados trazem uma excitação e estímulos, mas tornam-se também cansativos ou extenuantes. As horas são as mesmas, mas sentem-se de maneira diferente.

A pandemia veio baralhar completamente a noção de tempo. Os últimos dois anos foram vividos com tempos que não batem com os ponteiros do relógio. A certa altura, parecia um slowmotion, noutras, uma catadupa de eventos que marcavam a agenda jornalística praticamente ao minuto e, por vezes, ao segundo. Temos ainda de fazer a catarse do que temos vivido até agora – e quem sabe por quanto tempo mais se prolongará.

O Observatório Real de Greenwich, referência mundial do tempo (e também das mediações cartográficas), inclui um icónico relógio com as 24 horas incluídas. Esta representação parece indicar, pelo menos visualmente, que o dia tem mais horas. Assim acontece com estes dias da pandemia, que confundem a nossa própria percepção de tempo. Eu olho agora para o meu ano e tenho dificuldade em acreditar que foram apenas 12 meses.

Luís Pereira, pai de dois filhos, reside em Inglaterra desde 2012, depois de ter concluído o doutoramento em educação para os media na Universidade do Minho. Desempenha funções na área da pedagogia e da educação digital.

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This