Guterres e OMS denunciam

“Assassinato de civis sem paralelo” prossegue: a cada 10 minutos, morre uma criança em Gaza

| 21 Nov 2023

Evacuação de 31 bebés prematuros do hospital Al Shifa, em Gaza. Foto © WHO

Cinco dos 36 bebés prematuros que deveriam ter sido evacuados do hospital de al-Shifa, em Gaza, no domingo, morreram ainda antes da evacuação, devido à falta de eletricidade e de combustível. Foto © WHO

 

Já lá vão mais de seis semanas desde que o conflito Israel-Palestina se intensificou, na sequência dos ataques do Hamas. O tempo não para, os bombardeamentos também não, e, a cada dez minutos que passam, há mais uma criança que morre na Faixa de Gaza. As contas são fáceis de fazer, mas o resultado custa a assimilar: estão a morrer 160 crianças por dia naquela região, quase tantas quanto as que nascem, denunciou esta terça-feira, 21 de novembro, a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Já esta segunda-feira, António Guterres tinha sido perentório: “estamos a testemunhar um assassinato de civis sem paralelo e sem precedentes, em qualquer conflito, desde que sou secretário-geral [da ONU]”.

Em resposta a uma pergunta à margem de uma conferência sobre o relatório anual publicado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Guterres salientou que independentemente da discussão sobre a exatidão dos números divulgados pelo Ministério da Saúde de Gaza – considerados fiáveis pelas agências da ONU – “o que está claro é que tivemos em poucas semanas milhares de crianças mortas. Isso é o que importa”.

No comunicado desta terça-feira, o porta-voz da OMS, Christian Lindmeier, acrescentava que, por cada criança que morre, “outras duas crianças são feridas, enquanto as suas famílias sofrem com o risco de também serem vítimas do conflito”. O mesmo responsável partilhava ainda a sua preocupação com a ameaça de um surto de doenças em massa em Gaza.

De acordo com o porta-voz do Fundo da ONU para Infância (Unicef), James Elder, se os jovens continuarem a ter – como até agora – acesso restrito à água e ao saneamento na região, o número de vítimas deverá aumentar, o que é ““inteiramente evitável”.

© UNFPABisan Ouda Um recém-nascido nasce no hospital Al Shifa, em Gaza

Um recém-nascido no hospital Al Shifa, em Gaza. Foto © UNFPA/Bisan Ouda 

 

Lembrando que também há bebés a nascer todos os dias na área afetada pela guerra (cerca de 180 por dia) e que, desses, mais de 20 precisam de cuidados especializados, James Elder lamenta que, em toda a faixa de Gaza, “menos de metade” dos hospitais e clínicas estejam a funcionar.

O porta-voz da OMS referiu-se, em particular, ao que aconteceu a cinco dos 36 bebés prematuros que deveriam ter sido evacuados do hospital de al-Shifa, em Gaza, no domingo, mas morreram ainda antes da evacuação, devido à falta de eletricidade e de combustível.

 

Corpo de Alexei Navalny já foi entregue à mãe

Nove dias após a sua morte numa prisão russa

Corpo de Alexei Navalny já foi entregue à mãe novidade

O corpo do líder da oposição russa, Alexei Navalny, foi entregue à sua mãe, informou ontem, sábado, Ivan Zhdanov, diretor da Fundação Anti-Corrupção de Navalny e um dos seus principais assessores na sua conta de Telegram. O responsável agradeceu a “todos” os que apelaram às autoridades russas para que devolvessem o corpo de Navalny à sua mãe, citado pela Associated Press.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bispos católicos belgas vão debater sacerdotes casados e mulheres diáconos

Como preparação para a segunda sessão do Sínodo

Bispos católicos belgas vão debater sacerdotes casados e mulheres diáconos novidade

Os bispos católicos da Bélgica enviaram às dioceses e comunidades locais do seu país uma carta no dia 16 de fevereiro sugerindo a reflexão sobre dois temas ministeriais, a ordenação sacerdotal de homens casados e a instituição de mulheres diaconisas, como forma de preparação dos trabalhos da segunda sessão do Sínodo dos Bispos, que decorrerá em Roma em outubro próximo.

Cristo Cachorro, versão 2024

Cristo Cachorro, versão 2024 novidade

Invejo de morte a paixão que os cartazes da Semana Santa de Sevilha conseguem despertar. Os sevilhanos importam-se com a sua cidade, as festas e com a imagem que o cartaz projecta, se bem que com o seu quê de possessivo, mas bem melhor que a apatia. Não fossem frases como “É absolutamente uma vergonha e uma aberração” e as missas de desagravo e o quadro cartaz deste ano teria passado ao lado.

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

7MARGENS antecipa estudo

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

Ao basear-se em inquéritos junto das famílias, as estatísticas oficiais em Portugal não captam as situações daqueles que não vivem em residências habituais, como as pessoas em situação de sem-abrigo, por exemplo. E é por isso que “subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia a Cáritas Portuguesa na introdução ao seu mais recente estudo, que será apresentado na próxima terça-feira, 27 de fevereiro, na Universidade Católica Portuguesa do Porto.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This