As velocidades do tempo

| 30 Dez 2021

Relógio das Portas Shepherd, Observatório Real de Greenwich (Londres). Foto © Wikimedia Commons

 

Joaquim, Jo para os ingleses, é das pessoas mais extraordinárias que conheci em Inglaterra. É construtor civil especializado em transformar sótãos das tradicionais casas ingleses em espaços habitáveis. Levanta-se cedo e toma o pequeno-almoço, a única refeição e pausa que fará até ao jantar. De resto, alimenta-se a café. Em apenas seis fins-de-semana, um loft (sótão) passa a quarto, sala, casa-de-banho, dependendo do tamanho. E é o Joaquim quem executa praticamente todo o trabalho: estrutura, pichelaria, carpintaria… Chega a cansar só de ver tanta habilidade junta.

Há uns meses, falei-lhe da ideia de uma escadinha para saltar uma vedação. Nesse mesmo dia, recebi uma mensagem para ver se era aquilo que eu queria. Quando saí à rua, já lá estava a engenhoca que permitia passar a cerca mais facilmente. Agora, até tenho receio de sequer lhe falar de alguma ideia.

Na minha experiência de tempo pré-pandémico, uma das grandes diferenças ao regressar a Portugal era a sensação de um tempo mais lento. Para quem acompanha a Fórmula 1, os pilotos que entram nas boxes têm de abrandar para o máximo de 80km horários. Na televisão parece que os carros estão parados quando comparado com a velocidade de pista. Era esta a imagem que me ocorria no regresso ao nosso país.

Em Inglaterra, num intervalo de apenas alguns meses, a visita a uma cidade vai-nos surpreender com um edifício que foi abaixo, outros que, entretanto, nasceram, ou estão em construção. Em Portugal, o prédio Coutinho (em Viana do Castelo) começou finalmente a ser demolido ao fim de anos (décadas?) de discussões e processos infindáveis. Estes dois exemplos, extremos, dizem muito.

Os ritmos mais acelerados trazem uma excitação e estímulos, mas tornam-se também cansativos ou extenuantes. As horas são as mesmas, mas sentem-se de maneira diferente.

A pandemia veio baralhar completamente a noção de tempo. Os últimos dois anos foram vividos com tempos que não batem com os ponteiros do relógio. A certa altura, parecia um slowmotion, noutras, uma catadupa de eventos que marcavam a agenda jornalística praticamente ao minuto e, por vezes, ao segundo. Temos ainda de fazer a catarse do que temos vivido até agora – e quem sabe por quanto tempo mais se prolongará.

O Observatório Real de Greenwich, referência mundial do tempo (e também das mediações cartográficas), inclui um icónico relógio com as 24 horas incluídas. Esta representação parece indicar, pelo menos visualmente, que o dia tem mais horas. Assim acontece com estes dias da pandemia, que confundem a nossa própria percepção de tempo. Eu olho agora para o meu ano e tenho dificuldade em acreditar que foram apenas 12 meses.

Luís Pereira, pai de dois filhos, reside em Inglaterra desde 2012, depois de ter concluído o doutoramento em educação para os media na Universidade do Minho. Desempenha funções na área da pedagogia e da educação digital.

 

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel

Reino Unido

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel novidade

Glyn Secker, secretário da Jewish Voice For Labor – uma organização que reúne judeus membros do Partido Trabalhista ­–, lançou um violento ataque aos “judeus que colocam Israel no centro da sua identidade” e classificou o sionismo como “uma obscenidade” ao discursar no dia 10 diante de Downing Street, durante um protesto contra os ataques de Israel na faixa de Gaza.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

Nos 77 anos do ataque atómico

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

“Apelo a todos os membros” do Parlamento japonês, “bem como aos membros dos conselhos municipais e provinciais” para que se “encontrem com os hibakusha (sobreviventes da bomba atómica), ouçam como eles sofreram, aprendam a verdade sobre o bombardeio atómico e transmitam o que aprenderem ao mundo”, escreve, numa carta lida nas cerimónias dos 77 anos do ataque atómico sobre Nagasaki, por um dos seus sobreviventes, Takashi Miyata.

Mar Egeu: dezenas de pessoas desaparecidas em naufrágio

Resgatadas 29 pessoas

Mar Egeu: dezenas de pessoas desaparecidas em naufrágio

Dezenas de pessoas estão desaparecidas depois de um barco ter naufragado no mar Egeu, na quarta-feira, ao largo da ilha grega de Cárpatos, divulgou a ACNUR. A embarcação afundou-se ao amanhecer, depois de da costa sul da vizinha Turquia, em direção a Itália. “Uma grande operação de busca e resgate está em curso.”

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This