Assumir a vida do coração

| 14 Jun 2023

árvores, natureza, pessoas, sombras

““Poeticamente o homem habita o mundo.” Foto © Masha Raymers/Pexels

Uma dimensão silenciosa da vida é um mapa que nos permite encontrar o espanto primordial diante da razão de ser das coisas. Este gesto de nos colocarmos diante das coisas, é em si, um movimento poético, que nos permite conceber formas inéditas daquilo que nos chega como mistério.

Contudo, irei colocar-me dentro de uma forma poética – ou podemos mesmo assumir apofática – que nos permita interpretar o mundo; ou melhor, podemos construir um diálogo, que nos traz sentidos inesperados sobre como se pensam, narram, imaginam e simbolizam o próprio mistério da vida. Mistério esse que será sempre o mistério de Deus.

Deste modo, esta via poética é um local de entrada, que nos oferece um modo imaginativo de podermos contactar com o mundo da vida. Toda a contemplação é apelo a sermos poetas da terra e do céu. Nesta disposição, há algo que nos é oferecido: na dimensão poética somos expandidos e ela permite-nos cruzar com a alteridade e com o próprio Deus. Na verdade, toda a poesia é uma luta com o nada, é uma luta relacional que nos abre a essência do invisível. Por isso, a poesia será sempre entreaberta, dentro de um rasto de cura que nos liga a um destino, que já repousa no ser e nos permite ver algo que está ausente.

Neste sentido, a via poética é uma sabedoria que alia as dimensões sapienciais, contemplativas, que tem no seu fundo um desempenho crístico. O exercício do silêncio, da atenção, deve ser precedido, em certa medida, de um acolhimento que nos dispõe a estarmos no mundo, a estarmos aí, como ser pulsantes do próprio Deus, tal como Máximo Confessor sugere: “A oração desenvolve todo um entendimento.”

A célebre frase de Martin Heiddeger, parafraseando o poeta alemão Holderlin –  “poeticamente o homem habita o mundo” –, conduz-nos a olhar a realidade a partir de outros olhos, com outra simplicidade e agraciação. Hospedarmos os espantos é perscrutarmos a realidade a partir de um movimento singular, que nos permite chegar noutra condição ao mistério último da realidade. Nessa medida, torna-se essencial o silêncio, porque no silêncio exercitamos uma atenção especial que nos transfigura e transfigura os nossos encontros e aquilo que habitamos. Tal como afirma Byung-Chul Han, uma “vida contemplativa sem ação é cega e a vida ativa sem contemplação é vazia”. O impulso do silêncio é, portanto, um entendimento sem forma, que não tem outra forma senão comunicar aquilo o mistério irradia.

Um via poética é uma experiência que se deixa habitar pelo mistério que, incapacitado da palavra, faz do seu desejo a sonda que nos dá acesso ao mistério da vida. Na realidade, esta advém de sermos constantemente um ser que está em caminho e que procura ser um corpo vivido, naquilo que exprime, escuta e diz. “Tu és aquele que é procurado por diferentes caminhos e diferentes ritos e a que chama nomes diversos porque, por essência, para todos permaneces desconhecido e inefável” (Nicolau de Cusa).

George Steiner afirmava: “Sermos ‘habitados’ pela música, pela arte, pela literatura, tornarem-nos responsáveis por essa habitação, sermos o seu anfitrião, como o dono da casa o é para um hóspede – talvez desconhecido, talvez inesperado – ao serão, é fazer a experiência do mistério trivial de uma presença real.” Só no envolvimento com a palavra poética nos permite olharmos de uma outra maneira as resistências do quotidiano e a ferida simbólica e nos permite experienciar uma vida diferente, de algo que vem de longe. Na verdade, “atitude apofática, que recorre de todo o pensamento teológico de tradição oriental, é um testemunho incessante dado ao Espírito Santo que supre todas as deficiências, e ajuda a superar todas as limitações, que conferem ao conhecimento do Incognoscível a plenitude da experiência, e transforma as escuridões divinas em luz para podemos alcançar a comunicação com Deus” (Vladimir Lossky).

Só esta procura poético-espiritual nos permite assumir a vida do coração. A vida, “não sabe de onde vem nem para onde vai” (João 3, 8) e abre-se como um pequeno infinito que, no coração da vida, nos dá acesso ao mistério de Deus. De tal forma que só nesta forma emotiva nos colocamos na prosa do mundo como poetas do excesso, revelando-nos uma transparência misteriosa, tal como sugerido por Michel de Certeau: “O místico é aquele ou aquela que não pode deixar de caminhar e que, com a certeza do que lhe falta, sabe que cada lugar e cada objeto não é isso, e que não pode viver aqui e contentar-se com isso.”

 

Pedro Fraga é aluno do 6ºano de Teologia no Seminário Arquidiocesano de Braga e foi um dos organizadores das XXXIV Jornadas Teológicas.

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This